31.12.11

Tempo de descristalização

31 de diciembre de:

Em dezembro 2011, começo finalmente a leitura de um conjunto de ensaios de Unamuno, publicados pela Abismo, com o sugestivo título Portugal, Povo de Suicidas.

Mal entro no livro, esbarro no elogio da  poética de Eugénio de Castro, e, em particular, do poema trágico, em VII cantos, Constança (1900). Eugénio de Castro, ao adotar o ponto de vista de Constança, constrói uma heroína angelical cujo percurso, apesar do ciúme dilacerante´e a certa altura vingativo, se faz através da superação da dor e do despojamento total: Oh! que morte ditosa lhe deu Pedro!/ Mas eis que vê Inês…/ Oh! não, não deve / Para a cova levar aquele beijo! // – «Anda cá, minha Inês…» diz co’um sorriso/ de infinita doçura; nos seus braços / acolhe a linda Inês, abraça-muito, / Dá-lhe o beijo de Pedro, e logo exala, /Serenamente, o último suspiro… //

Para quem se habituou a seguir “os amores de Pedro e de Inês” através das versões literárias de Fernão Lopes, António Ferreira e de Camões, a visão romântica e, por vezes, profundamente erotizada traçada por Eugénio de Castro, convida-nos a abordar o mito de uma forma mais heterodoxa, e por isso, talvez, mais realista. A riqueza do mito literário resulta mais da inventiva do autor do que da história ou da lenda. E sobretudo da descristalização da tradição literária!

Subitamente, a viagem literária, em dezembro, trouxe-me, através de Unamuno, Eugénio de Castro que, neste declinar de 2011, volto a citar, pois a epígrafe com que abre A Sombra do Quadrante (1906) me parece inspiradora:

Murmúrio de água na clepsidra gotejante, / Lentas gotas de som no relógio da torre / Fio de areia na ampulheta vigilante, / Leve sombra azulando a pedra do quadrante / Assim se escoa a hora, assim se vive e morre… // Homem, que fazes tu? Para quê tanta lida, / Tão doidas ambições, tanto ódio e tanta ameaça? / Procuremos somente a Beleza, que a vida / É um punhado infantil de areia ressequida,/ Um som de água ou de bronze e uma sombra que passa… //

PS: Bem sei que os Dicionários não registam o termo “descristalização”, mas se lhe inspecionarem os bolsos, verão a riqueza escondida.

30.12.11

A Sul. O Sombreiro

P1010017

Dos ossos perdidos de Diogo Cão à morte do temível Governador e fundador do efémero e mortífero reino de Benguela, Manuel Cerveira Pereira, tudo decorre entre morros e rios.

Pepetela, em A. Sul. O Sombreiro (set. 2011), reinventa os excessos dos governadores ao serviço da dinastia filipina, a luta entre franciscanos e jesuítas, em nome do Papa romano, a emancipação dos mestiços, a desjagarização, sobretudo das mulheres jagas…

Neste romance, o autor viaja  com grande liberdade pela história do século XVII e, ao mesmo tempo, vai revelando um vasto território, inicialmente, ameaçado pelos europeus e pelos jagas, e que o tempo acabará por eliminar…

Do ponto de vista da construção da narrativa, Pepetela dá a voz à maioria dos protagonistas masculinos, desde os governadores Cerveira e Mendes Vasconcelos a Carlos Rocha, o mulato que foge do próprio pai, passando pelo franciscano Simão Oliveira, sem descurar os provinciais da Companhia de Jesus… Só as  «peças» não têm voz – caçadas à ordem de governadores e de jesuítas – são vendidas e enviadas para as fazendas e engenhos brasileiros, como qualquer outra matéria prima. Aliás, são mais valiosas que a prata, o cobre e o sal!

Como acontece noutros romances do mesmo autor, a sátira domina em A Sul. O Sombreiro, título razoavelmente enigmático: a realeza espanhola, as ordens religiosas, os governadores, os chefes militares, os ouvidores, todos agem com um único objetivo: enriquecer. E por isso a justiça ajusta-se à voz do dono… Dos nativos, apenas os jagas, espartanos, são retratados como desumanos, pois cultivam a eliminação dos afetos.

