30.11.11

O polvo democrático…

image
A 30 de novembro de 2011, o polvo democrático aprovou o orçamento de estado mais anti-democrático da democracia. E com esta aprovação, CDS, PSD e PS abriram a porta ao desinvestimento e à insubordinação individual e coletiva.
Ao longo de 37 anos, o polvo democrático, acolitado autarquicamente pelo partido comunista, partilhou a clientela partidária, inventando um país de abril à medida da sua avidez e da sua ignorância – um país postiço que, agora, é posto a ferros…
37 anos depois de abril, o polvo democrático, mestre do disfarce, mas incapaz de se libertar dos tentáculos, prefere saltar sobre a presa, sugando-lhe a medula e deitando fora o esqueleto.

29.11.11

A metáfora do muro…

P1010019 P1010010

A propósito das “Crónicas de Tempos Vagos” de António Souto, dou comigo a passear pelo blog “Floresta do Sul” de António Manuel Venda que ali sacrifica aos deuses que conseguem preencher o tempo sem levantar muros, visíveis ou invisíveis. Ao mesmo tempo, ainda oiço a magnífica lição de José Jorge Letria, para quem os muros são mais uma construção do leitor do que do autor.

E entre ambos, surge a brecha que nos permite passar através do muro, isto é, nos permite comunicar. E recordo “O Silêncio” de Sophia (ou seria de Mónica?) que lhe permite despertar para uma realidade ensurdecedora.

Hoje, no Auditório “Camões”, apesar da sapiência dos autores, o muro esteve vezes demais do lado dos destinatários. Esperemos, no entanto, que a iniciativa sirva para abrir mais uma fenda…

28.11.11

O ensurdecedor social…

20110403(018)

Se para Pessoa, o mito fecunda a realidade, sendo indispensável para a construção da identidade coletiva (Mensagem), para Pepetela o «mito serve para compensar frustração, serve de ensurdecedor social» (A Sul. O Sombreiro).

Realmente, os estudantes do ensino secundário continuam a assimilar (in)voluntariamente ideias messiânicas e sebastianistas que lhes esmagam a vontade, deixando-lhes apenas o sonho nebuloso da redenção definitiva…

Começa a ser tempo de desmontar os mitos e acabar com as mistificações criadoras de manipansos estéreis.

27.11.11

Bolota no Parque das Nações!

P1010002

P1010004

Sem querer substituir a batata pela bolota, refira-se, no entanto, que esta (tal como a castanha), antes dos descobrimentos, era a base de muitas sopas, havendo, também, quem confecionasse uns saborosos queijinhos de bolota.

Na época de crise que atravessamos, em que os hotéis crescem que nem cogumelos, talvez venha a ser chic degustar uma tradicional sopa de bolota… Por aqui, no Parque das Nações, só faltam os porcos! Ou Não?  

26.11.11

A saga continua…

 

P1010005 P1010007
P1010002

Na rua Marquês de Tomar (Lx), a altercação alonga-se: senhorio e inquilina desentendem-se quanto ao valor da renda. O atraso da inquilina é atribuído a incumprimento do senhorio que, entretanto, lhe responde na mesma moeda. Os argumentos tornam-se gritos e a rua começa a encher-se de curiosos...

(…) Sem pagar, a inquilina arranca a toda a velocidade e o senhorio manda-a queixar-se ao advogado… que ela não pode pagar.

25.11.11

O negócio do lixo…

As agências de rating só veem lixo, não porque vivamos numa lixeira, mas porque o objetivo é forçar-nos a endividarmo-nos irremediavelmente.

A usura é o modo de vida dos credores que, ao mesmo tempo que conseguem um rendimento fabuloso, procuram gerar a indignação e a revolta necessárias à eliminação dos valores gerados pela revolução francesa.

Hoje já não há direita capitalista nem esquerda socialista! Há apenas redes de especuladores que se divertem a destruir para poder acumular.

Regressámos ao antigo regime! Até quando?

24.11.11

Por coincidência!

