16.12.18

Mudar não é suficiente

Sacavém (mural)
É preciso renascer. Mas como fazê-lo se o tempo é de colapso?
Quando as faculdades começam a falhar, fica a ilusão do tigre, não do que desce mas do que trepa..
Agora que o tempo é de lavagem ao cérebro, e já não espero qualquer transformação, vou meditar na excentricidade dos reis magos, e dos tigres que invadem as nossas paredes…
De qualquer modo, Boas Festas e Boas Entradas!… que já falta pouco para o Entrudo...

15.12.18

Não sobra nada!

Os franceses queixam-se de que no fim do mês não sobra nada, embora, pelo noticiado português, me fique a dúvida se os coletes amarelos não serão quase todos portugueses com uma particularidade - não falam nem português nem francês…
Parece que os franceses estavam habituados a que sobrasse alguma coisa no fim do mês… Por aqui, para grande parte dos portugueses, esse problema há séculos que deixou de fazer sentido… 
Oiço agora que, por cá, há quem esteja a organizar "saídas" de coletes amarelos. Considerando a diferença de expetativas, espero pelo teor das reivindicações, apesar de me parecer que cada português terá a sua. 
Colete amarelo já tenho! Basta ir buscá-lo ao carro, só não sei se ainda me sobra dinheiro para a gasolina…

14.12.18

Calendários - ponto da situação

Durante muitos anos, regi-me pelo calendário escolar. Afinal, a minha vida decorreu quase toda nos estabelecimentos de ensino… Feitas as contas há 58 anos que cumpre o calendário escolar.
Só que ultimamente passei a dar mais importância ao calendário civil, sobretudo desde que o ministro Vieira da Silva desatou a fazer promessas que ninguém sabe se são para cumprir, e em que termos…
A verdade é que no dia 2 de janeiro de 2019, logo no início do ano civil, ao voltar à escola, entrarei no 45º ano de serviço público, a que há que acrescentar mais 5 meses de descontos para a Segurança Social,  referentes a trabalho docente desenvolvido em 1974. ( E quem me conhece deve estar a interrogar-se sobre dezassete anos de descontos no ensino superior privado, em regime de acumulação - esse dou-o de barato ao Estado…)
Já não sei por que calendário me devo orientar! 

12.12.18

Da ansiedade juvenil

Acordam tarde, sem tempo para tomar o pequeno almoço... Arrastados para escola, chegam atrasados, «por culpa dos pais, do trânsito, dos transportes…» 
Entram na sala, indiferentes ao que acontece, desculpas esfarrapadas, sentam-se e desatam a conversar ou, então, adormecem...
Os manuais dormem nas sacolas. O professor invisível procura um fio condutor que regista inutilmente no quadro, pois o Google que tudo explica está ali mesmo à mão.
Tudo corre bem até que o final do período se aproxima... E aí a angústia desperta, a preocupação com a autoavaliação torna-se evidente... como se esta fosse um direito penosamente conquistado...

11.12.18

O terceiro estado de vítimas em potência,

O terceiro estado é constituído pelos doentes, pelos idosos, pelas crianças, pelos alunos, pelos passageiros trabalhadores,  pelos presos, pelos migrantes, pelos refugiados, pelos proscritos… e por tantos outros aqui não mencionados…

Admitindo a existência deste terceiro estado de vítimas em potência, eu simplesmente não compreendo qual é o papel do Estado nos atuais conflitos laborais, até porque sempre pensei que ao Estado competia proteger o terceiro estado…
E também creio que é competência do Estado averiguar quem é que está a financiar o movimento grevista, caso contrário ainda nos acontecerá o mesmo que ao Chile de Allende, em 1972...

10.12.18

Oblívio

Moscavide
Andava o aluno à procura de um complemento oblíquo e escorregou-lhe a pena para o oblívio. Castigador, chamei-lhe a atenção para o desmando lexical…
Entretanto, acabo de saber que a obra Oblívio, de Daniel Jonas, acaba de ser recompensada com o Prémio António Gedeão de Literatura, instituído pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof)…

Para que não caia no olvido (ou no oblívio), lanço desde já um desafio à Fenprof: - Não esqueça que há outros poetas   merecedores do galardão: Por exemplo, o professor (aposentado) Silva Carvalho e o professor (em exercício) António Souto.

9.12.18

Um fantasma apressado

Moscavide
Os peixinhos não sabem gramática, mas têm riscas. Têm riscas e não vivem na penitenciária…Viajam, sem rodilha, na cabeça de um fantasma apressado, sob o olhar envergonhado e surpreendido de um mirone azulado..
Eu que penso que sei gramática, não tenho riscas, mas vivo apresado com um dicionário sempre ao lado… Já não viajo… e sinto-me a todo o momento acossado pela «vossa palidez romântica e lunar», na intuição de Cesário… que, nele, era mais uma forma de dedução…
Os peixinhos não precisam de ler o caminho ou leem, apesar de desconhecerem o que é a leitura, e seguem adiante na cabeça de um fantasma apressado…
E depois há uma outra presença no mural que o peixinho parece não querer ver. Talvez que eu esteja atrasado… mais valia viajar, sem rodilha, na cabeça do fantasma apressado.