Em síntese, mais um romance didático cujo principal objetivo é legitimar a existência da nação angolana, forjando a angolanidade através do recuo na história, de tal modo que a presença portuguesa acabará por não passar de um triste episódio…

Quanto ao “sombreiro”, nunca alcançado, penso que Pepetela não deixará de o retomar num dos próximos romances – esse cabo que, afinal, esconde os ossos de Diogo Cão – o mito fundador provisório na mitologia de Artur Pestana. 

27.12.11

Os dias e os motejos

Azinhaga 001O filme Os Dias de José Saramago e Pilar del Rio, de Miguel Gonçalves Mendes, que acabo de visionar, apesar do voluntarismo e da devoção dos protagonistas, não esconde a violência que o negócio da literatura impôs ao escritor, ao obrigá-lo a viajar permanentemente para promover as suas obras.

Ironicamente, o Saramago, que ainda sonhava ir à Índia, acaba por desejar ser árvore bem enraizada numa (im)possível reencarnação, para, à semelhança do Velho Restelo, combater a vã cobiça, provavelmente de cepa bem castelhana…

O escritor, amorosamente subjugado pela feminista Pilar, prefere convencer-nos que renasceu aos 60 anos para a literatura e, sobretudo, para o mercado do livro e das plateias mais ou menos histéricas que raramente mostram ter lido a obra do ídolo.

Dos dias, ficam-me alguns motejos: a) Como é que se pode escrever um prefácio sobre uma instalação se não se vê a instalação? b) Sem homem, não há Deus! c) Eu não nasci para ser escritor! d) Ver, ouvir e não calar! e) Os entrevistadores não acrescentam nada ao conhecimento! f) Os néscios são os outros…

Em síntese, apesar da vida encenada, o filme não consegue esconder a dor que minava o rebelde que, no íntimo, muito gostaria de ser tomado como santo!

25.12.11

O Natal poderia ser simples!

P1010033 P1010034
P1010046

As primeiras horas do dia  25 de Dezembro são únicas: o povo dorme; os semáforos nas ruas desertas sinalizam o habitual desperdício, e a vida flui indiferente à pressa e aos ventres inchados de pobres e ricos.

De austeridade, ninguém fala, a não ser o i que insiste em fazer o balanço das misérias nacionais de 2011.

Aparentemente só, até ao momento sinto-me de companhia…

22.12.11

EDP

A fome é tanta que o vil metal superou as amizades germânicas!

Da ideologia só sobrou o método estalinista! Trabalhadores da EDP, preparai-vos para a grande marcha… do desemprego!

O paradoxo Passos Coelho

 

À medida que mais trabalhadores são lançados para o desemprego, que mais jovens são convidados a emigrar, que as remunerações dos aposentados, reformados e trabalhadores diminuem, o Governo descobriu que para aumentar a produtividade nada melhor que o corte nos dias santos, feriados, férias e até naqueles três dias que eram concedidos para premiar a assiduidade.

Em síntese, estamos perante o novo paradoxo Passos Coelho! Apesar de tudo, não quero acreditar que a Troika seja tão burra que não tenha já percebido que está a ser enganada, pois o Governo não toma medidas de natureza económica porque só sabe proteger velhas e novas clientelas…

Entretanto, a matriz ideológica e a subserviência do Governo serão hoje clarificadas, quando for anunciada a venda da EDP à Alemanha.

( O silêncio dos alemães também se paga!)

21.12.11

E se imitássemos …

E se neste Natal, em vez de celebrarmos o menino, imitássemos o Jacaré Bangão, deslocando-nos ao Ministério das Finanças com os nossos derradeiros cabazes de Natal?

Oferendas aceites, mergulharíamos, para sempre, nos braços de Kianda – espírito do Tejo luso. 

(Nota natalícia dedicada aos cavos pensadores antiescravagistas que, por ora, nos  querem empobrecer para nos libertar de mãos jesuíticas.)

