30.12.10

Cheguei ao fim…

Cheguei ao fim da Correspondência (12.11.1971). À data, «as portas entreabriam-se (por quanto tempo?) e toda a gente se lançou a publicar cada vez mais ousadamente. A política e o sexo vão de vento em popa.» Carta 159 (José Saramago).

Ao mesmo tempo que a Censura parecia desmobilizar, Saramago via-se desfeiteado pelos novos patrões da Editorial Estúdios COR que decidiram admitir um novo director literário – Natália Correia – sem lhe dar qualquer satisfação. E por isso Saramago « cansado de carambolar entre a editora e os autores… (…) e do franciscanismo tolo e ingénuo que tem sido o meu» (…)  demitiu-se.

Por seu lado, Miguéis, à beira dos 70 anos, adoentado e cada vez mais esquecido, continua à procura de novos caminhos literários e editoriais, sem deixar de zurzir nos literatos portugueses em que inclui Mário Dionísio: «Segundo o pobre do Mário Dionísio – tão mau pintor como mau poeta – para quem também deixei de existir – o rótulo importa mais que o vinho da garrafa»

Miguéis não deixa, no entanto, de separar o trigo do joio, embora, curiosamente, nestes 12 anos de correspondência não haja uma única referência a Fernando Namora, ao declarar ao amigo Saramago:

« Não creio que nenhum outro cronista nosso escreva hoje de maneira tão toante, directa e moderna – e tão bem! -  sobre os pequenos e grandes quotidianos da nossa vida: humanidade, ironia, e um pessimismo sorridente, isento de amargura.» Carta 160.

Miguéis, ao comentar Deste Mundo e do Outro, antevia já o lugar primeiro a que Saramago se alçaria, ofuscando todos aqueles que, de algum modo,  se habituaram a vê-lo como o servo em vez do senhor.

PS: Um Bom Ano de 2011 para todos! e, em particular, para o discreto e fugidiço José Albino Pereira. 

28.12.10

O resto é opinião…

Continuo a ler sofregamente a Correspondência trocada entre José Rodrigues Miguéis e José Saramago. É deliciosa pela informação que nos dá sobre as angústias do “senhor” e do “escravo”, do rigor  e do pragmatismo anglo-saxónicos, do laxismo e do esbanjamento portugueses; da intelectualidade postiça e invejosa; da crítica presunçosa e maldosa que imperam na “pátria”… De facto, aos olhos dos correspondentes, pouco ou nada se salva naquele Portugal de 1959 a 1971… à beira-lágrima plantado.

(Das 166 cartas, já devorei 116, sem necessitar da caruma para lhes pegar fogo!)

E para não ser maçador, referindo-me à chatice da actualidade política e económica,  termino com as sábias palavras de J.R.Miguéis:

O homem é a obra e só vale por ela. O resto é opinião, isto é, paisagem: disso temos para dar e vender, sofremos de «opinião fácil»…

26.12.10

Parece um sonho…

Capa

Parece um sonho, mas é verdade! Saramago, durante anos “serviu” paciente e zelosamente o escritor “americano”, como seu »director literário» na Editorial Estúdios COR. A correspondência entre ambos confirma-me a visão do escritor exigente e, por vezes, exasperante que foi José Rodrigues Miguéis. Tinha a ideia que este seria tão perfeccionista e ávido do vil metal como o fora Eça de Queirós. Bem sei que ambos precisavam dos proventos da escrita para poderem sobreviver em climas e culturas bem diferentes!

Apesar da hipocondria e, por vezes, da incompreensão de Miguéis, José Saramago procura sempre servir o ilustre escritor, quase sem um queixume, revelando uma crescente simpatia que progressivamente se transforma em amizade, no sentido nobre, diria mesmo, platónico do termo. Pressinto que, para Saramago, o cultivo dessa relação foi fundamental para a sua maturação como escritor que, paradoxalmente, o ajuda a libertar-se do jugo dos editores e até do capricho da crítica e, sobretudo, do mau gosto dos leitores…

Das 166 cartas que compõem esta obra, organizada e anotada por José Albino Pereira, só li, ainda, 43…, mas a leitura é apaixonante, para quem sempre considerou Miguéis como um dos maiores escritores da lusofonia e, sobretudo, porque nos dá um retrato de Saramago, como um homem humilde, amigo de seu amigo, crítico parcimonioso e senhor de um saber fazer admirável…

(Quanto a José Albino Pereira tem aqui um trabalho que honra o zelo de José Saramago. Espero que se mantenha disponível para nos falar desta relação privilegiada entre Miguéis e o Nobel da Literatura. E, sobretudo, que não nos fuja, de vez, para os campos do Ribatejo!)  

23.12.10

Festas Fartas!

Imaterial

Independentemente da confissão ou da convicção, a grande maioria corre frenética para a noite de Natal, como se não houvesse mais noite. A vertigem arrasta para a despesa fácil e para a mesa farta, como se a riqueza nos fugisse definitivamente.
E de verdade, o ano de 2010 parece assinalar para muitos portugueses uma viragem profunda no estilo de vida... Por enquanto, ainda mantemos rotinas... e por isso Boas Festas a todos os que me têm acompanhado.

(E quanto a 2011, esperemos que, para fazer prova de honestidade, não seja necessário renascer duas vezes!)

19.12.10

Por demonstrar…

O dia de hoje foi um pouco diferente do de ontem. Com menos frio. Continuei, no entanto, a corrigir trabalhos de última hora, alguns reflexo de enorme preocupação  dos autores em melhorar os seus desempenhos. Já há quem seja tão perfeccionista que corrige e reformula as vezes que eu quiser!

Estou a referir-me a um conjunto de jovens que, provavelmente, se submetidos ao Programme for International Student Assessment (PISA), obteriam resultados que permitiriam, por extrapolação, colocar Portugal nos píncaros da Lua.

De qualquer modo, mesmo que esta amostra possa compensar as inúmeras horas despendidas, fica sempre a frustração de que muitos estudantes não valorizam nem a leitura nem a escrita e, sobretudo, o desespero de que estas ferramentas são cada vez mais utilizadas de forma desonesta.