8.12.18

Afunilado

O título de hoje parece-me ousado, mas estou com a sensação de me ter transformado num funil que, meio sedimentado, soluça a insensatez juvenil dos meus interlocutores que acreditam que o futuro passa bem sem a leitura…
Ler é, para eles, uma atividade antiquada de quem não tinha mais nada para fazer - era definitivamente uma forma de passar o tempo. Ora hoje há outras formas mais 'pró-ativas' de o fazer, mais dinâmicas, mais interativas ou, até, mais autofágicas.
Numa certa perspetiva, da leitura só se aproveita o VER... a imagem, pois a ideia aprisiona…
Contudo, ainda há exceções, com a particularidade de escreverem razoavelmente, de terem uma ou outra ideia…

7.12.18

A lupa revisionista

Para quê dar o nome de um escritor a um aeroporto? No caso, o do poeta Pablo Neruda, prémio nobel em 1971.
Por seu turno, as feministas chilenas pretendem que o aeroporto de Santiago seja batizado com o nome da escritora Gabriela Mistral, prémio nobel em 1945...
Argumento: Ricardo Eliécer Neftalí Reyes Basoalto (Pablo Neruda), o homem, terá desrespeitado a dignidade das mulheres…
Compreendo o argumento e condeno a prática, mas creio que, para o bem da poesia, o melhor seria deixar os poetas de fora desta mania de batizar aeroportos, aviões, barcos, praças, ruas e vielas… 
Afinal, o que é que se espera de um poeta? Versos…

6.12.18

O alcance das palavras

O cuco do Freixial
-Marido cuco me levades
e mais duas lousas.(Inês Pereira)
- Pois assi se fazem as cousas. (Pêro Marques)

Traído, insultado e abusado, Pêro não compreende o alcance das palavras da fogosa esposa…
De que serve o estudo? perguntaria Cesário…
De nada, pois, mesmo se incipiente, a memória o apaga… delita…

5.12.18

Verdade ou mentira?

A ser verdade, o melhor é não trabalhar… Afinal, uma boa parte dos impostos é aplicada em quem não trabalha. 
A discrepância francesa não é diferente da portuguesa. Os efeitos começam a sentir-se na radicalização social… Em 2019 se verá!

4.12.18

A literatura e a cidadania

«A literatura não existe para educar o Homem a ser cidadão, a menos que o eduque para cidadão do mundo - a única cidadania decente que hoje existe.» Jorge de Sena, O Romantismo, 1966

Perante o fastio do aluno e, sobretudo, a desvalorização da obra literária, pouco tenho a acrescentar… Temo, todavia, que a atual educação literária esteja a apostar, mais uma vez, no nacionalismo e nos restos do imperialismo cultural, isto para aqueles que continuam a ver na literatura um manual identitário…
No caso português, se excetuarmos alguma ousadia do 'projeto de leitura', o corpus literário não escapa ao narcisismo nacionalista.
De qualquer modo querer educar as novas gerações sem 'formar' os professores é infrutífero, pois estes defendem-se aplicando os modelos do passado.
Infelizmente, apesar de terem passado muitos anos, Jorge de Sena continua a ter razão… e os apóstolos da cidadania local proliferam...

3.12.18

No aproveitar é que está o ganho!

Considere-se a instrução, correspondente ao I Grupo, Parte III, de uma prova de avaliação de Português, 12º ano:
   -  Produza um texto expositivo sobre o modo como o heterónimo Ricardo Reis recomenda que vivamos, considerando as consequências dessa opção.
Quer saber como é que o aluno resolveu o problema colocado no Teste? Procure em https://esjapportugues12.blogs.sapo.pt/1394.html
      Quadro síntese-Ricardo Reis
Tenha um smartphone ou um iphone à mão, pesquise, copie, cole, modificando um ou outro conector… E já está!
Lá dizia Camilo Pessanha:
Eu vi a luz em um país perdido.
A minha alma é lânguida e inerme.
O! Quem pudesse deslizar sem ruído!
No chão sumir-se, como faz um verme… 
(INSCRIÇÃO)

2.12.18

A palavra-chave do ano

Ontem, foi feriado, e para além da atenção prestada à república de Macron e de me ter interrogado sobre o resultado de tantas idas a Berlim - bem sei que não é o resultado que interessa! -, li 22 textos sobre a aplicação do ditado «no aproveitar é que está o ganho».
Hoje que Macron avalia os estragos, e sem saber se o regresso de Berlim foi conseguido, continuo a ler sobre a visão de Caeiro…
E o que leio não me traz proveito - nem nunca esperei que trouxesse! - embora me preste a este jogo diário que não me traz qualquer ganho.
Para completar o desânimo, só me faltava que, de hora a hora, insistam em convencer-me que a palavra-chave do ano é 'professor'...

1.12.18

Na república de Macron

No coração de Paris, o movimento inorgânico dos coletes amarelos caiu nas mãos dos "casseurs" radicais. 
Perante os sucessivos episódios de violência, as forças da ordem revelam falta de mobilidade - uma atitude estática, só justificada pelo pesado e inadequado equipamento para este tipo de confrontos…
Independentemente das razões dos «coletes amarelos», urge enquadrá-los de modo a que, de futuro, não possam movimentar-se livremente… E, sobretudo, é necessário reavaliar as causas da revolta, de modo evitar políticas cegas, como a que parece estar a acontecer na república de Macron…
Na república de Macron, enquanto o coração de Paris é vandalizado, o Presidente mantém-se em Buenos Aires, entre os Grandes do G20...
Até Marine Le Pen revela mais bom senso do que Macron, pois esta tarde solicitou aos «gilets jaunes» que dispersassem para que as forças da ordem pudessem dominar os «casseurs»...

29.11.18

Vem aí a caranguejola

Hoje percebi, ao tentar chegar a horas a uma consulta, em dia de chuvada, que a cidade de Lisboa  se transforma num charco donde é quase impossível escapar… Uma cidade sitiada!
Enquanto desenhava pontos de fuga, surpreendi-me a pensar que, estando a geringonça em fim de vida, vem aí a caranguejola…

Não, não estou para mais — não quero mesmo brinquedos.
Pra quê? Até se mos dessem não saberia brincar…
Que querem fazer de mim com este enleios e medos?
Não fui feito pra festas. Larguem-me! Deixem-me sossegar…


                        Mário de Sá-Carneiro

28.11.18

Viva a propaganda!