18.12.11

Aproveitamento de Natal

P1010008

Assim mesmo, sem família nem reis nem pastores, o menino, de plástico, aproveitou a almofada lançada por cima da cerca de arame farpado, e pousou o corpinho num cantinho que o tempo é de crise. E vai recriando as luzes e as cores que, outrora, lhe povoavam os sonhos…

Quanto a mim, o mais preocupante é não saber se a sombra se alarga ou encolhe.

17.12.11

À noite, a luz inspira…

Presépio_Almornos Presépio_Almornos

E até nos esquecemos do Gaspar!

Presépios

Almornos 023

No Parque de campismo de Almornos, o espírito natalício ainda perdura, de tal modo que o rei mago Gaspar ainda não foi expulso do presépio.

Pelo reduzido número de campistas, mais parece que estes é que foram eliminados!

15.12.11

Em tempo de metáfora…

Ainda atordoado pela «rica imagética» da insuspeita metáfora do grito de guerra socialista:«Não pagamos! Não pagamos!», desço o atalho à procura das “Quedas de Água” do Alviela, e, subitamente encontro o “Diabo”, conhecedor dos versos de Camões e provável zelador do escaqueirado moinho manuelino.

E, por instantes, pensei que deveríamos ser obrigados a pagar a dívida. De qualquer modo, já vamos no III ato socialista: a) a dívida de um país pobre é eterna; b) Sócrates é dispensado pelo ministério publico de testemunhar a favor do reitor da Independente, pois o Arouca receou que a Autoridade socrática o prejudicasse; c) um deputado juvenil ameaça os banqueiros alemães de lhes partir as pernas, metaforicamente – o zorrinho, por seu lado, descobriu no seu associado um novo Dr. Libório…

 

Alviela-Pernes P1010019
P1010032 P1010025
P1010006 P1010022

Não tenho a certeza, mas penso que terá sido  Pierre Fontanier que, um dia, farto da ignorância dos seus detratores terá afirmado que «tudo é metáfora!».

13.12.11

Por entre palavras rasuradas…

arte

La petite sirène
Ballet de John Neumeier
, d’après le conte de Hans Christian Andersen. Musique : Lera Auerbach

Réalisation : Thomas Grimm
Un spectacle de la troupe du San Francisco Ballet, enregistré les 3 et 5 mai 2011 au War Memorial Opera House de San Francisco.

( Quando os olhos se levantam da escrita alheia, despertos por uma música ferida de amor, é sinal de que ainda é possível suspender a rotina.)

12.12.11

A dívida

Segundo o presidente da Câmara de Montalegre, Fernando Rodrigues, o município vai virar o ano sem dívidas e com dinheiro «em caixa» para 2012.

Feito extraordinário na atual conjuntura. Só é pena que alguém possa pensar que este município seja um dos mais pobres do país!

A não ser que a riqueza de uma autarquia (ou de um país) se meça pela capacidade de se endividar, nesse caso a satisfação de Fernando Rodrigues não passaria de um sintoma de infantilidade.

Por mim, penso que, no próximo 10 de Junho, o presidente Cavaco Silva deveria condecorar todos os presidentes de câmara cujos municípios virassem o ano sem dívidas.

10.12.11

Às 16 horas, na Igreja de Santo Agostinho, em Marvila, Ana Paula Russo (canto) e Carlos Gutkin (guitarra) interpretaram, com rigor e virtuosismo, canções populares e tradicionais de natal e espirituais negros. 
A talha dourava o templo; os (in)fiéis respeitosamente batiam palmas.. Só os quadros, desbotados, escondiam as cenas que, outrora, empolgavam os devotos.
O sol, a espaços, espreitava pelas janelas, mas, envergonhado, cedeu o lugar às lâmpadas estrategicamente colocadas...
Enquanto tudo decorria, eu ia meditando na inutilidade dos armazéns que se foram acumulando e empurrando a igreja de Santo Agostinho para a linha de caminho de ferro...
Provavelmente, nada do que acabo de escrever se verifica nesta malfadada Lisboa!Traído pelas sensações, invento quadros grotescos em vez de exaltar a lucidez que nos governa, apesar de Lúcifer.