Ao contrário de Daniel Sampaio que pede que «não nos esqueçamos de que os dados do PISA são uma boa notícia que os nossos jovens nos trouxeram» (Pública, 19.12.2010), eu creio que se trata apenas de resultados que procuram tapar o sol com uma peneira.

(Continua por demonstrar como é que Portugal passou a estar na média da OCDE – entre a excelência e a desonestidade a fronteira é ténue.)   

18.12.10

Entretanto…

Quando acreditamos que ESCREVER ajuda a organizar a leitura da realidade (exterior e interior) e apostamos em recorrer a essa estratégia como ferramenta de ensino e de aprendizagem, estamos a correr riscos… pois necessitaremos de dezenas e dezenas de horas para rever os textos que nos são submetidos, quase sempre fora de horas…

Não há componente não lectiva que abarque o tempo despendido nesta tarefa! E, frequentemente, somos enganados! Quantas vezes, recebemos “cópias” de outras “cópias” mal engendradas! Infelizmente, não são apenas os alunos que recorrem ao plágio!

Ainda há poucos dias um dos maiores plagiadores que conheci foi promovido a cardeal! Quando o conheci ainda era presbítero, mal sabia escrever e tudo o que escrevia era plagiado, graças às novas tecnologias da informação…

O plágio é tão bem visto que, amanhã, o Governo não deixará de nos impor a reforma aos 67 anos de idade. Basta olhar para o vizinho do lado!

(Tudo isto pode parecer descabido, mas há vários dias que venho revendo textos que eu próprio motivei e que, na maior parte dos casos, são vistos como um capricho de professor obsoleto e que, concluídos os 36 anos de serviço, se vê ameaçado com mais onze…)

Entretanto, vou ter de mudar de estratégia para que a morte não me surpreenda a escarafunchar, nem vale a pena, dizer no quê…

15.12.10

De que serve encanar a água?

É tanto o ruído, tantas são as frases sobrepostas que as meninges latejam. Pouco interessa se a palavra encontra interlocutor. Fontes donde a água jorra indiferente à necessidade!

De que serve encanar a água se qualquer riacho a pode encaminhar para o mar? Esse lugar em que, definitivamente, a gota morre.

Inebriados, transformamos o sério em risível, alheios à vida que paulatinamente estiola…

(O sentido atravessa sem cor as fendas destas surdas paredes e eu sigo pelos interstícios para longe do rumor que me esmaga o cérebro. Só não sei porque regresso todos os dias!)

14.12.10

A medida errada…

Procusto e TeseuA União Europeia comporta-se actualmente qual Procusto que tinha a mania de deitar os seus convidados num leito a cujo tamanho os adaptava.  O directório europeu, depois de ter engordado os países periféricos, decidiu agora emagrecê-los, desprezando por inteiro os seus efeitos.

E o que é que os governantes da periferia europeia fazem? Obedecem servilmente.

E as várias corporações que posição tomam? Reivindicam a manutenção dos privilégios.

A ninguém parece importar que a opção europeia tenha sido tomada sacrificando a milenar posição de Portugal no mundo. E por isso ainda não percebemos que o euro é uma má moeda que, por mais que a estiquemos ou a encolhamos, não corresponde à nossa medida.

12.12.10

Ontem…

Nada escrevi sobre ontem, dia triste com sol tímido.

De manhã, aquela missa “bonita”, com as seculares vozes gregorianas, uníssonas, a convocarem para o reencontro com Deus, alternando com notas de fado a lembrar que os únicos encontros só podem acontecer nesta vida…

E por mais que o Frei tivesse sabido escolher as palavras bíblicas anunciadoras da tua ressurreição, por mais que o Frei tenha exagerado na defesa do valor “pertença”, seja ele de pertença a uma família, a um externato (da Luz franciscana), seja ele de promissora pertença à família do Fado, a mim ninguém me tira da cabeça que o teu derradeiro gesto, Catarina, foi de ruptura, cansada de promessas que nunca chegaram a aquecer-te a alma e, sobretudo, incapaz de te ressuscitar no dia seguinte!

E por isso, à tarde, a pretexto de folhas e de árvores outonais, atravessei a ponte e percorri as estradas, sabendo que qualquer convicção de pertença pode estrangular a voz, pode ser impiedosa para quem procura, por si, a ataraxia.

10.12.10

Catarina n.s.

Sempre me pareceu que os teus silêncios, as tuas ausências, as tuas leituras revelavam o incómodo de te atrasarem na realização dos teus (pouco) secretos objectivos e por isso, hoje, não me surpreende que tenhas querido juntar-te àqueles outros que, jovens como tu, também, transpuseram definitivamente a linha… Essa linha inexorável que separa a vida da morte…

8.12.10

Os discípulos de Rousseau e de Freud…

Finalmente, encontrei quem, sobre a decadência da sociedade e da escola, enuncia as causas sem rodeios. Embora Francesco Alberoni não o explicite nesta crónica, os discípulos de Rousseau e de Freud insistem em prestar um mau serviço à comunidade…

5.12.10

Outono…

Outono 011

A cor deslumbra, apesar da campanha “um presidente, uma maioria” avançar (in)discretamente. O brilho outonal não deixa, contudo, de anunciar o Inverno.

4.12.10

Nota Breve…

30 anos depois, o mito Francisco Sá-Carneiro sofre forte impulso, querendo fazer crer que o povo português é visceralmente sebastianista. De facto, o mito sempre foi alimentado por interesses de grupos que, colocados próximos do poder, viam nesse ideário uma via para a ascensão ao poder.

Até hoje, a solução sebastianista só trouxe violência e pobreza; só adiou a resolução da questão portuguesa. Infelizmente, Passos Coelho, também, não resiste ao aproveitamento da memória de Francisco Sá-Carneiro, um homem que, no seu tempo, sempre deu sinais de autoritarismo, e cujo partido, PPD, acolheu muito do que sobrou do antigo regime…

1.12.10

O que motiva o olhar…

Copia-certificadaAbbas-kiarostami

Entre a Cópia certificada do iraniano Abbas Kiarostami e a exposição  Res publica 1910 e 2010 face a face, na F. C. Gulbenkian, o que é que há de comum?