Em vez do desenvolvimento económico, com mais emprego qualificado e remunerações justas, o país continua a preferir uma política de baixos salários, de subsídios, de manipulação das taxas do IVA…
Diz o ministro do Ambiente que a redução do custo  dos passes sociais é para aplicar em todo o território…
Mas como, se a ferrovia está descarrilada, a rede viária, em grande parte, abandonada, os meios de transporte são escassos e em mau estado de conservação?
A quem é que vai servir este novo esforço do contribuinte se, afinal, a geringonça não passa de um monte de sucata?
Viva a Propaganda!

27.11.18

Na Biblioteca do lyceu camões...

O poeta, tolhido, dói-se em versos e
carpidos (A. S.)

Hoje, o António Souto oferece-nos as suas "Palavras Inadiáveis" - não sei se já com piano - virtuosas, porém, e exactas. 
Os restantes encómios deixo para os cientistas do verso e para os amigos da Hora…

Com o António ando sempre ao contrário… Eu que fui feito para ceder a direita, não por uma questão de respeito mas de jeito - o pescoço tem um qualquer defeito que o impede de volver à esquerda…

26.11.18

Eu não tenho casa em Lisboa

Eu não tenho casa em Lisboa. Fico-me pela Portela…, longe do metropolitano e dependente dos caprichos da carris…ou, em alternativa, refém dos fluxos de trânsito…
Tenho, todavia,  uma porta de saída aérea, mas que de pouco me serve pelo motivo de não ter casa em Lisboa…

25.11.18

Um blogger aculturado

Não é que eu seja um blogger, pelo menos no sentido que lhe é dado atualmente. Talvez me considere um bloguista, apesar de não gostar de muitas das palavras que resultam do acréscimo do sufixo nominal / adjetival - ista... 
A verdade é que espero que o Benfica não esteja a preparar-se para me acusar do que quer que seja, até porque eu não guardo informação de ninguém que seja do Benfica… nem para o bem nem para o mal.
No entanto, o simples pensamento de que o 'inimigo das águias' seja um, ou mais bloggers, levou-me a apurar o significado do termo.  
A origem estará no conceito (?) weblog - web /rede + log / registo de atividade - configurando, assim, um novo empréstimo linguístico para a expressão "diário online", ou melhor, diário em linha, um empréstimo resultante de uma amálgama

(Para os mais avançados: bloggersomeone who writes a blog (= a regular record of someone's ideas, opinions, or experiences that is put on the internet for other people to read).) 

Em conclusão, mais uma ideia sem qualquer interesse, a não ser que haja alguém à procura de evidências de aculturação.

24.11.18

Aquém da ironia

Aquém da ironia, a incontornável realidade distingue a coragem de enfrentar os obstáculos, mesmo que o desfecho possa ser trágico, de quem, apesar de reconhecer a necessidade da luta, prefere o comodismo do sorriso, da sobranceria inteletual…
Vem isto a propósito do quê? 
Da facilidade com que nos refugiamos na ironia, ostentando-a como atestado de superioridade em lugares inundados pela estupidez…
E em rodapé, não posso esquecer que acabámos por preferir Eça de Queirós a Antero de Quental - cultivamos a ironia porque ela nos permite esquecer / esconder a realidade...

23.11.18

Para além da ironia de Álvaro de Campos

«Maravilhosa gente humana que vive como cães,
Que está abaixo de todos os sistemas morais,
Para quem nenhuma religião foi feita,
Nenhuma arte criada,
Nenhuma política destinada para eles!
Como eu vos amo a todos, porque sois assim,
Nem imorais de tão baixos que sois, nem bons nem maus,
Inatingíveis por todos os progressos,
Fauna maravilhosa do fundo do mar da vida!»
Álvaro de Campos, excerto de Ode Triunfal

O Poeta canta o triunfo da vida moderna, fruto da ciência aplicada, do êxodo dos campos, da multiplicação das cidades, da morte da pessoa e, sobretudo, da ilusão tecnológica
O Poeta celebra o mundo novo, todo ele artifício, apoteose da humanidade, mas do qual uma grande parte da espécie humana é escorraçada… uns dias, essa parte é infrahumana, outros, precária, tornando-se larva…
Por isso, é indesculpável que se veja apenas ironia na apologia da vida moderna.

«Ah,e a gente ordinária e suja que parece sempre a mesma,
Que emprega palavrões como palavras usuais,
Cujos filhos roubam às portas das mercearias, 
E cujas filhas aos oito anos - e eu acho isto é belo e amo-o! -
Masturbam homens de aspeto decente nos vãos de casa.»
Álvaro de Campos, excerto de Ode Triunfal

Cem anos depois, o que é que mudou? Talvez, a apropriação momentânea pela religião, pela arte e pela política…

22.11.18

Doravante, só os estilhaços

Doravante, Caruma autonomiza-se do Facebook. Por uma questão de dependência vê-se, no entanto, obrigada a continuar associada ao Google+... 
Se houver quem se interesse por ela, certamente que a encontrará sem qualquer estímulo externo… Caruma nunca quis lançar as bases de qualquer religião, porque, por princípio, não aspira ao divino. Caruma mais não é do que uma tentativa de aproveitamento do que sobra da fragmentação do espelho primordial… surgiu como expressão de quem entende que os estilhaços também podem ganhar vida própria e não como rememoração de qualquer nostalgia matricial…
… quem diz os estilhaços também podia dizer os cacos… 

21.11.18

São réplicas

As velhas existem. Não são ficção nem meninas…
As velhas acreditam, detestam manipansos e nunca lhes explicaram que todos os ícones são manipansos e mesmo que lhes tenham explicado que só a solidão justifica a fé numa qualquer religião - única para elas -, elas preferem colocar-se nas mãos do IGNOTO … e imaginar-lhe um rosto, porque a abstração não se dá bem com os medos que lhes perturbam as horas…
Estas velhas vivem da fé, mas podem desprezar a caridade…  ou praticá-la em benefício próprio se o ato se nutrir da esperança de que o Manipanso as acolhe no seu regaço… 
Se me perguntarem se estas velhas são eternas, eu responderei que sim porque as réplicas, mesmo se meninas, não me deixam mentir…
Se me perguntarem se estas velhas são velhos, eu responderei que isso é ficção.

