29.4.12

Cabeleira vs Gomes

TRABALHO DE PROJETO
Literacia de Escrita
em Candidatos de RVCC
Maria José Alves Ferreira

CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRADO
EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO
Área de especialização em Formação de Adultos
2011

«No segundo ano de estágio, por razões diversas, o grupo ficou reduzido a dois elementos, eu e ao meu colega Rui Ferreira, tendo tido como orientador de estágio o professor Manuel Gomes Cabeleira, o nosso delegado de grupo. Este foi um grupo que, na minha perspetiva, funcionou muito bem, pelo clima caloroso de entreajuda e de partilha.»

«Quanto ao nosso orientador de estágio, quero deixar aqui uma palavra de apreço e reconhecimento pelo seu apoio e pela disponibilidade que sempre manifestou em todo o processo. A sua orientação competente e empenhada foi um contributo precioso para o meu desenvolvimento, tanto a nível profissional como a nível pessoal. Foram extremamente valiosos os seminários que dinamizou, eles me permitiram conhecer melhor todas as potencialidades que estavam ao meu alcance no sentido de um trabalho mais rigoroso e consciente.» (1991/1992, Santa Maria –Sintra)

- Obrigado, Maria José Alves Ferreira!

28.4.12

F. Nietzsche e os Gregos

Aquiles

«De época para época explode sempre a mesma cólera secreta…» (…) «Os Gregos são para a nossa cultura e para todas as outras como o condutor de um carro: seguram muito bem as rédeas; geralmente os cavalos e os carros são de má qualidade, indignos do seu laborioso condutor que se diverte e deixa resvalar a carruagem pelos precipícios porque lhe é fácil salvar-se do perigo, dando um salto como o veloz Aquiles.» In A Origem da Tragédia

27.4.12

Arte ou depressão?


imageimage

A ordem dos termos pode ser arbitrária? Ou será que tudo parte da dor? E se assim for, a dor pode ser convertida em flor e dar fruto, e nesse caso a mulher leva a palma, deixando ao homem o rasto destruidor, a não ser que o artista nele se abra…

24.4.12

A raiz do fascismo é a estupidez

PICT0115

O filósofo holandês, Rob Riemen, de visita a Lisboa, “agradece” aos portugueses termos mandado Bento de Espinosa para a Holanda para lhes ensinar que «a essência da liberdade não é teres o que queres; é usares o cérebro para te tornares num ser humano bem pensante.» E por outro lado, Rob Riemen recorda-nos as palavras de Frederico Fellini sobre as causas do fascismo: «Eu sei o que é o fascismo, eu vivi-o, e posso dizer-vos que a raiz do fascismo é a estupidez. Todos temos um lado estúpido, frustrado, provinciano. Para alterar o rumo político, temos de encontrar a estupidez em nós.»

Nestes dias, a celebração da liberdade tornou-se um modo de esconder a estupidez que nos mina e de abrir as portas ao fascismo, sempre patrioteiro e pronto a inventar novas fronteiras.

22.4.12

Mesmo ao domingo…

PICT0043 PICT0041
PICT0118

O decreto dos homens não suspende o sortilégio da árvore em cabelo, da azáfama da formiga ou da doninha…tudo aqui é natural!

Sempre que olhamos mais de perto, não podemos deixar de nos surpreender!

20.4.12

Na hora de S. Boaventura

(…) O presente é aquilo que pode ser imediatamente experimentado, o passado é o que pode ser rememorado, e o futuro é a incógnita que talvez ocorra algum dia. Norbert Elias, Sobre O Tempo, 65-66, Zahar, 1998

Se olharmos, de perto ou de longe, para o que se passa nas salas de aula, não será difícil entender que o que interessa a muitos jovens de hoje são as anedotas rasteiras, as pequenas intrigas, os trapinhos, as palavras brejeiras, o verniz e o batom, os esgares narcísicos, tudo de forma impontual, sonolenta e entediada… ( Sopra um ar de decadência em tudo isto!)

Embora possa parecer que o melhor será abandonar a sala e deixar o barco à sua sorte, creio que o caminho está em desenhar um percurso que, combatendo a vacuidade do presente, ajude a construir a memória textual, através da leitura, da descoberta das grandes questões colocadas pelo texto, da releitura e… sobretudo da produção de sínteses, de novas sínteses, de sínteses escritas de grau superior. Nada de resumos! Nada de textos de apoio! Só exegese e muita lexicologia…

Mesmo que o futuro seja uma incógnita, a sua abordagem pode ser diferente para melhor, tal como a Ventura pode ser má ou boa…

E tudo sem seguir, na íntegra a lição de S. Boaventura:  "Não basta a leitura sem a unção, não basta a especulação sem a devoção, não basta a pesquisa sem maravilhar-se; não basta a circunspecção sem o júbilo, o trabalho sem a piedade, a ciência sem a caridade, a inteligência sem a humanidade, o estudo sem a graça.”

17.4.12

A ser verdade…

A ser verdade, de nada serve a frustração de ver tantos jovens de 15 e 16 anos a desperdiçarem tempo nas salas de aulas. Isto para não falar dos “falsos” adultos!

Na obra Sobre o Tempo (14, Zahar) Norbert Elias é taxativo:«ao crescer (…) toda a criança vai-se familiarizando com o “tempo” como símbolo de uma instituição social cujo caráter coercitivo ela experimenta desde cedo. Se, no decorrer de seus primeiros dez anos de vida, ela não aprender a desenvolver um sistema de autodisciplina conforme a essa instituição, se não aprender a se portar e a modelar a sua sensibilidade em função do tempo, ser-lhe-á muito difícil, se não impossível, desempenhar um papel de um adulto no seio dessa sociedade.»