Nada mais do que o olhar, pois original e cópia, em si, nada acrescentam. Tudo depende do que motiva o olhar… a glória, o lucro, a felicidade ou, simplesmente, a ilusão…

E esta última, associada a uma boa dose de desespero, leva-nos a querer primeiro separar o original (inacessível) da cópia (manipulável) para depois nos agarrarmos a fantasias só nossas em que a res publica (o outro) já nada significa …

Saber se uma boa cópia é melhor do que o distante original ou se a terceira república supera a primeira não é mais do que um jogo cujo único fito é sublimar a atroz razão humana…

25.11.10

O dissídio…

Podia chamar-lhe desinteligência, mas não foi essa a palavra que me atravessou a mente ao reparar na penumbra em que mergulhou o país. Perante a crise, em vez da união dos parlamentares para impedir que as desigualdades se acentuem, assistimos à aprovação de um orçamento que cria ainda mais clivagens. Protegem-se as remunerações de sectores onde o compadrio grassa e, ao mesmo tempo, ignora-se o crescimento da vaga de desempregados e de trabalhadores precários…

O argumento de que os quadros das empresas públicas podem fugir é ridículo, pois se o fizerem, isso significa que lhes falta solidariedade, não merecendo a remuneração que auferem. Que o façam e depressa! Ninguém é insubstituível num país em que milhares de jovens qualificados espreitam, em vão, uma oportunidade.

A militância partidária não pode continuar a substituir a competência daqueles que não sacrificam aos deuses de moda, sejam eles quais forem.

O orçamento que, amanhã, vai ser aprovado mata definitivamente os anseios de Abril de 74! Doravante, já não basta o direito à indignação! Às vítimas exige-se que levantem a cabeça e destruam as cercas que os muram.

A começar pelos mercados…

23.11.10

Se quiser…

Se quiser ficar mais perto, procure o Bar do Além...

Um caminho só é exterior para quem anda distraído. A terra é toda uma; as cercas que construímos são anti-naturais e limitam-nos a percepção do eu e do outro.

O tempo humano é inutilmente gasto a desenhar e a defender fronteiras.

20.11.10

Um camping surpresa


Em Alenquer, no Porto da Luz. 
A surpresa resultou de mal ter chegado, ser convidado para assistir a uma palestra, no Bar do Além. Tema: O MILAGRE DAS ROSAS. Oradora: Teresa Gomes Mota. Moderador: Luís Nandim de Carvalho.
Apesar do camping estar praticamente vazio, o bar encheu-se de tertulianos vindos um pouco de todo o lado, com um detalhe em comum – poucos conheciam Alenquer. Ouviram atentamente a oradora, que revelou partilhar o pensamento de Joaquim de Fiori sobre a TEORIA DAS TRÊS IDADES.
Em 60 minutos, revisitei S. Francisco de Assis, D. Dinis e a guerra com seus filhos e, sobretudo, Dona Isabel de Aragão; sem esquecer, Damião de Góis… E sobretudo, as manifestações do Espírito Santo em terra lusa – de Alenquer aos Açores… Só não estive presente no almoço que se seguiu!
E a surpresa ainda pode crescer se navegarmos no blog: www.bardoalem.blogspot.com
E em tudo isto, camping e tertúlia, está o espírito de Luís Nandim de Carvalho.

19.11.10

E a pobreza aumenta…

A ideia de construir a paz pela força é uma ideia que me desassossega. A História ensina que mesmo que as armas possam ser um instrumento de libertação, elas acabam por impor a ocupação. E a ocupação militar esconde sempre o roubo das matérias primas do território “libertado”. É esta sequência – libertação / ocupação - que legitima a acção dos grupos anti-NATO.

No entanto, o manifesto anti-NATO, ao apostar no desarmamento, abre a porta ao suicídio das culturas mais idealistas, pois o homem é naturalmente predador.

A guerra lá longe pouco nos diz, mas pesa no orçamento. A cimeira da NATO, em Lisboa, pode dar prestígio a alguns governantes, mas os portugueses não conseguem entender porque é que ela decorre num país à beira do abismo. As despesas com a organização da cimeira e das contra-cimeira são a expressão da irracionalidade das elites…

E a pobreza aumenta a cada minuto que passa lá longe, no Afeganistão, ou, aqui perto, neste país onde até o sol, envergonhado, deixou de ser o habitual anfitrião.

18.11.10

Uma forma de estar…

Parece que as leis são aprovadas para pôr à prova o nosso espírito de rebeldia. É um pouco como se os desafios já estivessem esgotados! E, talvez por isso, desesperados, tudo fazemos para as contornar. Só não queremos aceitar as consequências desse desafio.

Para nós, os desfechos são sempre vitoriosos, mesmo que os jogos sejam a grão-de-bico!

14.11.10

Sociedade a dois…

13Nov2010 00513Nov2010 001

A leitura de “Sociedade a dois” de Tenessee Williams não é estranha ao modo como percepciono as primeiras páginas dos Jornais: «José Sócrates desautoriza Amado e fecha as portas à “grande coligação”. No conto, duas bichas descobrem as vantagens comerciais e afectivas de uma vida a dois, embora saibam que aquela “sociedade” caducará inevitavelmente.

No caso de Sócrates, o factor psicológico (pessoal) sobrepõe-se ao factor social, pois é um daqueles homens que entrou na política já traumatizado. Deixo a explicação aos biógrafos, mas não posso deixar de pensar que as experiências pessoais lhe afectam, desde o início, a decisão política. Ainda por cima, o povo, que lhe dera uma maioria absoluta, traiu-o, retirando-lha e obrigando-o a procurar compromissos.

De facto, o povo não entendeu que este tipo de pessoa necessita de uma maioria absoluta para poder governar, pois Sócrates não pode aceitar os limites impostos pelo compromisso. E esta falta de entendimento não resulta de um capricho, mas de uma irremediável fenda na estrutura psíquica.

Um povo quando escolhe deveria saber mais sobre o carácter dos candidatos!

12.11.10

Adeus, João Manuel Serra!

«A minha vida não tem nada de especial, não fiz nada de especial, sem ser isto.»