20.11.18

Sacudir a água do capote

Quando chove, a culpa é da chuva, quando não chove, a culpa é da seca... Quando a terra abate, ninguém assume a culpa - ainda no dia anterior tudo estava  seguro até porque ninguém avisara…
Ninguém avisara nem o autarca perguntara ou decidira ler os relatórios produzidos nas últimas décadas e que já tinham servido ao Governo Central para se descartar de responsabilidades em nome de políticas de descentralização, de modernização e de pretensa democratização…
É assim em todos os pilares do território - da rede viária e ferroviária à educação; da saúde à energia e à agua… 
A chamada delegação de competências é uma farsa demagógica, pois não assegura os necessários recursos financeiros e, em particular, não gera competências locais… somente faz crescer o compadrio e o caciquismo...

19.11.18

Para fugir da obnubilação...

Para fugir da obnubilação, acena apenas! 
Qualquer outra saída pode tornar-se incontrolável nas palavras e nos gestos. Ainda se fosse seguidor de Marinetti, poderia recorrer à bofetada e ao soco e ter futuro, mesmo quando só o Momento importa(va)…
De facto, há momentos em que a obnubilação parece querer tomar conta da situação - a consciência e o pensamento começam a perder nitidez… No entanto, ainda há uma 'voz' que impõe rédea curta, mas até quando?
Um destes dias, restará apenas um patético aceno para não borrar definitivamente a pintura…

18.11.18

Acena apenas!

Se lemos e o dizemos pouco importa. O que pensamos nada acrescenta, mesmo o que sentimos é falso e justo, pois como saber se (não) fingimos…
Talvez por isso o ideal seria ir viver para a encosta e de lá contemplar o vale e acenar a quem passa…
E nada dizer, mesmo que sintamos vontade de explicar, de começar do princípio, da matriz (do latim matrix, - cis) - anula esse ímpeto e acena apenas!
- Foge do Grego e do Latim! Abomina os clássicos! Passeia-te com os românticos e voa, voa com os nefelibatas e não sonhes com os surrealistas! Despreza os modernistas de todos os ismos! Acena apenas, mas bem longe dos pós-modernistas…
- Acena apenas lá da encosta para o vale, acena sem lágrimas nem sorrisos e, sobretudo, sem rimas...

17.11.18

Alexandre Vargas, nota imperfeita

Vargas, Alexandre (1952-2018). Filho mais novo do poeta José Gomes Ferreira, foi encontrado morto em casa no dia 15 de novembro. Poeta e tradutor.
De poesia publicou «Morta a sua Fala», «Cyborg», «Vento de Pedra», «Lua Cisterna», «Organum», além de ter participado em antologias, cadernos, etc. Traduziu os músicos-poetas Peter Hammil e Patti Smith
Sintra ocupa um lugar especial no seu imaginário.

Marcado pelo universo pós-simbolista e modernista, e sobretudo pelos fantasmas de Antero, Pascoaes, Sá-Carneiro, Álvaro de Campos e José Gomes Ferreira, é essencialmente um poeta visionário que exprime a conflitualidade interna de uma mitologia pessoal dividida entre um passado naturalista e um futuro cibernético. [...] Poeta que traduz o visionarismo da sua epopeia lírica numa discursividade a um tempo meditativa e narrativa, tecnicamente neobarroca, sustentando a retórica da imagem e os seus efeitos oniristas em mecanismos surrealizantes, mas por vezes cedendo perante a construção alegórica, exibe nas suas criações mais recentes uma forte atracão pela temática luciferina e por um experimentalismo formal vazado em enumerações caóticas, neologismos telescópicos, sinestesias e misturas polifónicas que provocam em certos ângulos uma impressão estética muito próxima de um Ângelo de Lima na sua faceta pré-joyciana. (Palavras de Luis Adriano Carlos, o antologiador de "Poesia Digital - 7 Poetas dos Anos Oitenta".)

16.11.18

Os fumos da Índia

As folhas outoniças dos plátanos encobrem os azulejos da fachada em frente. O som de uma  vassoura move as beatas interditas e os veículos circulantes escapam-se a meio da tarde desta ensoleirada sexta-feira. Em fundo, uma sirene dá conta de uma enfermidade de última hora… 
Por baixo, adivinhado, o patrono prepara-se para acolher mais uma ilicitude em nome de uma campanha contra os fumos, que não da Índia…
É melhor ficar por aqui, não vá eu, um destes dias, referir-me aos "Fumos da Índia" e solicitar uma nota breve sobre o modo como o Poeta os denunciava n'Os Lusíadas… ( A verdade é que não me atrevo a questionar os "jovens sábios" do momento… até porque a Índia está agora tão cerca. )

15.11.18

A receita do momento

Há que dar a palavra aos jovens sábios! Especialistas em metodologia, defendem os enlatados sem lhes discutir a origem e o conteúdo… e se alguém o fizer, acusam-no de dispersão e de anacronia, não nestes termos porque, orgulhosamente, os ignoram…
O que importa é a receita do momento, não é que a queiram memorizar e experimentar, pois só lhes interessa estar, nem sequer lutar...
É preciso grande resistência para lidar com tal sabedoria, de qualquer modo finjamos que a montante nada aconteceu e que a liberdade herdada é perene…
A jusante, logo se verá ou, talvez, não seja necessário…, mas essa é uma linha impossível de abordar - está toda no Manifesto de Marinetti, publicado a 9 de fevereiro de 1909... Ai o passado!