Posted by Picasa

8.12.11

A distorção

P1010020

Estará a realidade distorcida ou sou eu que a vejo distorcida? Doravante, a dúvida fará parte da minha abordagem do quotidiano. Do quotidiano mesmo e já não da vida! O todo esgarça-se nos detalhes e o esforço para os reunir cansa até a percepção se diluir em sons sobrepostos que enlouquecem.

Terá a catedral ganho uma nova fachada ou apenas terá sido escondida por um arquiteto agnóstico?

Se os sinos tocassem, as vidraças deveriam estilhaçar-se!

7.12.11

“A dívida dos pequenos países é eterna.”

Afinal, Sócrates sabia o que fazia! Aprendera que os países não devem pagar as dívidas. Quem lho terá ensinado? – Os professores, certamente!

Assim se vê que um sistema educativo permissivo dá muito maus frutos. E há por aí tantos alunos mal aconselhados!

5.12.11

Sugestão…

Cogumelos

Este ano, espero que o senhor presidente Cavaco promova a apanha dos cogumelos que certamente crescem nos jardins de Belém para que nenhum filho dos funcionários do Palácio fique sem uma prenda de Natal.

Ouvi-lo queixar-se da austeridade palaciana incomoda-me porque, de imediato, me faz pensar na tristeza da dona Maria que, apesar dos seus presépios, não difere muito da da minha avó Vitória que, para oferecer um rebuçado aos netos, tinha que consultar o marido e senhor.

Com um pouco de sorte, este ano, se seguir o meu conselho, o senhor presidente ainda poderá mandar servir uma sopinha de cogumelos. Porque para o ano…

3.12.11

Se me sentasse naquele banco…

Igreja do Carmo, Torres Novas

Se me sentasse naquele banco, ficaria de costas para o lugar onde, dizem, vi a luz do dia. Considerando o tempo já passado, a disposição é a mais adequada, pois esse tempo está cada vez mais distante. O lugar ali está, embora desativado… Já ninguém ali nasce! Nem sei mesmo onde é que hoje é suposto nascer! E sobretudo que eu saiba ninguém ali segue a regra do Carmo

Sintomaticamente, se me sentasse naquele banco, continuaria a ver, como no primeiro dia, o quartel cuja origem remonta a 1806, o Regimento de Cavalaria nº 3, também ele desativado…

Embora, por segundos, tivesse pensado em subir a rampa e sentar-me ali de costas para o tempo já passado, não o fiz, não fosse a cavalaria carregar sobre mim.

Mas, deveras, o banco, em frente da igreja do Carmo, lembra-me um certo tempo de austeridade, de trabalho e de silêncio e tão intensa é essa presença que já não estou certo que aquele banco esteja de costas para o tempo já passado…

1.12.11

O feriado do 1º de Dezembro

Um estado laico e soberano jamais abdicaria de um feriado cujo simbolismo é identitário. Farisaicamente, o mesmo estado cede à Igreja Católica o 8 de Dezembro, como se todos os portugueses prestassem culto à padroeira bragantina…

O estado laico não deveria imiscuir-se nas questões de fé, favorecendo uma igreja e tolerando ou ignorando as restantes.

Ao estado, apenas, compete definir os feriados que celebrem os momentos (re)fundadores da nação. E eles não são assim tantos!

30.11.11

O polvo democrático…

image
A 30 de novembro de 2011, o polvo democrático aprovou o orçamento de estado mais anti-democrático da democracia. E com esta aprovação, CDS, PSD e PS abriram a porta ao desinvestimento e à insubordinação individual e coletiva.
Ao longo de 37 anos, o polvo democrático, acolitado autarquicamente pelo partido comunista, partilhou a clientela partidária, inventando um país de abril à medida da sua avidez e da sua ignorância – um país postiço que, agora, é posto a ferros…
37 anos depois de abril, o polvo democrático, mestre do disfarce, mas incapaz de se libertar dos tentáculos, prefere saltar sobre a presa, sugando-lhe a medula e deitando fora o esqueleto.

29.11.11

A metáfora do muro…

P1010019 P1010010

A propósito das “Crónicas de Tempos Vagos” de António Souto, dou comigo a passear pelo blog “Floresta do Sul” de António Manuel Venda que ali sacrifica aos deuses que conseguem preencher o tempo sem levantar muros, visíveis ou invisíveis. Ao mesmo tempo, ainda oiço a magnífica lição de José Jorge Letria, para quem os muros são mais uma construção do leitor do que do autor.