014

Num país triste e abúlico que mais podemos fazer? Fica a palavra incorpórea…

10.11.10

A teia…

Na Loja do Cidadão: – «Se me tocas, mato-te, bandido!» (interlocutor invisível). - «É todos os dias a mesma coisa!» (coro de funcionários revoltados)

Na Praça em frente, dois moldavos sorriem gulosamente para uma carrinha de valores e parecem dizer: – «Logo, à noite, não nos escapas!» De facto, apenas esperavam uma loira emplumada…

Ao lado, na esplanada, uma «bica» alimenta horas de espera infrutífera… no país da (des)burocratização que consegue transformar salas de teatro em “lojas” de atendimento.Turistas pasmados fotografam a fachada do Éden e trocam olhares intrigados.

De manhã, ainda observo os movimentos e sinto os salpicos da chuva; ao fim da tarde, já ausente, oiço palavras marteladas,  palavras dissidentes, palavras sectárias.

Fica-me, contudo, a ideia de que já não conto. A teia cobre-me o rosto como desce a noite. Sem avisar. 

7.11.10

O contraste…

7Nov210 0257Nov210 032

Pouco crente, continuo, no entanto, a caminhar na expectativa de recuperar algum osso mais esboroado. Para que a caminhada se torne menos hipocondríaca, vou observando lugares e comportamentos um pouco ao acaso. E o contraste assalta-me: a Quinta da Vitória (ironia / antífrase?) continua igual a si própria – imutável – no concelho de Loures; do lado de lá da fronteira, o Laboratório Militar e o Instituto Geográfico do Exército desaguam num inesperado canavial, parcialmente ocupado por meia dúzia de barracas…

O bairro de lata, o bairro da Gebalis, ambos em terrenos socialistas, já deixaram de me preocupar. Ninguém quer saber da promiscuidade e da degradação que os infesta. E eu que posso fazer?

Todavia, as instalações militares lembram-me outras instalações militares espalhadas pelo país, de alto baixo, e não posso deixar de me interrogar sobre o preço da manutenção / abandono desse património. Muito eu gostaria de saber quanto é que o Estado gasta e /ou desperdiça anualmente só em espaços ocupados pelas gloriosas forças armadas! Isto não significa que o País não necessite de Forças Armadas. Significa que não há motivo para que elas sejam donas de uma parte do território. Significa que o Estado só deve dispor do território para funções nobres e não pode desperdiçar recursos, gerando contrastes intoleráveis….

4.11.10

A turbulência do verbo…

«Entre a infância e a idade adulta há todo um espaço acidentado, possivelmente ainda mais acidentado do que a infância. É um estado interior, turbulento, agreste. As vinhas e as silvas parecem ter ficado para trás, só que agora são mais robustas e emaranhadas, ainda que menos visíveis do exterior. Estes anos de perigosa transição representam a ascensão às colinas do desconhecido. Às vezes, roubam-nos o ar, noutras perturbam a visão.»Tenessee Wiliams,  A Semelhança entre um estojo de violino e um caixão.

Na literatura, mais do que o enredo, o que desperta a minha atenção são as ideias. Quando as encontro, páro e viro-as do avesso à procura da sua consistência, da verdade ou da mentira que orientam a acção. Fico refém de atalhos, como, por exemplo, se as «vinhas e as silvas» significam alguma coisa para os jovens de hoje… E a resposta encontro-a naquela «cepa ateniense» totalmente desconhecida de uma das minhas turmas do 11º Ano… Ésquilo perde num ápice a origem e a substância, ameaçado de perdição, eliminado o acento esdrúxulo. Ésquilo, o tragediógrafo, vira esquilo…

Ao contrário da pergunta fácil do tempo da infância, há, agora, na transição, um crescente desinteresse pela novidade da palavra, um imperial desprezo pelo testemunho alheio, como se não houvesse nem passado nem futuro…

E é esse desprezo que se torna preocupante: ao recusar o verbo, não lhe entendendo a práxis, acaba por se silenciar a comunicação.

1.11.10

Santos e defuntos..

Fotografia0040 

Dia de todos os santos! O calendário, por vezes, é um bom indicador do estado do mundo. Tantos são os santos que alguns ficam de fora da liturgia ou, em alternativa,  vêem-se obrigados a coabitar num mesmo dia, o que lhes retira graça e glória. Por isso foi criado este dia da fraternidade beatífica, e colocado antes do dia de todos os defuntos, entenda-se dia de aqueles que, por esta ou aquela razão, não gozam da certeza da glória eterna… (Bem sei que esta ideia pode ser temerária!)

De qualquer modo, os santos continuam por aí na memória diária, os defuntos, esses, caídos no esquecimento, dão corpo a uma natureza pletórica.

Por mim, ao exemplo e à glória dos santos, prefiro o esplendor outonal dos defuntos. Já lá vai o tempo da emulação!

(Felizmente, acabo de compreender que definir objectivos individuais é prometer que me vou portar melhor: ajudar os meus colegas a suportar o desperdício da avaliação; ajudar alguns dos meus alunos a apostarem no trabalho, quando o detestam e abominam a escola da responsabilidade. Em suma, procurar a excelência à custa da humilhação do outro…) 

E, na verdade, esta emulação há muito que deixou de fazer qualquer sentido para mim. Há muito que o esplendor outonal tomou conta de mim.

30.10.10

Em tempo de caracóis…

Carvalhal30Out2010 007

O caracol floresce nos dias de chuva e o país anda para trás. De qualquer modo, os portugueses não se coíbem de passar estes três dias de inactividade injustificada longe de casa, mesmo que as viagens tenham custos acrescidos, resultantes de mais portagens e de mais acidentes. Por seu lado, os políticos ocupam o palco, em vaidades infantis e jogos suicidas.

27.10.10

No caminho (in)certo…

Diz-nos Gonçalo M.Tavares que «o tipo de texto leva-nos sempre a sítios diferentes». Infelizmente, o português parece ignorar este princípio, insistindo em «falar de si» como se nada mais existisse ou como se só existisse um único tipo de texto. A opinião salta, assertiva, desprezando o estudo e contornando os argumentos, em nome da soberba e da vaidade…

Se nos libertássemos  da opinião e experimentássemos as regras dos caminhos, descobriríamos novos horizontes. Mas não. Preferimos hostilizar toda e qualquer regra, desde da contabilística à da cortesia… Desregrados, seguimos por encostas suicidas…

(Em absconso solilóquio, o ministro das finanças fala de objectivos que já não são nossos!)