1. Nós queremos cantar o amor ao perigo, o hábito da energia e da temeridade.
2. A coragem, a audácia, a rebelião serão elementos essenciais de nossa poesia.
3. A literatura exaltou até hoje a imobilidade pensativa, o êxtase, o sono. Nós queremos exaltar o movimento agressivo, a insónia febril, o passo de corrida, o salto mortal, o bofetão e o soco.
4. Nós afirmamos que a magnificência do mundo se enriqueceu de uma beleza nova: a beleza da velocidade. Um automóvel de corrida com o seu cofre enfeitado com tubos grossos, semelhantes a serpentes de hálito explosivo… um automóvel rugidor, que parece correr sobre a metralha, é mais bonito que a Vitória de Samotrácia.
5. Nós queremos glorificar o homem que segura o volante, cuja haste ideal atravessa a Terra, lançada também numa corrida sobre o circuito da sua órbita.
6. É preciso que o poeta prodigalize com ardor, esforço e liberdade, para aumentar o entusiástico fervor dos elementos primordiais.
7. Não há mais beleza, a não ser na luta. Nenhuma obra que não tenha um carácter agressivo pode ser uma obra-prima. A poesia deve ser concebida como um violento assalto contra as forças desconhecidas, para obrigá-las a prostrar-se diante do homem.
8. Nós estamos no promontório extremo dos séculos!… Por que haveríamos de olhar para trás, se queremos arrombar as misteriosas portas do Impossível? O Tempo e o Espaço morreram ontem. Já estamos vivendo no absoluto, pois já criamos a eterna velocidade omnipotente.
9. Queremos glorificar a guerra – única higiene do mundo –, o militarismo, o patriotismo, o gesto destruidor dos libertários, as belas ideias pelas quais se morre e o desprezo pela mulher.
10. Queremos destruir os museus, as bibliotecas, as academias de toda a natureza, e combater o moralismo, o feminismo e toda a vileza oportunista e utilitária.
11. Cantaremos as grandes multidões agitadas pelo trabalho, pelo prazer ou pela sublevação; cantaremos as marés multicores e polifónicas das revoluções nas capitais modernas; cantaremos o vibrante fervor nocturno dos arsenais e dos estaleiros incendiados por violentas lutas eléctricas; as estações esganadas, devoradoras de serpentes que fumam; as fábricas penduradas nas nuvens pelos fios contorcidos de suas fumaças; as pontes, semelhantes a ginastas gigantes que cavalgam os rios, faiscantes ao sol com um luzir de facas; os piróscafos aventurosos que farejam o horizonte, as locomotivas de largo peito, que pateiam sobre os trilhos, como enormes cavalos de aço enleados de carros; e o voo rasante dos aviões, cuja hélice freme ao vento, como uma bandeira, e parece aplaudir como uma multidão entusiasta. 

14.11.18

Estou curioso

Se a Polícia Judiciária não consegue identificar os meliantes que roubaram as armas de Tancos, se o Governo nada sabe sobre a matéria, se o presidente da República confessa o seu desespero por nada saber sobre quem furtou, quem devolveu e quem foi conivente, se até há gente detida por excesso de zelo patriótico, não percebo para que é que foi criada um comissão parlamentar de inquérito…
Estou, no entanto, curioso sobre os resultados de tal inquérito… até porque das comissões de inquérito anteriores só saiu fumaça...
Há, todavia, um estudo que os cientistas políticos poderiam fazer: descobrir por onde é que circulam tão ilustres "comissionistas"... para além dos "passos perdidos"...

13.11.18

Por aqui, as velhas

Por aqui, as velhas saem à rua, enraposadas e gaiteiras. Mal se aguentam nas canelas, mas nada as impede de ir beber o chá e destratar o criado, sim, porque elas ainda nasceram no tempo da criadagem…
Estas velhas não se furtam a mostrar (o smartphone tornou-se-lhes imprescindível!) as crias, a enaltecer-lhes as virtudes e a prole, mesmo se desgarrada…
Por aqui, as velhas não necessitam de ser velhas para se comportarem como tal: - ai, ai, já estou a sentir uma dorzinha, ai! oh! amiga, não tem por aí um analgésico?
( Analgésico? Devo estar cair nalguma impropriedade linguística, lexical, em rigor, semântica…)

11.11.18

Vou ver se há castanha

Chove, há castanha, jeropiga, um casaco puído que podemos oferecer aos vencidos… Que mais queremos?
Chove, hoje não é dia de finados, mas é como se fosse, os governantes brindam aos vencidos e aos vencedores, e compreende-se: uns morreram mais cedo, outros mais tarde; todos morremos…
Enquanto não chega a hora, brindemos a São Martinho, senão houver água-pé, há certamente jeropiga ou um malvasia, e castanha rica que outrora era dos vencidos…
Chove, vou ver se há castanha...

