30.10.10

Em tempo de caracóis…

Carvalhal30Out2010 007

O caracol floresce nos dias de chuva e o país anda para trás. De qualquer modo, os portugueses não se coíbem de passar estes três dias de inactividade injustificada longe de casa, mesmo que as viagens tenham custos acrescidos, resultantes de mais portagens e de mais acidentes. Por seu lado, os políticos ocupam o palco, em vaidades infantis e jogos suicidas.

27.10.10

No caminho (in)certo…

Diz-nos Gonçalo M.Tavares que «o tipo de texto leva-nos sempre a sítios diferentes». Infelizmente, o português parece ignorar este princípio, insistindo em «falar de si» como se nada mais existisse ou como se só existisse um único tipo de texto. A opinião salta, assertiva, desprezando o estudo e contornando os argumentos, em nome da soberba e da vaidade…

Se nos libertássemos  da opinião e experimentássemos as regras dos caminhos, descobriríamos novos horizontes. Mas não. Preferimos hostilizar toda e qualquer regra, desde da contabilística à da cortesia… Desregrados, seguimos por encostas suicidas…

(Em absconso solilóquio, o ministro das finanças fala de objectivos que já não são nossos!)

25.10.10

Num Domingo outonal…

Areia Branca 014

Na AREIA BRANCA, num Domingo outonal, de manhã, as nuvens parecem ameaçar, mas ninguém as vê. Estão ali suspensas, escorrendo do branco para o cinzento envergonhado e, ensimesmadas, resistem à tentação de cumprir o impulso primeiro. E eu subo e desço as pequenas encostas, reflectindo sobre a viabilidade económica dos múltiplos bares, cafés e esplanadas. Há sinais de novo riquismo, próprios do Verão, mas sem expressão humana nas restantes estações do ano. Investimentos públicos que reflectem a mentalidade dos seus promotores, mas que escondem a miséria bem visível, por exemplo, no parque de campismo. Um parque municipal, residencial, incapaz de acolher os forasteiros que desejem passar um ou vários dias nesta acolhedora praia, apesar de, também, a areia começar a falhar…

Sobra, todavia, a Pousada da Juventude!  

23.10.10

Dá vontade de desancar…

“Por vezes, em dia de balanço, acordamos cáusticos, com vontade de zancar nos fornecedores de serviços…”

Diz-me o Senhor Eleutério Silva que o vocábulo “zancar” não existe e, de facto, não vem registado nos Dicionários mais nobres. No entanto, se consultarmos o INFORMAL, lá vem o verbete, mas sem definição… Enfim, reminiscências de uma infância em que a violência do gesto cortava nas sílabas (e nas silvas?) a torto e a direito!

E hoje, há por aí muito boa gente a pedir que desanquemos nela. Esperemos que não seja necessário, porque, se isso acontecer, temo que o verbo “zancar” acabe, na pressa, por receber carta de alforria.

De qualquer modo, obrigado. 

20.10.10

Ao abandono…

Sacavém 024

Em Sacavém, na Praça da República, o Batalhão dos Adidos.

17.10.10

Esquecimento…

Muito do que sei (ou já soube ?) devo-o a alguém. Por exemplo, o que, ainda, sei sobre Literaturas Africanas de Expressão Portuguesa, em parte, bebi-o na obra comprometida de Alfredo Augusto Margarido que me ensinou o caminho para essa fundadora CASA que, contrariando os objectivos do Estado Novo, nasceu no seio da Casa dos Estudantes do Império (CEI). Sem ela, a CEI, e sem ele, Alfredo Margarido, o CASA lusófona seria bem diferente. É, também, dele, Alfredo e da CEI que nos fala PEPETELA, na 1ª parte de GERAÇÃO DA UTOPIA, “A CASA”, um romance a (re)ler.

Ora, o Alfredo Augusto Margarido, morreu silenciosamente no dia 13 de Outubro, aos 82 anos. E esse silêncio faz-me pensar que até já os correlegionários perderam a memória.