25.10.10

Num Domingo outonal…

Areia Branca 014

Na AREIA BRANCA, num Domingo outonal, de manhã, as nuvens parecem ameaçar, mas ninguém as vê. Estão ali suspensas, escorrendo do branco para o cinzento envergonhado e, ensimesmadas, resistem à tentação de cumprir o impulso primeiro. E eu subo e desço as pequenas encostas, reflectindo sobre a viabilidade económica dos múltiplos bares, cafés e esplanadas. Há sinais de novo riquismo, próprios do Verão, mas sem expressão humana nas restantes estações do ano. Investimentos públicos que reflectem a mentalidade dos seus promotores, mas que escondem a miséria bem visível, por exemplo, no parque de campismo. Um parque municipal, residencial, incapaz de acolher os forasteiros que desejem passar um ou vários dias nesta acolhedora praia, apesar de, também, a areia começar a falhar…

Sobra, todavia, a Pousada da Juventude!  

23.10.10

Dá vontade de desancar…

“Por vezes, em dia de balanço, acordamos cáusticos, com vontade de zancar nos fornecedores de serviços…”

Diz-me o Senhor Eleutério Silva que o vocábulo “zancar” não existe e, de facto, não vem registado nos Dicionários mais nobres. No entanto, se consultarmos o INFORMAL, lá vem o verbete, mas sem definição… Enfim, reminiscências de uma infância em que a violência do gesto cortava nas sílabas (e nas silvas?) a torto e a direito!

E hoje, há por aí muito boa gente a pedir que desanquemos nela. Esperemos que não seja necessário, porque, se isso acontecer, temo que o verbo “zancar” acabe, na pressa, por receber carta de alforria.

De qualquer modo, obrigado. 

20.10.10

Ao abandono…

Sacavém 024

Em Sacavém, na Praça da República, o Batalhão dos Adidos.

17.10.10

Esquecimento…

Muito do que sei (ou já soube ?) devo-o a alguém. Por exemplo, o que, ainda, sei sobre Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, em parte, bebi-o na obra comprometida de Alfredo Augusto Margarido que me ensinou o caminho para essa fundadora CASA que, contrariando os objectivos do Estado Novo, nasceu no seio da Casa dos Estudantes do Império (CEI). Sem ela, a CEI, e sem ele, Alfredo Margarido, o CASA lusófona seria bem diferente. É, também, dele, Alfredo e da CEI que nos fala PEPETELA, na 1ª parte de GERAÇÃO DA UTOPIA, “A CASA”, um romance a (re)ler.

Ora, o Alfredo Augusto Margarido, morreu silenciosamente no dia 13 de Outubro, aos 82 anos. E esse silêncio faz-me pensar que até já os correlegionários perderam a memória.

16.10.10

Na hora…

Por vezes, em dia de balanço, acordamos cáusticos, com vontade de zancar nos fornecedores de serviços que nos prometem mundos e fundos para depois nos cobrarem o que, ingenuamente, acreditámos não dever. No caso, a Portugal Telecom que me prometeu uma migração simples (e livre de encargos) do sapo adsl para o sapo fibra, e que me fez perder  paciência e horas, senão dias, de reclamações para que o serviço ficasse a funcionar em condições. Foi mesmo necessário solicitar o livro de reclamações para que a situação fosse encarada com alguma seriedade. Foram 8 dias sem telefone e 5 sem acesso à internet. E 100 euros pelo equipamento e instalação! E porquê?

Porque a PT é como um grupo de actores sem encenador. Cada um interpreta o texto de acordo com o seu estado de alma, estando-se nas tintas para o autor e, sobretudo, sem se preocupar em ‘dar a deixa’ àqueles com quem deveria contracenar. Actores esses que, no caso da PT, como, por exempo, está a acontecer com a elaboração do OGE, representam em palcos simultâneos, mas distantes. Falta-lhes o encenador. O maestro.

Por isso a primeira causa da decadência é organizacional. A segunda é a inveja.

E é esta segunda causa que me leva à crónica de TV do DN “J de Judite, J de Justiça”, assinada por Nuno Azinheira, em tempos meu aluno. Gosto da clareza com que escreve e, sobretudo, da justeza do pensamento: «Reconhecer que há alguém mais competente, mais produtivo e melhor do que nós é uma coisa que nos incomoda. Está-nos sangue. E é por isso que continuamos assim. Tristes e amargurados. E incompetentes

O Nuno já não se lembrará, mas no tempo em que nos cruzámos, o professor de Português começava inevitavelmente a abordagem de OS LUSÍADAS pelo comentário do Prefácio de Garcia de Resende, inserto no Cancioneiro Geral. E lá estava  a marca do «sangue» que impedia os portugueses de escreverem , na hora certa, a epopeia merecida: «Todos estes feitos e outros muitos doutras sustâncias nam sam devulgados como foram, se gente doutra naçam os fizera. E causa isto serem tam confiados de si, que não querem confessar que nenhuns feitos são maiores que os que cada um faz e faria, se nisso o metessem.»

Hoje, apesar da desorganização e da inveja, ainda vislumbro nas palavras do Nuno Azinheira um sinal de esperança.

15.10.10

Fibra a fibra…

«O tempo é terrivelmente longo, fibra a fibra, e de repente – por onde se escoa ele?» José Rodrigues Miguéis, A Escola do Paraíso

De tal modo se escoa o tempo, que, ultimamente, tenho evitado falar dele. Os sinais de quebra acentuam-se a cada passo e, paradoxalmente, a CRISE torna as horas absurdas e estupidifica as mentes em ânsias ensurdecedoras…

Falta o tempo e, ao mesmo tempo, cresce o desânimo. Há vidas que subitamente perdem sentido. Parece que regressamos aos tempos dos «vencidos da vida»…, ou da estagnação do «estado novo»…

A CRISE alastra punindo quem cumpre e /ou quem tem menos recursos, enquanto a economia paralela sobrevive impune. Não só o Governo não explica como é que delapida as receitas fiscais e os empréstimos sucessivos obtidos no exterior, como descura a fiscalização de uma multiplicidade de actividades que não pagam qualquer tipo de impostos.