10.11.18

Usabilidade

O desenvolvimento de produtos e serviços que sejam fáceis de usar, respondam às necessidades dos utilizadores e tornem mais simples o acesso à tecnologia são os objetivos principais de quem se dedica à usabilidade, mas também a inclusão de pessoas com limitações físicas e seniores... 8 de novembro - World Usibility Day + O dia da usabilidade no mundo

Usabilidade. Mais um termo arrevesado, mas a globalização impõe o neologismo... O problema é que a Escola não acompanha; apesar da doutrina da flexibilização e da inclusão, não é capaz de acompanhar a mudança... Talvez seja por isso que a boçalidade alastra, pois a descrença no passado não encontra no processo de aprendizagem as verdadeiras ferramentas que poderiam alterar os comportamentos... Porquê?
Por falta de planeamento, de investimento, de renovação e efetiva formação do quadro docente... 

9.11.18

Tarde, muito tarde...

Eles comentam sem ter lido. Em geral, com posicionamentos radicais. Também não se esforçam para interpretar textos. Sua leitura superficial não é somente de um escrito, mas do mundo. Apaixonados por uma causa, ideologia ou credo, dividem o mundo entre contras e favoráveis à sua posição. São maniqueístas. Mas quem são eles? Gilmar Pereira, O primor da boçalidade

Não ouvem, não leem ou leem literalmente, não têm passado nem memória, calcam os valores e só lhes interessa o poder, mesmo que não passem de súbditos que anunciam lugares-comuns como verdades…
Claro que o alastrar da boçalidade é da maior utilidade para quem manuseia estes novos bonifrates que, por enquanto, ainda perguntam "Isto é fado?"
Tempo virá, no entanto, em que nem perguntas nem comentários e o coro das lamentações crescerá. Tarde, muito tarde…
Como tive acesso à password de caruma, inadvertidamente acabo de me fazer passar por ela, mas tal não tem qualquer significado nem desrespeita qualquer valor, até porque muitos outros, antes de mim, se habituaram inadvertidamente fazer o mesmo…

7.11.18

Mesmo se em efígie, Manuel Alegre

De modo que é chegada a hora de enfrentar cultural e civicamente o fanatismo do politicamente correcto. É uma questão de liberdade. Liberdade para não gostar de touradas. Mas liberdade para gostar. Liberdade para não gostar da caça. Mas liberdade para gostar. Algo que não se pode decidir por decreto nem por decisões impostas por maiorias tácticas e conjunturais, Não é democrático. Para mim, que sou um velho resistente, cheira a totalitarismo. E não aceito. Manuel Alegre_ Carta Aberta

Embora ribatejano, nunca apreciei touradas, e quanto às artes da pesca e da caça sou uma nulidade. Li, no entanto, a maior parte da obra de Manuel Alegre, como li a de Miguel Torga e a de Aquilino Ribeiro... Nelas sempre encontrei a exaltação da caça, da pesca e o respeito pelos bichos, entre eles os touros... 
Compreendo a exaltação dos moralistas do momento - o politicamente correto é intemporal, apesar de oportunista. Por isso não vejo qualquer necessidade de queimar Manuel Alegre na praça pública, mesmo se em efígie...
Ninguém lhe pode pedir que abjure da obra realizada nem do combate travado contra o totalitarismo do momento...

6.11.18

A cor da leitura

«Foi então que um crítico, batendo com a mão na testa, (…) descobriu que a literatura devia ser lida, tinha de ser lida. Era preciso ler. Mas ler como a virgem lê o Primo Basílio, ler sem História, ler sem Ciência, ler sem Cultura, ler sem nada, ler apenas. Isto constituía afinal para toda a gente um grande alívio. Os povos carregados de História libertavam-se de um peso opressivo…» Jorge de Sena, A Crítica Moderna e os Prazeres da Leitura, 1963, in O Reino da Estupidez- I

Por razões profissionais, todos os dias me debato com a pergunta colocada na fachada do Liceu Camões sobre a cor da liberdade para Jorge de Sena... Já aqui escrevi que Sena tinha esperança que um dia haveria de viver em liberdade no país em que nascera, e que a cor, acrescento eu, seria o que menos importava…
No entanto, ainda não encontrei resposta para a questão, talvez porque não haja… O que me vem à cabeça é inconfessável, pois o sangue derramado em nome da liberdade é outro oceano por achar… A cor do sangue talvez pudesse satisfazer mentes menos exigentes do que a de Sena. No meu caso, a simples ideia de que a liberdade se deixa tingir de qualquer cor aterroriza-me - azul, vermelho, verde, preto, amarelo… da cor do arco íris…
(…)
Na verdade, esta recaída só serve para interrogar o que se passa atualmente com a leitura - muitos anos após a chegada da liberdade… Voltámos a ler como em 1963! Ler sem História, ler sem Ciência, ler sem Cultura, ler sem nada, ler apenas…
A situação é tal que dá vontade de perguntar qual é a cor da leitura… 

5.11.18

Reparar é tudo!

Por vezes dar um passo, escutar a voz distante, reparar na silhueta desgrenhada que se afunda num caixote de lixo, é o suficiente para ultrapassar o limiar da incompreensão…
Reparar é tudo, pois significa parar e voltar sobre si ou sobre o que se abre aos sentidos sem os quais a razão se atola no caos dos dias…
Reparar é tudo!

4.11.18

O muro infinito

Ontem passei por aqui, mas não escrevi que estava no purgatório na porta de saída… sem saber se em frente há um muro infinito que não deixa enxergar nem a Luz nem o Fogo.
Dizer mais é um acrescento pleonástico para almas pastosas…
Ontem, a minha alma não era de todo para ser dita.

2.11.18

O que parece

Parece que ninguém sabe nada do que se passa no país, se é que se passa alguma coisa…

O que parece é que quem sabe prefere negociar a informação…
O que parece é que quem governa se acobarda… e em matéria de governação, a cobardia é o berço da descrença e da consequente radicalização.

