Abexim me confesso

Nós todos, homens, que neste mundo vivemos opressos pelos vários desprezos dos felizes e pelas diversas insolências dos poderosos - que somos todos nós neste mundo, senão abexins?
Fernando Pessoa, Outubro 1935

24.3.18

Brinquemos à mão morta

MÃO MORTA, MÃO MORTA

(usando a mão de outra pessoa)
Mão morta, mão morta
Filhinhos à porta
Não tem que lhe dar
Dá-lhe com a tranca da porta
Mão morta, mão morta
Vai bater aquela porta 
(e bate na cara da pessoa com a sua própria mão)

Uma lengalenga aproveitada por José Saramago para desenhar a personagem Marcenda: «e olha fascinado a mão paralisada e cega que não sabe aonde ir se a não levarem (...) mãozinha duas vezes esquerda, por estar desse lado e ser canhota, inábil, inerte, mão morta mão morta que não irás bater àquela porta.» José Saramago, O Ano da Morte de Ricardo Reis, ed. Porto editora, pág. 26.

Marcenda, apesar da mão morta, não precisava de bater às portas..., já Lídia, apesar de ter chave, acaba a bater à porta de Ricardo Reis...