O novo orçamento de estado reduz a pele e o osso o cidadão cumpridor. Ao lado, engordam os onzeneiros e os cadongueiros…

9.10.10

Acumulação…

Há palavras que, de vez em quando, ganham vida, como ‘acumular’, ‘cúmulo’, ‘acumulação’… Consideradas a situação financeira, a taxa de desemprego, a estagnação económica  e a carga fiscal que se abate sobre a maioria dos portugueses e, em particular, sobre a administração pública, o possível humor que o despertar destas palavras poderia desencadear já não faz qualquer sentido.

Sejamos sérios. Como é que alguém pode justificar as situações de acumulação de tarefas e de remunerações quando uma boa parte da população (qualificada ou não) se encontra inactiva por falta de trabalho?

O argumento da falta de qualificações para o exercício de certos cargos é absurdo, sobretudo, quando sabemos que essa dificuldade pode ser ultrapassada com FORMAÇÃO, competente e dada por quem, de verdade, conheça as matérias em questão.

Num país em que os recursos são limitados, não há justificação para que uma minoria se aproprie de grande parte do orçamento, deixando à míngua centenas de milhares de portugueses. Há que proceder à redistribuição do trabalho, começando por eliminar a acumulação de funções em todos os sectores da vida nacional.

E também há que acabar com a acumulação de subvenções (e pensões) resultantes do exercício temporário, e muitas vezes simbólico, de cargos de nomeação política.   

O mal corta-se pela raiz!

O cúmulo surge, hoje, na primeira página de alguns jornais: O Governo prepara-se para recuar no corte da acumulação de remunerações e de pensões, a começar pelo presidente da República.

6.10.10

Só hoje…

Andava há dias na expectativa de chegar à ‘República’ revisitada pelo José Rodrigues Miguéis, n’A Escola do Paraíso. Cheguei atrasado por culpa da Portugal Telecom que, entretanto, me tem obrigado a desdobrar-me em diligências por causa de uma, aparente, simples migração da Sapo adsl para a Sapo fibra. Nada é, de facto, simples neste moribundo Portugal republicano, onde tudo é feito para emular a 1ª República.

Ontem, desconcertado quanto às celebrações do centenário, ainda visitei o Museu Bordalo Pinheiro, onde descobri um caricaturista digno de ser louvado: SILVA MONTEIRO. Este mostra-nos que, afinal, os ideais foram substituídos pelos interesses de grupos mais ou menos ávidos de se banquetearem à mesa do orçamento. Aqueles republicanos, à excepção de alguns ilustres suicidas, não enganavam ninguém! Ora, ontem, o que eu ouvi foi, sobretudo, a legitimação de actos que custaram a vida a muitos milhares de portugueses que se viram envolvidos em causas perdidas.

(E continuamos a correr atrás de desígnios que nem sequer conseguimos enunciar enquanto outros mamam à tripa forra. Coitados!)

Entretanto, dando a palavra a José Rodrigues Miguéis, um dos escritores que melhor conheceu e retratou a acção republicana, transcrevo um excerto da obra já mencionada:  

«O prédio embandeirou, mas só do lado esquerdo, numa espécie de hemiplegia republicana. Havia sempre um resto de serpentinas do Carnaval passado, e foi uma festa. Começavam-se a vender nas ruas bandeiras, alfinetes, postais e globos de vidro colorido com cenas  e retratos dos homens do regime. Era uma Vida Nova que raiava. Dir-se-ia que estava tudo preparado para a celebração! Passavam bandos aos vivas, caminho da Baixa, da Rotunda, do Tejo, cantando a Portuguesa. Afluíam de todos os lados os heróis da última hora: as barricadas, até ali quase vazias, transbordavam agora de combatentes, eriçadas de armas que não tinham chegado a dar fogo. Tiravam-se grupos memoráveis, para depois se dizer “Eu também Lá estive!” A República estava de antemão solidamente implantada nas almas e nas ruas. Lisboa transfigurada!» 

5.10.10

Silva Monteiro N’Os Ridículos

 Urge passar por lá, pelo Museu Bordalo Pinheiro. N'Os Ridículos (1908-1926), podemos encontrar os 'actores principais' deste nosso tempo (1974-2010). Pena é que os caricaturistas não tenham dado continuidade às criaturas de Bordalo Pinheiro.
N'Os Ridículos (905x1280)

30.9.10

O Tempo das Palavras…

  O Tempo das Palavras  

«Não respiro o passado, quero lá saber do / que foi por já ter sido, ou do que fui», António Souto, O Tempo das Palavras

Os poetas são homens e mulheres virtuosos porque dizem sempre o que sentem, mesmo quando o enunciado parece aprisionar o leitor.

O Tempo das Palavras, rigorosas, castas e melódicas, esconde e revela um tempo de acção primordial na descoberta do amor e da escrita. E desse tempo, nas palavras ditas, eleva-se uma perda por assumir ou, em alternativa, a consciência de que a única superação é de ordem estética.

Descoberto o caminho, o poeta deve dizê-lo até ao fim…

PS: Peço perdão ao Armindo S. de, por enquanto, nada dizer das suas palavras.

 

Uma questão de respeito…

O credor é, por definição, aquele a quem se deve dinheiro ou algum valor. HOJE, a classe política (e todos os seus sequazes) deve respeito aos portugueses.

Se nos quisessem respeitar, os governantes teriam decoro no modo como abordam e procuram soluções para o problema nacional. Por exemplo, poderiam pôr-se de acordo no corte das despesas supérfluas. HOJE, no Parlamento, poderiam elencar tudo o que, de facto, é desnecessário para o funcionamento do Estado, a começar pelas múltiplas comemorações, por uma boa parte dos feriados nacionais; decidindo, por outro lado, a redução em 25% do número de ministros, secretários de estado, de assessores, deputados; mandando encerrar e vender 25% dos edifícios afectos ao, chamado, património do estado. Um património que só dá prejuízo!