E entre ambos, surge a brecha que nos permite passar através do muro, isto é, nos permite comunicar. E recordo “O Silêncio” de Sophia (ou seria de Mónica?) que lhe permite despertar para uma realidade ensurdecedora.

Hoje, no Auditório “Camões”, apesar da sapiência dos autores, o muro esteve vezes demais do lado dos destinatários. Esperemos, no entanto, que a iniciativa sirva para abrir mais uma fenda…

28.11.11

O ensurdecedor social…

20110403(018)

Se para Pessoa, o mito fecunda a realidade, sendo indispensável para a construção da identidade coletiva (Mensagem), para Pepetela o «mito serve para compensar frustração, serve de ensurdecedor social» (A Sul. O Sombreiro).

Realmente, os estudantes do ensino secundário continuam a assimilar (in)voluntariamente ideias messiânicas e sebastianistas que lhes esmagam a vontade, deixando-lhes apenas o sonho nebuloso da redenção definitiva…

Começa a ser tempo de desmontar os mitos e acabar com as mistificações criadoras de manipansos estéreis.

27.11.11

Bolota no Parque das Nações!

P1010002

P1010004

Sem querer substituir a batata pela bolota, refira-se, no entanto, que esta (tal como a castanha), antes dos descobrimentos, era a base de muitas sopas, havendo, também, quem confecionasse uns saborosos queijinhos de bolota.

Na época de crise que atravessamos, em que os hotéis crescem que nem cogumelos, talvez venha a ser chic degustar uma tradicional sopa de bolota… Por aqui, no Parque das Nações, só faltam os porcos! Ou Não?  

26.11.11

A saga continua…

 

P1010005 P1010007
P1010002

Na rua Marquês de Tomar (Lx), a altercação alonga-se: senhorio e inquilina desentendem-se quanto ao valor da renda. O atraso da inquilina é atribuído a incumprimento do senhorio que, entretanto, lhe responde na mesma moeda. Os argumentos tornam-se gritos e a rua começa a encher-se de curiosos...

(…) Sem pagar, a inquilina arranca a toda a velocidade e o senhorio manda-a queixar-se ao advogado… que ela não pode pagar.

25.11.11

O negócio do lixo…

As agências de rating só veem lixo, não porque vivamos numa lixeira, mas porque o objetivo é forçar-nos a endividarmo-nos irremediavelmente.

A usura é o modo de vida dos credores que, ao mesmo tempo que conseguem um rendimento fabuloso, procuram gerar a indignação e a revolta necessárias à eliminação dos valores gerados pela revolução francesa.

Hoje já não há direita capitalista nem esquerda socialista! Há apenas redes de especuladores que se divertem a destruir para poder acumular.

Regressámos ao antigo regime! Até quando?

24.11.11

Por coincidência!

P1010010P1010006

Durante duas horas caminhei e nada vi de surpreendente, a não ser que havia muito mais polícia em Moscavide do que na Portela ou em Sacavém. Havia pessoas nas paragens de autocarro à espera das carreiras da rodoviária, já que a Carris aproveita o dia para agravar a dívida pública. Nas ruas, a circulação de veículos e de peões era insignificante, deixando entender que o momento é de labor ou de descanso. E de facto nalguns estaleiros, oficinas, lojas e esplanadas, vi trabalho e ociosidade. Não soube, no entanto, avaliar quem levava a melhor…

Entretanto, por coincidência, as agências de rating, só veem lixo. E que mais poderiam elas ver em dia de greve geral?