                                                          Se quem devia saber nada faz, a não ser elevar a voz ou assobiar para o lado, então, pouco falta para que a estupidez se arme da velha autoridade e faça gato-sapato da democracia.

1.11.18

O presentismo

e o presentismo — quando a pessoa está presente, mas não está activa; está zombie. O presentismo é um problema que está a assumir uma dimensão importante. Teresa Paiva, especialista em sono

Há muitos anos, apercebi-me que, em certas reuniões, havia especialistas em estar… Entravam e saiam calados. Explicaram-me, à época, que se tratava de um comportamento sábio, de quem queria evitar conflitos antigos….
Com o tempo, também eu me habituei ao silêncio, não porque queira evitar qualquer mal-estar, mas porque deixei de compreender o frenesim reformista de quem anda convencido de que para trás fica o deserto e a estupidez…
Depois há aqueles jovens a quem "basta estar"; nas palavras de Teresa Paiva, que se encontram em modo zombie…, sem esquecer os que chegam naturalmente atrasados porque não dormiram o necessário… ou porque as linhas andam desorientadas…
Finalmente, lido diariamente com quem, porque «nunca dorme», procura a todo o custo passar os dias a dormir. 
Tudo somado, parece-me que o problema é outro: resulta da dificuldade de adaptação a uma realidade voraz…  

30.10.18

A dicotomia

Em Lógica, diz-se dela que é « a divisão de um conceito em dois outros que abrangem toda a sua extensão.»
Esta nota surge de uma dúvida: - A partir de que idade é que podemos exigir a alguém que conheça o significado do termo "dicotomia"? 
E a esta dúvida acrescento uma outra: - Em contexto escolar, quando e em que áreas disciplinares é que o conceito é explicitado e exemplificado?
Finalmente, num tempo de acentuada polarização política, o que fazer com aquela parte da humanidade que anda a dormir na forma?

29.10.18

Jair Messias Bolsonaro, a solução messiânica

Bolsonaro, que nome estranho! 
Jair Messias Bolsonaro, descendente de famílias italianas, vai tomar posse como presidente do Brasil no dia 1 de janeiro de 2019.

Provavelmente, os brasileiros votaram não no Bolsonaro, mas no Messias. E se foi o caso, até compreendo: a culpa é dos sebastianistas que colonizaram o Brasil e, sobretudo, do Encoberto, que, pelo que se pode agora  entender, se terá refugiado em terras de Itália…
Italianos e portugueses sempre revelaram inclinação para as soluções messiânicas! Aos  brasileiros, pouco mais restava… a não ser o Lula messiânico…

28.10.18

Só a liberdade...


Interrogo o infinito e às vezes choro…
Mas, estendendo as mãos no vácuo, adoro
E aspiro unicamente à liberdade.
            Antero de Quental


No Soneto EVOLUÇÃO, o Poeta, apesar da descrença, confessa que só a LIBERDADE é o seu caminho.

Falta pouco para saber se, na cadeia da evolução, o homem brasileiro prefere regressar à caverna…

27.10.18

A Razão descrê da Liberdade

Aquilo que incomoda é o vento frio que se levantou manhã cedo… 
O resto é de somenos importância como se a Luz se tivesse obnubilado. Tempos houve em que o Poeta compunha hinos à Razão, em nome da Liberdade…
Hoje, a Razão descrê da Liberdade… prefere as grilhetas da Caverna! 

Hoje, se não entenderem a mensagem não faz mal. A culpa é do vento frio que alvorou… Amanhã, para me desafiar, talvez o povo (brasileiro) consiga provar-me que é mais do que uma massa inorgânica, para quem a Luz continua a brilhar…

26.10.18

A violência e a corrupção no Brasil

Não é possível ignorar o que está a acontecer no Brasil, embora não se saiba ao certo qual é a causa primeira. 
Dizem-me que é a violência que elimina diariamente, pelo menos, 165 pessoas. É provável que esse  factor seja decisivo, no entanto, não se deve descurar a violência provocada pela acentuada desigualdade social resultante da corrupção que infesta partidos políticos, seitas religiosas e todo o tipo de organizações nacionais e transnacionais…
Ao contrário do que defende a classe política portuguesa, a corrupção não é um mal menor; esta não é separável da violência, até porque os mentores e os agentes sãos os mesmos…
O que se passa no Brasil, tal como o que acontece nos Estados Unidos da América, deve ser interpretado como um aviso para quem, convenientemente, insiste em separar a corrupção da violência.

25.10.18

Perguntam as velhas

Perguntam as velhas: - Se o CDS e o PSD regressarem ao Governo, será que contarão todo o tempo de serviço aos professores e aos restantes funcionários públicos abrangidos pelo malfadado corte?
Perguntam as velhas: - Quando é que ficamos a saber quem é que roubou o material militar em Tancos?
Perguntam as velhas: À data da aprovação do OGE 2019, qual será o montante da dívida do Estado?