E sobretudo deveriam acabar, de vez, com os negócios do estado. As obras, todas as obras, devem ser privadas. E a responsabilidade financeira deve ser totalmente dos privados. As parcerias público-privadas devem ser transferidas integralmente para o privado e, não havendo condições, os contratos devem ser, de imediato, cancelados. Por exemplo, a Parque Escolar deve ser dissolvida, porque, a prazo, vai tornar-se num negócio ruinoso para os portugueses…

Já não se trata de apurar quem é o culpado ou de quem se posiciona melhor para ganhar as próximas eleições, o que está em jogo é saber se os políticos ainda vão a tempo de querer respeitar os portugueses, ou se preferem que os portugueses lhes faltem ao respeito…

29.9.10

Credores externos e internos…

Parece impossível escapar às medidas draconianas anunciadas pelo Governo. No entanto, não acredito. De facto, os funcionários públicos  não poderão evitar essas medidas. Mas, quanto aos restantes portugueses o que é que vai acontecer?

O Governo só pensa em cobrar, e isso parece fácil enquanto o país não estiver reduzido a pele e osso. O Governo teima em argumentar com a necessidade de cumprir os compromissos com os credores externos e esquece-se deliberadamente de apresentar contas aos credores internos.

Para satisfazer a gula externa, vamos sacrificar os trabalhadores cumpridores (e só estes!). Até quando?

Em nome da contabilidade nacional, todos os serviços deveriam suspender os projectos inconsequentes  que, na maioria dos casos, são factores de desperdício de tempo e de energia.  Por exemplo, no caso da educação, o actual modelo de avaliação que visa, acima de tudo, condicionar a progressão dos funcionários deve ser suspenso, pois o congelamento das progressões torna-o o obsoleto. Tomada a medida e, por arrasto, a primeira estrutura a desabar deveria ser o Conselho Científico responsável pela Avaliação…

26.9.10

Entre o viva e o abaixo…

Lisboa_26092010 011Lisboa_26092010 024

Lá arranjei tempo para visitar a exposição “VIVA A REPÚBLICA…” Entrei expectante e saí frustrado, ao contrário da maioria dos visitantes com quem já tivera oportunidade de abordar o assunto… E porquê? Porque a exposição deixou-me a sensação de que os políticos do 1º quartel do século XX gastaram mais tempo a destruir do que a construir; gastaram mais tempo em lutas fratricidas do que a incrementar o ideário republicano.

Deixou-me ainda outra sensação desagradável: a de que preferimos as soluções musculadas.

25.9.10

Cadinho português …

Ao ouvir o modo como os governantes falam do presente e do futuro do país, lembrei-me que, ao contrário de outros estadistas, eles nunca falam do passado mais ou menos remoto. Do passado recente ainda se servem para uns soezes ajustes de contas. Mas, de verdade, não revelam qualquer conhecimento da História… E não se trata apenas dos governantes, também os deputados da nação não vão além de estereotipadas referências ao diabólico Estado Novo!

Os atletas campeões, nas diversas modalidades desportivas, ficam mal no pódio se não conseguem cantar o hino nacional e, no entanto, ninguém exige a quem nos governa que saiba um pouco de História. Se os governantes, antes de tomar posse, fossem obrigados  a prestar provas, por exemplo, sobre as causas da decadência nacional no séc. XVI ou sobre os efeitos da fuga da família real para o Brasil,  ou, ainda, sobre as razões do crescimento do partido republicano na segunda metade do século XIX, ou sobre o sucesso de um beato e obscuro ministro das finanças a partir de 1926, seguramente, não nos encontraríamos no actual estado de falência das instituições e de degradação moral…

Quem ignora a História tende a meter a cabeça na areia, deslumbrando-se com o fogo-fátuo dos gadgets e da vaidade pessoal. A propagandeada aposta num Portugal tecnológico não difere em nada da crença num ‘império português’ ou num ‘império da língua portuguesa’. Nestes comportamentos há, em comum, uma ideia de desmedida que esconde a falta de preparação ( de conhecimento das causas da nossa atávica decadência) e de sentido de responsabilidade para o exercício de cargos políticos.

É, hoje, claro que os Costas e os Buíças do regicídio  não eram franco-atiradores dementes. Eram homens com fervor patriótico,  longamente preparados para a imolação. Se dúvidas houver, basta ler os discursos políticos de Afonso Costa…

23.9.10

Clivagem…

Lisboa_12 Set2010 011Parque das Nações_19Set2010 008

Uma das causas da pobreza mental resulta da incapacidade de divulgar e de aplicar as soluções que diariamente despontam. A outra, talvez mais profunda, tem origem no deslumbramento individualista.  A abordagem das questões raramente coloca em primeiro lugar a colectividade, por isso a pobreza alastra, exposta ou escondida, enquanto que da riqueza, apenas, sobram as migalhas…

Nos dias que correm, tornou-se uma rotina adiar, tornear os problemas. Em vez de procurar estratégias que permitam superar as dificuldades, preferimos convocar a (des)mobilização…

18.9.10

Se não fosse o Sol…

Lisboa_18Set_2010 008Lisboa_18Set_2010 019

Lisboa_18Set_2010 027Lisboa_18Set_2010 024

Lisboa_18Set_2010 037Lisboa_18Set_2010 014

Se não fosse o Sol, esta cidade, que cresceu e vive ao sabor do expediente, seria tão triste que ninguém a procuraria. Graças a esta luz de fim de Verão, as máquinas fotográficas podem captar instantâneos de cenas exóticas e animadas, enquanto que nos umbrais das portas, a vida estiola…

Consciente deste nosso trágico destino – só o Sol nos faz brilhar! – Pina Manique, verdadeiro senhor do Intendente, impunha o recolher obrigatório logo que o astro rei se esfumava. Talvez seja com a mesma intenção que António Costa terá decidido mudar-se para o Largo do Intendente…

17.9.10

Poceiros…

Num tempo em que decidir é uma constante da vida actual não se entende como é que os ‘decisores’ avançam e recuam com tanta facilidade em questões que, no mínimo, aumentam a angústia dos cidadãos e arruinam o futuro da colectividade.