22.11.11

A ditadura da opinião…

Apesar de haver quem pense que a Grécia moderna nada tem a ver com a Grécia antiga, eu espero que não seja assim, e isto porque há vários dias que uma antiga sentença grega não me sai da  cabeça: «os homens são atormentados pela opinião que eles têm das coisas, e não pelas próprias coisas.» Epicteto, Enchyridion
Infelizmente, as notícias públicas e privadas estão cada vez mais contaminadas por apreciações subjetivas que ocultam ou deturpam os factos.
A crise europeia, para ser superada, exige a criação de um estado europeu – o que impõe, em nome do bem comum, perda de soberania. Mas o que se verifica é que a multiplicidade das opiniões insiste em ignorar o caminho: um governo central, um banco central, forças armadas comuns…
A tormenta que atravessamos impõe clarificação da decisão política: ou construímos o estado europeu ou mais vale sair da “união”…

18.11.11

No mesmo beliche?

A mediatização da investigação e da decisão judicial cria no leitor / espectador a ideia de que a justiça é açambarcada por meia dúzia de figurões que investigam, defendem, acusam e decidem de acordo com o estatuto dos arguidos.

Não se entende porque é que defesa, acusação e decisão são sempre entregues aos mesmos, ou será que o poder mediático é tão poderoso que cria e encena os casos, escolhendo os atores e impondo a decisão?

De qualquer modo, parece-me que a mediatização distorce o exercício da justiça e, sobretudo, aprisiona os decisores, impedindo-os de decidir em liberdade.

E esta última ideia – a de uma justiça amordaçada pelo poder político e, simultaneamente, ignara e presumida -  está muito bem retratada no romance Quando os Lobos Uivam (1958), de Aquilino Ribeiro.

Considerando a quantidade de temas investigados anualmente, em dissertações de mestrado e de doutoramento,  interrogo-me se alguém já decidiu investigar quantos dos intervenientes no inquérito e na decisão judicial já leram Quando os Lobos  Uivam.

A separação de poderes e o seu exercício em liberdade pressupõem uma formação humanística que, infelizmente, tem sido descurada.

17.11.11

Andar para trás?

Andar para trás pode não ser mau!

Se uma empresa, por falta de financiamento, fica impedida de importar as peças de que necessita, por exemplo, para reparar uma viatura, isso não deve ser razão para desistir do negócio. Se olharmos para trás, veremos que, no passado, muitas dessas peças eram fabricadas ao torno por serralheiros que, entretanto, foram perdendo importância.

Nesse tempo, havia mais ofícios, e importava-se menos. E hoje, o que deveras nos interessa é reduzir as importações e regressar ao trabalho – lançar as mãos à obra.

Só a valorização do trabalho manual, apoiado nas novas tecnologias, poderá devolver aos portugueses os recursos para se libertarem da asfixia dos credores e dos especuladores, pretensamente, intelectuais.

Em termos de projeto educativo, as escolas deveriam criar “oficinas”, onde os jovens pudessem reaprender os velhos ofícios…

15.11.11

O sonho e a dor…

«As nações todas são mistérios / Cada uma é todo o mundo a sós.» Fernando Pessoa, D. Tareja, in Mensagem

Com nome próprio só duas mulheres figuraram em Mensagem – duas estrangeiras, as mães fundadoras, D.Tareja e D. Filipa de Lencastre. Por outro lado, anónimas e sofredoras, as mães e as noivas sacrificam-se para que a vontade divina seja satisfeita pelo homem, o infante, a quem compete sonhar, isto é, colocar-se em linha com Deus.

Mas, sem Deus nada acontece!

Portugal entristece porque há muito deixou de ser o povo eleito ou, se reformularmos o problema, porque, afinal , não passa de uma criação estrangeira, a que falta a alma…

Apesar da matriz europeia, Pessoa valoriza acima de tudo o sonho e a dor. Sem eles, o mistério português extinguir-se-á definitivamente.

13.11.11

A escola da pichação

Pichação é o ato de escrever ou rabiscar sobre muros, fachadas de edificações, asfalto de ruas ou monumentos, usando tinta em spray aerossol…

Na Rua das Escolas, Portela, jovens de palmo e meio, dão asas à criatividade: picham os muros mais ou menos recônditos e quebram (e não só) os vidros das viaturas que encontram no caminho da ESCOLA… Quanto à autoridade policial, não vale a pena «apresentar queixa contra incertos», porque a ordem é para arquivar… Será que nas esquadras portuguesas, alguém investiga essa «nobre arte da pichação», alguém segue a «assinatura» destes heróis da periferia? 