P1010010P1010006

Durante duas horas caminhei e nada vi de surpreendente, a não ser que havia muito mais polícia em Moscavide do que na Portela ou em Sacavém. Havia pessoas nas paragens de autocarro à espera das carreiras da rodoviária, já que a Carris aproveita o dia para agravar a dívida pública. Nas ruas, a circulação de veículos e de peões era insignificante, deixando entender que o momento é de labor ou de descanso. E de facto nalguns estaleiros, oficinas, lojas e esplanadas, vi trabalho e ociosidade. Não soube, no entanto, avaliar quem levava a melhor…

Entretanto, por coincidência, as agências de rating, só veem lixo. E que mais poderiam elas ver em dia de greve geral?

22.11.11

A ditadura da opinião…

Apesar de haver quem pense que a Grécia moderna nada tem a ver com a Grécia antiga, eu espero que não seja assim, e isto porque há vários dias que uma antiga sentença grega não me sai da  cabeça: «os homens são atormentados pela opinião que eles têm das coisas, e não pelas próprias coisas.» Epicteto, Enchyridion
Infelizmente, as notícias públicas e privadas estão cada vez mais contaminadas por apreciações subjetivas que ocultam ou deturpam os factos.
A crise europeia, para ser superada, exige a criação de um estado europeu – o que impõe, em nome do bem comum, perda de soberania. Mas o que se verifica é que a multiplicidade das opiniões insiste em ignorar o caminho: um governo central, um banco central, forças armadas comuns…
A tormenta que atravessamos impõe clarificação da decisão política: ou construímos o estado europeu ou mais vale sair da “união”…

18.11.11

No mesmo beliche?

A mediatização da investigação e da decisão judicial cria no leitor / espectador a ideia de que a justiça é açambarcada por meia dúzia de figurões que investigam, defendem, acusam e decidem de acordo com o estatuto dos arguidos.

Não se entende porque é que defesa, acusação e decisão são sempre entregues aos mesmos, ou será que o poder mediático é tão poderoso que cria e encena os casos, escolhendo os atores e impondo a decisão?

De qualquer modo, parece-me que a mediatização distorce o exercício da justiça e, sobretudo, aprisiona os decisores, impedindo-os de decidir em liberdade.

E esta última ideia – a de uma justiça amordaçada pelo poder político e, simultaneamente, ignara e presumida -  está muito bem retratada no romance Quando os Lobos Uivam (1958), de Aquilino Ribeiro.

Considerando a quantidade de temas investigados anualmente, em dissertações de mestrado e de doutoramento,  interrogo-me se alguém já decidiu investigar quantos dos intervenientes no inquérito e na decisão judicial já leram Quando os Lobos  Uivam.

A separação de poderes e o seu exercício em liberdade pressupõem uma formação humanística que, infelizmente, tem sido descurada.

17.11.11

Andar para trás?

Andar para trás pode não ser mau!

Se uma empresa, por falta de financiamento, fica impedida de importar as peças de que necessita, por exemplo, para reparar uma viatura, isso não deve ser razão para desistir do negócio. Se olharmos para trás, veremos que, no passado, muitas dessas peças eram fabricadas ao torno por serralheiros que, entretanto, foram perdendo importância.

Nesse tempo, havia mais ofícios, e importava-se menos. E hoje, o que deveras nos interessa é reduzir as importações e regressar ao trabalho – lançar as mãos à obra.

Só a valorização do trabalho manual, apoiado nas novas tecnologias, poderá devolver aos portugueses os recursos para se libertarem da asfixia dos credores e dos especuladores, pretensamente, intelectuais.

Em termos de projeto educativo, as escolas deveriam criar “oficinas”, onde os jovens pudessem reaprender os velhos ofícios…

15.11.11

O sonho e a dor…

«As nações todas são mistérios / Cada uma é todo o mundo a sós.» Fernando Pessoa, D. Tareja, in Mensagem

Com nome próprio só duas mulheres figuraram em Mensagem – duas estrangeiras, as mães fundadoras, D.Tareja e D. Filipa de Lencastre. Por outro lado, anónimas e sofredoras, as mães e as noivas sacrificam-se para que a vontade divina seja satisfeita pelo homem, o infante, a quem compete sonhar, isto é, colocar-se em linha com Deus.

Mas, sem Deus nada acontece!