Nos locais de trabalho, nos transportes, nas ruas, domina um sentimento de insegurança que pouco tem a ver com o aumento da criminalidade  ou com o efeito de qualquer cataclismo mais ou menos previsível. A insegurança  é manipulada em função de objectivos ocultos nacionais e transnacionais e transmitida despudoradamente pelos média.

O cidadão é chantageado por mentes torpes e ignaras que há muito deixaram de se preocupar com o bem público. E essas mentes delinquentes sobrevivem impunemente, pois são elas que decidem as regras do jogo. Um jogo soez em que as vítimas são incapazes de se defender ou de encontrar quem as defenda. Tudo isto quando  vivemos a ilusão de que nunca desfrutámos de tanto poder!

15.9.10

Quem anda à chuva…

Agora, que estamos, de regresso à escola, bom seria se (re)lêssemos a Arte de Argumentar, de Anthony Weston. Muitas das discussões que se avizinham talvez pudessem ser evitadas, pelo menos, as questões seriam abordadas de forma mais serena, fundamentada e consistente. E, por outro lado, os alunos poderiam aprender a argumentar, distinguindo os argumentos, das premissas e dos exemplos.
Lembrei-me desta obra, no preciso momento, em que me enviaram o despacho nº 14420/2010, de 15 de Setembro de 2010. Já estou a antecipar os múltiplos pontos de vista a que terei de dar atenção, quando, de facto, penso que quanto maior é o nº de avaliadores num serviço, maior é a dificuldade em aplicar, de forma uniforme,  o procedimento avaliativo, mesmo que os itens sejam claros e aceites por todos.
Aqui está uma conclusão que pede argumentos que a validem. E isso dá trabalho!
(De verdade, é possível andar à chuva sem nos molharmos! Ou não?)

12.9.10

Antes do anoitecer…

Lisboa_12 Set2010 002Lisboa_12 Set2010 003
Lisboa_12 Set2010 014Lisboa_12 Set2010 011
Antes do anoitecer, já a cidade dá sinais de que o dia seguinte será de labuta furtiva. Uma Lisboa encardida cresce tentacularmente nas ruas e vielas, escondendo a pobreza dos indígenas e dos estrangeiros que, solidários na miséria, caminham lado a lado, na expectativa de que o sol, um dia, possa brilhar para todos.

11.9.10

Dissimetrias…

Se as cidades se deixam cercar por ilhotas de betão, onde se escondem múltiplas actividades mais ou menos clandestinas, embora os terrenos sejam cedidos pelas câmaras municipais, quando viajo para o interior do país tudo muda. Nos últimos anos, os olivais, copiosos, nascem que nem cogumelos, sem que se perceba de onde saiu o capital para o investimento nem para onde migram as mais-valias resultantes do negócio. Por outro lado, os campos, desertos, estendem-se secos e cobertos de mato… A dissimetria do território reproduz a dissimetria mental de quem nos governa… A pobreza expõ-se bem visível; a riqueza exuberante exíbe-se, rosto bem dissimulado… 

10.9.10

A arte de se esconder…

Nos últimas semanas, percorri parte dos concelhos de Oeiras e de Sintra, ficando com a ideia de que o território está a ser vítima de um verdadeiro assalto. Ali se encontram escondidas centenas de empresas, muitas delas, quase, clandestinas. Descobrir-lhes o lugar e os contactos é uma verdadeira aventura. Fica-se com a sensação de que não querem ser encontradas. As urbanizações que as encobrem são verdadeiros labirintos, onde ninguém conhece ninguém. Durante o dia, não há sinal de qualquer policiamento.

O trânsito, designadamente de veículos pesados, é caótico, sinal de uma verdadeira azáfama que, no entanto, não parece controlada por qualquer autoridade. Interessante seria se alguém prestasse contas do contributo que estes ‘nichos’ trazem à economia nacional.   

6.9.10

A antecipação…

Alunos há que se apresentaram hoje na escola, bem-humorados e com promessas de trabalho esforçado e honesto. Asseguram até que já têm com eles os novos manuais. Esperemos que não seja fogo-fátuo!

5.9.10

Ao fim da tarde…

Doca de Santo AmaroCom a dose de sardinha a 13 €, sobram os reflexos do aço e da luz. Infelizmente, a água mostra-se demasiado viscosa. E nem vale a pena referir o ruído contínuo do tabuleiro da ponte e dos aviões que o sobrevoam.

4.9.10

Facetas de Belmonte…

Belmonte 001Belmonte 010Belmonte 026Belmonte 036Belmonte 039Belmonte 043

O  rio Zêzere (o vale; o museu); a terra dos cabrais ( panteão; museu das descobertas); o castelo (as fronteiras); o museu judaico e a sinagoga; Zeca Afonso (aqui fez os estudos primários, aqui descobriu a toada da poesia popular); a fruticultura ( o museu do azeite)…

2.9.10

YUKIO MISHIMA noTeatro da Comuna

Hanjo estreia hoje. Paulo Lage encena, de forma sóbria, mas excessivamente robotizada, esta peça, escrita em 1956, sobre o comportamento humano. Sobre a loucura e o egoísmo. Sobre quem tudo espera e sobre quem nada espera (Suzana Borges / Joana Metrass). No final, será o homem a perder tudo (Elmano Sancho). A recompensa acaba por sobrar para quem diz que nada espera mas tudo vai manipulando…
PS: Em noite de calor, não se esqueça de levar um leque.
Hanjo
Original de Adriana Molder

1.9.10

Na Quinta de Santa Iria…


Há, de facto, galináceos e coelhos. Os últimos são tão imprevistos e rápidos que o fotógrafo não tem tempo de “sacar” da máquina fotográfica. E os primeiros, apesar de os poder vizualizar em miniatura, quando tento carregar a respectiva imagem, verifico que o resultado é bem diverso. Milagres da tecnologia!
Por isso, aqui lanço mais umas fotos da Quinta de Santa Iria, na estrada de Caria, Covilhã. Esta quinta pertence ao Cofre de Previdência.