16.10.10

Na hora…

Por vezes, em dia de balanço, acordamos cáusticos, com vontade de zancar nos fornecedores de serviços que nos prometem mundos e fundos para depois nos cobrarem o que, ingenuamente, acreditámos não dever. No caso, a Portugal Telecom que me prometeu uma migração simples (e livre de encargos) do sapo adsl para o sapo fibra, e que me fez perder  paciência e horas, senão dias, de reclamações para que o serviço ficasse a funcionar em condições. Foi mesmo necessário solicitar o livro de reclamações para que a situação fosse encarada com alguma seriedade. Foram 8 dias sem telefone e 5 sem acesso à internet. E 100 euros pelo equipamento e instalação! E porquê?

Porque a PT é como um grupo de actores sem encenador. Cada um interpreta o texto de acordo com o seu estado de alma, estando-se nas tintas para o autor e, sobretudo, sem se preocupar em ‘dar a deixa’ àqueles com quem deveria contracenar. Actores esses que, no caso da PT, como, por exempo, está a acontecer com a elaboração do OGE, representam em palcos simultâneos, mas distantes. Falta-lhes o encenador. O maestro.

Por isso a primeira causa da decadência é organizacional. A segunda é a inveja.

E é esta segunda causa que me leva à crónica de TV do DN “J de Judite, J de Justiça”, assinada por Nuno Azinheira, em tempos meu aluno. Gosto da clareza com que escreve e, sobretudo, da justeza do pensamento: «Reconhecer que há alguém mais competente, mais produtivo e melhor do que nós é uma coisa que nos incomoda. Está-nos sangue. E é por isso que continuamos assim. Tristes e amargurados. E incompetentes

O Nuno já não se lembrará, mas no tempo em que nos cruzámos, o professor de Português começava inevitavelmente a abordagem de OS LUSÍADAS pelo comentário do Prefácio de Garcia de Resende, inserto no Cancioneiro Geral. E lá estava  a marca do «sangue» que impedia os portugueses de escreverem , na hora certa, a epopeia merecida: «Todos estes feitos e outros muitos doutras sustâncias nam sam devulgados como foram, se gente doutra naçam os fizera. E causa isto serem tam confiados de si, que não querem confessar que nenhuns feitos são maiores que os que cada um faz e faria, se nisso o metessem.»

Hoje, apesar da desorganização e da inveja, ainda vislumbro nas palavras do Nuno Azinheira um sinal de esperança.

15.10.10

Fibra a fibra…

«O tempo é terrivelmente longo, fibra a fibra, e de repente – por onde se escoa ele?» José Rodrigues Miguéis, A Escola do Paraíso

De tal modo se escoa o tempo, que, ultimamente, tenho evitado falar dele. Os sinais de quebra acentuam-se a cada passo e, paradoxalmente, a CRISE torna as horas absurdas e estupidifica as mentes em ânsias ensurdecedoras…

Falta o tempo e, ao mesmo tempo, cresce o desânimo. Há vidas que subitamente perdem sentido. Parece que regressamos aos tempos dos «vencidos da vida»…, ou da estagnação do «estado novo»…

A CRISE alastra punindo quem cumpre e /ou quem tem menos recursos, enquanto a economia paralela sobrevive impune. Não só o Governo não explica como é que delapida as receitas fiscais e os empréstimos sucessivos obtidos no exterior, como descura a fiscalização de uma multiplicidade de actividades que não pagam qualquer tipo de impostos.

O novo orçamento de estado reduz a pele e o osso o cidadão cumpridor. Ao lado, engordam os onzeneiros e os cadongueiros…

9.10.10

Acumulação…

Há palavras que, de vez em quando, ganham vida, como ‘acumular’, ‘cúmulo’, ‘acumulação’… Consideradas a situação financeira, a taxa de desemprego, a estagnação económica  e a carga fiscal que se abate sobre a maioria dos portugueses e, em particular, sobre a administração pública, o possível humor que o despertar destas palavras poderia desencadear já não faz qualquer sentido.