Portugal entristece porque há muito deixou de ser o povo eleito ou, se reformularmos o problema, porque, afinal , não passa de uma criação estrangeira, a que falta a alma…

Apesar da matriz europeia, Pessoa valoriza acima de tudo o sonho e a dor. Sem eles, o mistério português extinguir-se-á definitivamente.

13.11.11

A escola da pichação

Pichação é o ato de escrever ou rabiscar sobre muros, fachadas de edificações, asfalto de ruas ou monumentos, usando tinta em spray aerossol…

Na Rua das Escolas, Portela, jovens de palmo e meio, dão asas à criatividade: picham os muros mais ou menos recônditos e quebram (e não só) os vidros das viaturas que encontram no caminho da ESCOLA… Quanto à autoridade policial, não vale a pena «apresentar queixa contra incertos», porque a ordem é para arquivar… Será que nas esquadras portuguesas, alguém investiga essa «nobre arte da pichação», alguém segue a «assinatura» destes heróis da periferia? 

P1010007P1010009

P1010010P1010003

11.11.11

Vândalos de palmo e meio…

10112011004

Adolescentes de palmo e meio divertem-se impunemente a vandalizar a propriedade alheia. Na Rua das Escolas, Portela, os episódios de destruição sucedem-se às mãos de jovens que, desintegrados, decidiram criar a sua própria lei.

Será que estes jovens se comportam diferentemente em casa e na escola? Provavelmente, não. Devem ser os mesmos que não param em casa ou que faltam à escola e cujo comportamento continua a ser desculpabilizado, senão premiado!

Assim, vamos construindo o futuro! E tal como vai o mundo, não me espantará nada que que alguém me venha dizer que já são “heróis” no facebook!

9.11.11

Ilusões!

«Miserum est enim nihil proficientem angi.» Cicero, De Natura Deorum

A cada dia que passa, sinto que há cada vez mais gente atormentada, sem proveito. Ainda se as tormentas significassem desafios, essa inquietação poderia fazer sentido, porque vencê-los significaria superação!

Mas não! O que se passa é bem mais grave: cai-se na escuridão porque os espelhos se quebram, tornando claras as pústulas da ilusão.

E a Ilusão não vale o sacrifício de uma vida!

6.11.11

Cores de outono


Ainda é possível sorrir neste outono. A luz e a cor não defraudam se estivermos despertos! Despertos para cumprir a nossa parte / Que, da obra ousada, é minha a parte feita: / O por-fazer é só com Deus. / F. Pessoa, Padrão, Mensagem.
Por enquanto, a LUZ ainda acende a esperança! E não precisa de ser divina…

5.11.11

Ricos pilhos!

«Senão o lobo, a raposa, o pilho de dois pés zarpavam com a mamata.» Aquilino Ribeiro, Quando os Lobos Uivam.

Já não sei se matamos a língua (e a literatura) para ocultar a  mamata ou se é ao contrário: a fraude impõe a morte da língua.

Termos como comezaima, comilagem, conezia, cunha, expediente, furto, ladroagem, mama, marosca, negociata, nicho, pitança,  prebenda, propina, roubo, sinecura, tacho, teta, tráfico, tribuneca, veniaga são o grito abafado de um povo esbulhado da sua própria voz.

E esse povo, ao perder a língua, morre de vez asfixiado pelos pilhos de dois pés! 

2.11.11

Ociosidade…

Variam semper dant otia mentem – A ociosidade causa sempre desorientação. (tradução livre)

Se para Platão, a ociosidade era necessária à indagação reflexiva e pressupunha riqueza daqueles que dispunham do tempo necessário à investigação e à especulação, para Sá de Miranda e para Camões a ociosidade, alimentada pelos pardaus da Índia, efeminava os espíritos, tornando-os fonte de inevitável decadência.

Por seu turno, Eça de Queirós associa ociosidade a diletantismo e a indigência, condenando impiedosamente os polidores de esquinas que infestavam a capital do reino.

Hoje, a ociosidade deixou de ser um privilégio (conquistado ou herdado) para se tornar condenação de milhões de seres humanos, e que, desorientados, estão prontos a marchar sobre os templos que abrigam os modernos bonecreiros.