P1010007P1010009

P1010010P1010003

11.11.11

Vândalos de palmo e meio…

10112011004

Adolescentes de palmo e meio divertem-se impunemente a vandalizar a propriedade alheia. Na Rua das Escolas, Portela, os episódios de destruição sucedem-se às mãos de jovens que, desintegrados, decidiram criar a sua própria lei.

Será que estes jovens se comportam diferentemente em casa e na escola? Provavelmente, não. Devem ser os mesmos que não param em casa ou que faltam à escola e cujo comportamento continua a ser desculpabilizado, senão premiado!

Assim, vamos construindo o futuro! E tal como vai o mundo, não me espantará nada que que alguém me venha dizer que já são “heróis” no facebook!

9.11.11

Ilusões!

«Miserum est enim nihil proficientem angi.» Cicero, De Natura Deorum

A cada dia que passa, sinto que há cada vez mais gente atormentada, sem proveito. Ainda se as tormentas significassem desafios, essa inquietação poderia fazer sentido, porque vencê-los significaria superação!

Mas não! O que se passa é bem mais grave: cai-se na escuridão porque os espelhos se quebram, tornando claras as pústulas da ilusão.

E a Ilusão não vale o sacrifício de uma vida!

6.11.11

Cores de outono


Ainda é possível sorrir neste outono. A luz e a cor não defraudam se estivermos despertos! Despertos para cumprir a nossa parte / Que, da obra ousada, é minha a parte feita: / O por-fazer é só com Deus. / F. Pessoa, Padrão, Mensagem.
Por enquanto, a LUZ ainda acende a esperança! E não precisa de ser divina…

5.11.11

Ricos pilhos!

«Senão o lobo, a raposa, o pilho de dois pés zarpavam com a mamata.» Aquilino Ribeiro, Quando os Lobos Uivam.

Já não sei se matamos a língua (e a literatura) para ocultar a  mamata ou se é ao contrário: a fraude impõe a morte da língua.

Termos como comezaima, comilagem, conezia, cunha, expediente, furto, ladroagem, mama, marosca, negociata, nicho, pitança,  prebenda, propina, roubo, sinecura, tacho, teta, tráfico, tribuneca, veniaga são o grito abafado de um povo esbulhado da sua própria voz.

E esse povo, ao perder a língua, morre de vez asfixiado pelos pilhos de dois pés! 

2.11.11

Ociosidade…

Variam semper dant otia mentem – A ociosidade causa sempre desorientação. (tradução livre)

Se para Platão, a ociosidade era necessária à indagação reflexiva e pressupunha riqueza daqueles que dispunham do tempo necessário à investigação e à especulação, para Sá de Miranda e para Camões a ociosidade, alimentada pelos pardaus da Índia, efeminava os espíritos, tornando-os fonte de inevitável decadência.

Por seu turno, Eça de Queirós associa ociosidade a diletantismo e a indigência, condenando impiedosamente os polidores de esquinas que infestavam a capital do reino.

Hoje, a ociosidade deixou de ser um privilégio (conquistado ou herdado) para se tornar condenação de milhões de seres humanos, e que, desorientados, estão prontos a marchar sobre os templos que abrigam os modernos bonecreiros.

31.10.11

O Terror

Nunca soube se foi o Terror que criou o terrorismo se é este que visa instalar o Terror. De qualquer modo, durante muito tempo, o terrorismo era a estratégia das minorias, a estratégia dos descamisados contra os totalitarismos, revelando, quase sempre, uma máscara libertária…
Hoje, porém, o Terror passou a ser o objetivo dos governantes. Todos os dias, anunciam cortes a torto e a direito. De forma errática,  tomam decisões que visam desertificar o país, chegando à insensatez de aconselhar os jovens a emigrarem. Pensam, talvez, que um novo fluxo migratório lhes traria uma renda capaz de travestir a realidade, como aconteceu nos finais do Estado Novo.
Os guerrilheiros da educação dedicam-se à sabotagem, dando entrevistas cirúrgicas cujo único objetivo é aterrorizar os docentes, ameaçando-os com o desemprego ou, simplesmente, com alteração das condições de trabalho. Sobre a revisão e o incremento de  uma matriz curricular ajustada à realidade atual, nada se faz de forma fundamentada; apenas avançam medidas avulsas que atingem quem não tem voz porque a precariedade é a sua forma de vida.
Entre a ministra Maria de Lurdes Rodrigues e o Ministro Nuno Crato a diferença é só de escala: Se a primeira generalizou a instabilidade entre os docentes, o último está encarregado de demolir o sistema educativo, minando-o diariamente…
E a máscara do Terror continua a ser libertária! Até quando?