14.4.12

Estranha forma de acordar

Esta madrugada a chuva era tão intensa que a minha mente, vá lá saber-se porquê, me martelava os versos de Camões: «Chove nela graça tanta / que dá graça à fermosura»

E ia pensando se aquela chuva ainda poderia  ressarcir esta terra dos danos que todos os dias lhe acrescentamos, enquanto Platão me acenava que aquele precipitado me poderia servir para explicar a importância dos seus arquétipos.

Ao levantar-me,  não posso deixar de pensar nesta estranha forma de acordar em que a teoria platónica entrou pela garganta de Camões dando forma a uma explicação nada ortodoxa e, de certa forma, anacrónica.

Mas que a chuva caía, caía! E sem tropeçar!

12.4.12

Este caminho…

Este caminho só tem um sentido! De nada serve olhar à direita e à esquerda, quando ficamos sós…

Atrás, na encruzilhada, ainda podíamos hesitar ou mesmo inverter a marcha…Agora, os rostos que nos fitam já não veem senão uma nódoa escura!

Os pés calcam a terra, mas o rasto esboroa-se, apesar da lama…

11.4.12

O fio…

O fio, independentemente da matéria constituinte, quando mal manejado, acaba por quebrar. (…)

O voluntarismo é mau conselheiro porque incapaz de distinguir o bem comum do bem particular. (…)

A dispersão mata o rumo. (…) O acaso mora numa rua por nomear.

Da navalha, enxergo a lâmina por afiar…e, sem mais, recuso dizer o que estou a pensar… pois não quero mais incomodar…

10.4.12

Rasquera votou… E agora?

La pregunta a la que tenían que responder los rasqueranos es "¿Estáis de acuerdo con el plan anticrisis aprobado por el Ayuntamiento de Rasquera en sesión plenaria del 29 de febrero?", y del resultado que se obtenga hoy no solo dependía la continuidad del proyecto, sino también la del propio gobierno municipal, que anunció que dimitiría en bloque si la consulta no obtenía el 75% de los votos favorables.

Rasquera (Tarragona), 10 abr.- El 56,3 por ciento de los participantes en el referendo celebrado hoy en Rasquera han votado a favor del plan anticrisis aprobado por el plenario municipal el pasado 29 de febrero y que incluye una plantación de cannabis, por lo que el alcalde medita si presentará su dimisión.

Irá o alcaide cumprir com o prometido?

E que tal?

O projeto de plantação de cannabis poderá render 550 mil euros por ano

Com uma dívida de 1,3 milhões de euros, os 800 munícipes de Rasquera (Espanha) decidem, até às 21horas de hoje, se aceitam o projeto de alugar terrenos públicos para a plantação de cannabis.

Depois da queimada a que procedi na 6ª feira santa, ficaram cinzas que, em vez de acolherem umas belas nabiças, talvez pudessem gerar uma lucrativa plantação de cannabis.

E tudo seria menos enfadonho! Ou não?

8.4.12

Mais um dia…


Coimbra
Mais um dia sem ressurreição! A Páscoa já não é feliz, se alguma vez o foi, neste tempo de ruínas insepultas…
Amanhã, os jogos florais regressam: palavras vãs evocarão palavras perdidas; cores várias disfarçarão fendas insuportáveis…e as flores de maio desabrocharão avessas ao compadrio…

6.4.12

Queimada

PICT0089

PICT0087
PICT0093

A minha relação com o fogo é há 50 anos de ordem traumática. Hoje, finalmente, participei numa queimada catártica, apesar de haver certamente quem me possa acusar de contribuir para o empobrecimento dos solos e de prejudicar a biodiversidade.

4.4.12

Ao sabor do tempo…

PICT0086

Do rosto da 1ª edição das obras completas de Gil Vicente (1562) para o rosto da Selecta Literária (1959), organizada por Júlio Martins e Jaime da Mota – Ensino Liceal /2º Ciclo / volume II / 4º e 5º anos _ o dragão, rosto do Livro dos Seres Imaginários de José Luis Borges, persegue- me…

Aos 15 anos, um aluno do ensino liceal conhecia muito mais autores portugueses que, hoje, um mestre de Bolonha! E não faltavam autores do século XX: Eugénio de Castro, Camilo Pessanha, D. João da Câmara, Augusto Gil, António Sardinha, Júlio Dantas, Teixeira de Pascoaes, Florbela Espanca, A. Lopes Vieira, Fernando Pessoa, Sá-Carneiro, Aquilino Ribeiro, Ferreira de Castro, José Régio, Miguel Torga, Sebastião da Gama.

De qualquer modo, parece que com a passagem do tempo tudo se simplifica: Já em 1959, alguém se tinha esquecido da Esfera Armilar e da Cruz de Cristo.
Por outro lado, parece que, no século XVI,  o dragão era emblema imperial, seguindo a lição oriental e não a ocidental…

E hoje?

3.4.12

Extensão

Alqueva

Se olhássemos a planície com mais atenção seríamos certamente menos pobres…

1.4.12

Mentira?

PICT0107P1010053

PICT0099P1010045
PICT0104

Não é mentira! Este é o estado da Praça-Forte da Juromenha no dia 1 de Abril de 2012.

Palavras para quê?