25.11.10

O dissídio…

Podia chamar-lhe desinteligência, mas não foi essa a palavra que me atravessou a mente ao reparar na penumbra em que mergulhou o país. Perante a crise, em vez da união dos parlamentares para impedir que as desigualdades se acentuem, assistimos à aprovação de um orçamento que cria ainda mais clivagens. Protegem-se as remunerações de sectores onde o compadrio grassa e, ao mesmo tempo, ignora-se o crescimento da vaga de desempregados e de trabalhadores precários…

O argumento de que os quadros das empresas públicas podem fugir é ridículo, pois se o fizerem, isso significa que lhes falta solidariedade, não merecendo a remuneração que auferem. Que o façam e depressa! Ninguém é insubstituível num país em que milhares de jovens qualificados espreitam, em vão, uma oportunidade.

A militância partidária não pode continuar a substituir a competência daqueles que não sacrificam aos deuses de moda, sejam eles quais forem.

O orçamento que, amanhã, vai ser aprovado mata definitivamente os anseios de Abril de 74! Doravante, já não basta o direito à indignação! Às vítimas exige-se que levantem a cabeça e destruam as cercas que os muram.

A começar pelos mercados…

23.11.10

Se quiser…

Se quiser ficar mais perto, procure o Bar do Além...

Um caminho só é exterior para quem anda distraído. A terra é toda uma; as cercas que construímos são anti-naturais e limitam-nos a percepção do eu e do outro.

O tempo humano é inutilmente gasto a desenhar e a defender fronteiras.

20.11.10

Um camping surpresa


Em Alenquer, no Porto da Luz. 
A surpresa resultou de mal ter chegado, ser convidado para assistir a uma palestra, no Bar do Além. Tema: O MILAGRE DAS ROSAS. Oradora: Teresa Gomes Mota. Moderador: Luís Nandim de Carvalho.
Apesar do camping estar praticamente vazio, o bar encheu-se de tertulianos vindos um pouco de todo o lado, com um detalhe em comum – poucos conheciam Alenquer. Ouviram atentamente a oradora, que revelou partilhar o pensamento de Joaquim de Fiori sobre a TEORIA DAS TRÊS IDADES.
Em 60 minutos, revisitei S. Francisco de Assis, D. Dinis e a guerra com seus filhos e, sobretudo, Dona Isabel de Aragão; sem esquecer, Damião de Góis… E sobretudo, as manifestações do Espírito Santo em terra lusa – de Alenquer aos Açores… Só não estive presente no almoço que se seguiu!
E a surpresa ainda pode crescer se navegarmos no blog: www.bardoalem.blogspot.com
E em tudo isto, camping e tertúlia, está o espírito de Luís Nandim de Carvalho.

19.11.10

E a pobreza aumenta…

A ideia de construir a paz pela força é uma ideia que me desassossega. A História ensina que mesmo que as armas possam ser um instrumento de libertação, elas acabam por impor a ocupação. E a ocupação militar esconde sempre o roubo das matérias primas do território “libertado”. É esta sequência – libertação / ocupação - que legitima a acção dos grupos anti-NATO.

No entanto, o manifesto anti-NATO, ao apostar no desarmamento, abre a porta ao suicídio das culturas mais idealistas, pois o homem é naturalmente predador.

A guerra lá longe pouco nos diz, mas pesa no orçamento. A cimeira da NATO, em Lisboa, pode dar prestígio a alguns governantes, mas os portugueses não conseguem entender porque é que ela decorre num país à beira do abismo. As despesas com a organização da cimeira e das contra-cimeira são a expressão da irracionalidade das elites…

E a pobreza aumenta a cada minuto que passa lá longe, no Afeganistão, ou, aqui perto, neste país onde até o sol, envergonhado, deixou de ser o habitual anfitrião.

18.11.10

Uma forma de estar…

Parece que as leis são aprovadas para pôr à prova o nosso espírito de rebeldia. É um pouco como se os desafios já estivessem esgotados! E, talvez por isso, desesperados, tudo fazemos para as contornar. Só não queremos aceitar as consequências desse desafio.

Para nós, os desfechos são sempre vitoriosos, mesmo que os jogos sejam a grão-de-bico!

14.11.10

Sociedade a dois…

13Nov2010 00513Nov2010 001

A leitura de “Sociedade a dois” de Tenessee Williams não é estranha ao modo como percepciono as primeiras páginas dos Jornais: «José Sócrates desautoriza Amado e fecha as portas à “grande coligação”. No conto, duas bichas descobrem as vantagens comerciais e afectivas de uma vida a dois, embora saibam que aquela “sociedade” caducará inevitavelmente.

No caso de Sócrates, o factor psicológico (pessoal) sobrepõe-se ao factor social, pois é um daqueles homens que entrou na política já traumatizado. Deixo a explicação aos biógrafos, mas não posso deixar de pensar que as experiências pessoais lhe afectam, desde o início, a decisão política. Ainda por cima, o povo, que lhe dera uma maioria absoluta, traiu-o, retirando-lha e obrigando-o a procurar compromissos.

De facto, o povo não entendeu que este tipo de pessoa necessita de uma maioria absoluta para poder governar, pois Sócrates não pode aceitar os limites impostos pelo compromisso. E esta falta de entendimento não resulta de um capricho, mas de uma irremediável fenda na estrutura psíquica.

Um povo quando escolhe deveria saber mais sobre o carácter dos candidatos!