Sejamos sérios. Como é que alguém pode justificar as situações de acumulação de tarefas e de remunerações quando uma boa parte da população (qualificada ou não) se encontra inactiva por falta de trabalho?

O argumento da falta de qualificações para o exercício de certos cargos é absurdo, sobretudo, quando sabemos que essa dificuldade pode ser ultrapassada com FORMAÇÃO, competente e dada por quem, de verdade, conheça as matérias em questão.

Num país em que os recursos são limitados, não há justificação para que uma minoria se aproprie de grande parte do orçamento, deixando à míngua centenas de milhares de portugueses. Há que proceder à redistribuição do trabalho, começando por eliminar a acumulação de funções em todos os sectores da vida nacional.

E também há que acabar com a acumulação de subvenções (e pensões) resultantes do exercício temporário, e muitas vezes simbólico, de cargos de nomeação política.   

O mal corta-se pela raiz!

O cúmulo surge, hoje, na primeira página de alguns jornais: O Governo prepara-se para recuar no corte da acumulação de remunerações e de pensões, a começar pelo presidente da República.

6.10.10

Só hoje…

Andava há dias na expectativa de chegar à ‘República’ revisitada pelo José Rodrigues Miguéis, n’A Escola do Paraíso. Cheguei atrasado por culpa da Portugal Telecom que, entretanto, me tem obrigado a desdobrar-me em diligências por causa de uma, aparente, simples migração da Sapo adsl para a Sapo fibra. Nada é, de facto, simples neste moribundo Portugal republicano, onde tudo é feito para emular a 1ª República.

Ontem, desconcertado quanto às celebrações do centenário, ainda visitei o Museu Bordalo Pinheiro, onde descobri um caricaturista digno de ser louvado: SILVA MONTEIRO. Este mostra-nos que, afinal, os ideais foram substituídos pelos interesses de grupos mais ou menos ávidos de se banquetearem à mesa do orçamento. Aqueles republicanos, à excepção de alguns ilustres suicidas, não enganavam ninguém! Ora, ontem, o que eu ouvi foi, sobretudo, a legitimação de actos que custaram a vida a muitos milhares de portugueses que se viram envolvidos em causas perdidas.

(E continuamos a correr atrás de desígnios que nem sequer conseguimos enunciar enquanto outros mamam à tripa forra. Coitados!)

Entretanto, dando a palavra a José Rodrigues Miguéis, um dos escritores que melhor conheceu e retratou a acção republicana, transcrevo um excerto da obra já mencionada:  

«O prédio embandeirou, mas só do lado esquerdo, numa espécie de hemiplegia republicana. Havia sempre um resto de serpentinas do Carnaval passado, e foi uma festa. Começavam-se a vender nas ruas bandeiras, alfinetes, postais e globos de vidro colorido com cenas  e retratos dos homens do regime. Era uma Vida Nova que raiava. Dir-se-ia que estava tudo preparado para a celebração! Passavam bandos aos vivas, caminho da Baixa, da Rotunda, do Tejo, cantando a Portuguesa. Afluíam de todos os lados os heróis da última hora: as barricadas, até ali quase vazias, transbordavam agora de combatentes, eriçadas de armas que não tinham chegado a dar fogo. Tiravam-se grupos memoráveis, para depois se dizer “Eu também Lá estive!” A República estava de antemão solidamente implantada nas almas e nas ruas. Lisboa transfigurada!» 

5.10.10

Silva Monteiro N’Os Ridículos

 Urge passar por lá, pelo Museu Bordalo Pinheiro. N'Os Ridículos (1908-1926), podemos encontrar os 'actores principais' deste nosso tempo (1974-2010). Pena é que os caricaturistas não tenham dado continuidade às criaturas de Bordalo Pinheiro.
N'Os Ridículos (905x1280)