29.10.11

Anónimo!

P1010011 P1010013

Cada vez que passo, lembro a visita que, um dia, fiz ao quarto de Alexandre Herculano. Uma cama insuficiente para acolher o homem!

À beira-estrada, era possível ver que ali, na Azóia de Baixo, na Quinta de Vale de Lobos, residira um homem ilustre, que terminou os seus dias, longe da Corte, a produzir azeite – herculano. Um belo exemplo de civismo!

Hoje, para quem passa, não há uma placa que assinale o lugar onde o historiador se refugiou, apesar de por lá terem sido plantadas, a partir de 1999, 150.000 oliveiras num sistema de rega importado do Canadá.

Sugestão: Se ainda é o senhor Joaquim Santos Lima que dirige a exploração, peço-lhe que aproveite umas gotas dos subsídios que recebe da União Europeia para assinalar aos transeuntes que  ali se produz um  azeite com tradição,  mas, também, que por ali paira o espírito de Alexandre Herculano.

P1010010

E já agora acrescento que também não gosto de ver uma ponte romana escondida por um canavial por entre o qual corre uma água suja que aparenta não ter apenas origem nas recentes enxurradas…

27.10.11

Andaimes…

Interioridade e exterioridade são apenas andaimes - metáfora labiríntica da impotência.

Construímos portas e pontes, apenas para experimentar entrar e sair. Tantas vezes, repetimos o gesto que morremos!

Traídos, quando o andaime falta…

26.10.11

Três minutos…

1 - O cientista político arregala os olhos e grita: - Deixem-se de considerandos sobre as causas da ruína da pátria porque, agora, é tempo de empobrecer! O nosso programa só tem um sentido – empobrecer!

No fundo a nova ciência política está a ressuscitar o mito salazarista de «quanto mais pobres mais ricos».

2 – Há decisões difíceis, mas que, por vezes, nos iluminam o dia. E isto só acontece quando cada decisor faz o seu trabalho de forma rigorosa e isenta; só acontece quando cada um consegue suspender os afectos (positivos ou negativos) e aplica rigorosamente os critérios previamente estabelecidos pelo grupo de trabalho.

3 – Razão ou preconceito, sombras há, no entanto, que se nos atravessam no caminho e nos deixam a pensar sobre a ambiguidade do gesto, da palavra, do movimento. Sobre a influência que podem ter na formação dos jovens…

25.10.11

Insensatez…

Acordar às 5 h e 15 minutos para preencher uma ficha de observação de uma turma é certamente prova de insensatez, sobretudo quando o patrão corta vencimento, subsídios de férias, de natal e congela progressões na carreira.

E a insensatez é tanto maior quanto esta obrigação resulta da necessidade de compensar o tempo gasto a apreciar as mil “evidências” que mostram que somos um país de vassalos excelentes, no caso, de professores… Ou talvez não?

Com tanta excelência, ainda não aprendi a distinguir os «objetos verdadeiros» dos «objetos falsos»! E, acima de tudo, neste tempo de respigar, ainda não aprendi que o que resta não chega a ser literatura!

Agora, sim, é hora de acordar!

23.10.11

A respigar…

P1010019P1010009
P1010040

Devagar e a caminhar, avisto o que parece não fazer falta, mas sem ele os dias seriam todos iguais! Bolorentos!

22.10.11

Respigador

 

P1010026 P1010018
P1010014

Respigo as sobras;  algumas sabem-me a epifania.

- Que mais posso desejar?

- Talvez, ver-me livre das moscas! Mas elas já aprenderam a respigar há mais tempo…