12.11.10

Adeus, João Manuel Serra!

«A minha vida não tem nada de especial, não fiz nada de especial, sem ser isto.»

014

Num país triste e abúlico que mais podemos fazer? Fica a palavra incorpórea…

10.11.10

A teia…

Na Loja do Cidadão: – «Se me tocas, mato-te, bandido!» (interlocutor invisível). - «É todos os dias a mesma coisa!» (coro de funcionários revoltados)

Na Praça em frente, dois moldavos sorriem gulosamente para uma carrinha de valores e parecem dizer: – «Logo, à noite, não nos escapas!» De facto, apenas esperavam uma loira emplumada…

Ao lado, na esplanada, uma «bica» alimenta horas de espera infrutífera… no país da (des)burocratização que consegue transformar salas de teatro em “lojas” de atendimento.Turistas pasmados fotografam a fachada do Éden e trocam olhares intrigados.

De manhã, ainda observo os movimentos e sinto os salpicos da chuva; ao fim da tarde, já ausente, oiço palavras marteladas,  palavras dissidentes, palavras sectárias.

Fica-me, contudo, a ideia de que já não conto. A teia cobre-me o rosto como desce a noite. Sem avisar. 

7.11.10

O contraste…

7Nov210 0257Nov210 032

Pouco crente, continuo, no entanto, a caminhar na expectativa de recuperar algum osso mais esboroado. Para que a caminhada se torne menos hipocondríaca, vou observando lugares e comportamentos um pouco ao acaso. E o contraste assalta-me: a Quinta da Vitória (ironia / antífrase?) continua igual a si própria – imutável – no concelho de Loures; do lado de lá da fronteira, o Laboratório Militar e o Instituto Geográfico do Exército desaguam num inesperado canavial, parcialmente ocupado por meia dúzia de barracas…

O bairro de lata, o bairro da Gebalis, ambos em terrenos socialistas, já deixaram de me preocupar. Ninguém quer saber da promiscuidade e da degradação que os infesta. E eu que posso fazer?

Todavia, as instalações militares lembram-me outras instalações militares espalhadas pelo país, de alto baixo, e não posso deixar de me interrogar sobre o preço da manutenção / abandono desse património. Muito eu gostaria de saber quanto é que o Estado gasta e /ou desperdiça anualmente só em espaços ocupados pelas gloriosas forças armadas! Isto não significa que o País não necessite de Forças Armadas. Significa que não há motivo para que elas sejam donas de uma parte do território. Significa que o Estado só deve dispor do território para funções nobres e não pode desperdiçar recursos, gerando contrastes intoleráveis….

4.11.10

A turbulência do verbo…

«Entre a infância e a idade adulta há todo um espaço acidentado, possivelmente ainda mais acidentado do que a infância. É um estado interior, turbulento, agreste. As vinhas e as silvas parecem ter ficado para trás, só que agora são mais robustas e emaranhadas, ainda que menos visíveis do exterior. Estes anos de perigosa transição representam a ascensão às colinas do desconhecido. Às vezes, roubam-nos o ar, noutras perturbam a visão.»Tenessee Wiliams,  A Semelhança entre um estojo de violino e um caixão.

Na literatura, mais do que o enredo, o que desperta a minha atenção são as ideias. Quando as encontro, páro e viro-as do avesso à procura da sua consistência, da verdade ou da mentira que orientam a acção. Fico refém de atalhos, como, por exemplo, se as «vinhas e as silvas» significam alguma coisa para os jovens de hoje… E a resposta encontro-a naquela «cepa ateniense» totalmente desconhecida de uma das minhas turmas do 11º Ano… Ésquilo perde num ápice a origem e a substância, ameaçado de perdição, eliminado o acento esdrúxulo. Ésquilo, o tragediógrafo, vira esquilo…

Ao contrário da pergunta fácil do tempo da infância, há, agora, na transição, um crescente desinteresse pela novidade da palavra, um imperial desprezo pelo testemunho alheio, como se não houvesse nem passado nem futuro…

E é esse desprezo que se torna preocupante: ao recusar o verbo, não lhe entendendo a práxis, acaba por se silenciar a comunicação.

1.11.10

Santos e defuntos..

Fotografia0040 

Dia de todos os santos! O calendário, por vezes, é um bom indicador do estado do mundo. Tantos são os santos que alguns ficam de fora da liturgia ou, em alternativa,  vêem-se obrigados a coabitar num mesmo dia, o que lhes retira graça e glória. Por isso foi criado este dia da fraternidade beatífica, e colocado antes do dia de todos os defuntos, entenda-se dia de aqueles que, por esta ou aquela razão, não gozam da certeza da glória eterna… (Bem sei que esta ideia pode ser temerária!)

De qualquer modo, os santos continuam por aí na memória diária, os defuntos, esses, caídos no esquecimento, dão corpo a uma natureza pletórica.

Por mim, ao exemplo e à glória dos santos, prefiro o esplendor outonal dos defuntos. Já lá vai o tempo da emulação!

(Felizmente, acabo de compreender que definir objectivos individuais é prometer que me vou portar melhor: ajudar os meus colegas a suportar o desperdício da avaliação; ajudar alguns dos meus alunos a apostarem no trabalho, quando o detestam e abominam a escola da responsabilidade. Em suma, procurar a excelência à custa da humilhação do outro…) 

E, na verdade, esta emulação há muito que deixou de fazer qualquer sentido para mim. Há muito que o esplendor outonal tomou conta de mim.