Estas velhas, apesar de decrépitas, temem que andem a ser enganadas pelos partidos (e pelos militares), e que tal faça parte de uma estratégia para as fazer regressar à infância, o que, em teoria, não seria mau, não fosse a miséria material e espiritual em que cresceram…

24.10.18

Dizem-me as velhas

Dizem-me as velhas que é preciso poupar nos passos. E eu concordo, até porque há sempre um coelho à espreita…
Dizem-me as velhas que o melhor será vê-los pelas costas. E eu desconfio, é que estas velhas ainda nasceram no tempo dos fascistas…
Dizem-me as velhas que há que escolher entre os democratas e os fascistas. E eu não teria qualquer dúvida não fosse os democratas terem criado as condições para o ressurgimento do fascismo…

23.10.18

Pardas, um pouco encardidas

Elas nem eram assim tão velhas, no entanto, pareciam pardas, um pouco encardidas… a água não corria da torneira, era preciso ir buscá-la à nascente, e só com a chegada do Outono (maiúsculo) o céu escurecia em promessa de trovoada…
São essas velhas, do antigamente, que, agora, me lembram que o Outono tem Voz - como bem lembrou Antero de Quental - uma voz arrependida de ter vivido na Ilusão, rendida a uma Beleza etérea… quando a Natureza lhe apontava o caminho das pedras, o caminho das cabras, talvez até o caminho do moinho, onde a mó cumpre naturalmente a sua função, longe de atalhos e de véus translúcidos…
Talvez por ser Outono, estas velhas são únicas, nunca conheceram o Inverno, o mesmo será dizer que, pardas e um pouco encardidas, continuam longe do Inferno…

22.10.18

O que eu (não) entendo

Como é que se pode proibir o que já era proibido?
Como é que se pode ter opinião sobre o que não se compreende?
Como é que se pode viver sem aprender a ler?

  • De facto, chegámos a um ponto em que, abolida a sanção, tudo é permitido.
  • Desde que a opinião começou a abrir caminho,  o fundamental nunca foi a compreensão, mas, sim, a substituição de dogmas anacrónicos por interesses inconfessáveis, individuais ou coletivos…
  • Lá no fundo, é possível viver, basta não pensar.

21.10.18

A cadeia de comando na Barataria

As velhas só se sentam no mesmo banco uma ou duas vezes por mês. Têm mais que fazer: substituir os filhos e tratar dos netos, ir à igreja e aos correios, sem esquecer a mercearia de bairro onde as novidades são mais que muitas…
Por exemplo, nos últimos dias, gastaram mais tempo na mercearia, porque alguém se interrogava sobre "a cadeia de comando".
Alguém defendia que não era possível que o Presidente ignorasse quem é que tinha assaltado o Quartel em Tancos, o que é que tinha sido roubado e como… Afinal, o Presidente era o Chefe Supremo, dispunha de vários Serviços de Informações. O próprio Governo não poderia deixar de o informar e até a Procuradoria encontraria forma de o esclarecer. 
A não ser que a "cadeia de comando" também tivesse sido minada e aí o Presidente deixaria de ser Chefe Supremo… ou melhor, continuaria a sê-lo, mas da Barataria… 

20.10.18

O céu das velhas

É das velhas porque lhes basta um banco. Se fosse dos velhos, seria necessário acrescentar uma mesa, de preferência, de pedra…
No céu das velhas, as sensações escasseiam e os pensamentos andam arredios, como convém a quem prefere evitar os cascos dos deuses…
Basta-lhes a palavra lenta e hesitante sobre o ladrão que devolve as armas, tão velhas como elas, e nada acrescenta sobre aquelas que, no fio dos dias, partiram para novas guerras…
As velhas já não ligam a inventários, mas custa-lhes acreditar que aquelas armas chamuscadas sejam as que foram desaparecendo dos paióis do reino… 
As velhas pensam cada vez menos, mas estão, por ora, entretidas com um velho vieira da silva que anda a brincar com as velhas e os velhos deste país… No entanto, estes velhos narcisistas têm o que merecem, pois se imaginam eternamente jovens...

19.10.18

Não sei se o diga...

Não sei se o diga, se o sugira, se o omita… Pouco importa, outros já o disseram, o sugeriram, o omitiram…
De qualquer modo, penso-o e calo-o… Temo, todavia, que já esteja disponível um registo do meus silêncios…
Um destes dias, ainda vou ter de pagar, o que não é grave, pois já pago todos os dias…

(Ontem, ainda havia ruído. Hoje é só silêncio!)

18.10.18

A sorte é uma raposada

A Sorte (boa ou má) instalou-se de tal modo na nossa mente que facilmente aceitamos que ela decida por nós.
Quase toda a Literatura a privilegia, embora sob roupagens várias - do Fado à Fortuna, sem descurar a Sina, a Moira e o Destino… - e nós embarcamos na fantasia de ocultar os verdadeiros fautores, em nome de códigos manhosos.
Vem o desabafo a propósito de quê?
Por exemplo, a propósito daquela inglesa que foi violada no Algarve e cujo violador acaba de saber que por 2.000 euros até terá valido a pena… 
Por exemplo, a propósito da encenação levada a cabo pelo Governo e seus apoiantes em torno da aposentação dos (chamados) grandes contribuintes ou em torno dos aumentos da função pública… ou em torno do descongelamento das carreiras… ou do aumento dos pensionistas…
A Sorte é uma raposada!

16.10.18

A cor da liberdade

(Sem ponto de interrogação. Não se trata de saber se a liberdade tem cor. Mas de viver em liberdade…)
  
Não hei de morrer sem saber
qual a cor da liberdade.
Eu não posso senão ser
desta terra em que nasci.
Embora ao mundo pertença
e sempre a verdade vença,
qual será ser livre aqui,
não hei de morrer sem saber.

Trocaram tudo em maldade,
é quase um crime viver.
Mas, embora escondam tudo
e me queiram cego e mudo,
não hei de morrer sem saber
qual a cor da liberdade.
                          
Jorge de Sena (1919-1978)     

Testemunho:
Lembrava-me de um poema já antigo dele, anterior ao seu exílio. O poema tinha a data de 9 de Dezembro de 1956, quando o poeta acabava de fazer 37 anos, vivia ainda em Lisboa como engenheiro e se preparava, a convite do British Council, a se deslocar temporaneamente à Inglaterra, para um estágio sobre betão armado.
Luciana Stegagno Picchio