30.11.14

Como uma abelha

«Nascemos sem saber fallar e morremos sem ter sabido dizer. Passa-se nossa vida entre o silencio de quem está calado e o silencio de quem não foi entendido, como uma abelha em torno de onde não ha flores, paira incognito um inutil destino.» Pessoa Inédito, No Jardim de Epitecto

Lembro agora que Fernando Pessoa nos deixou a 30 de novembro de 1935. O Tejo continua o mesmo do amanhecer e do entardecer do Livro das Horas. Embora o Poeta tenha dito que do Tejo se vai para o mundo, a verdade é que o Tejo no-lo devolveu inteiro para que nele pudéssemos descansar nas boas e nas más horas...
Com ou sem flores, continuamos à espera que o gládio se ilumine e nos faça descortinar a praia da Verdade. De tempos a tempos, o sino tange, e nós apressamos os passos inúteis...
Queremos falar, mas não sabemos o que dizer. Esvoaçamos apenas!

Lembro agora o tempo em que, juntos, encetámos um caminho sem lhe conhecer o rumo. Deu os frutos esperados da «besta sadia». Já decorreram 40 anos em que fomos falando mas, na verdade, ainda não sabemos o que dizer... e provavelmente nunca saberemos. A vida não passa de um INTERVALO!

29.11.14

Vergonhoso


Moins d’étrangers c’est plus écologique

Na Suiça, tal como no Reino Unido e em França, cresce o sentimento de rejeição do emigrante ... 

Paradoxalmente, na Suiça, não há nenhum movimento que incite os suíços a rejeitarem os depósitos bancários estrangeiros: 


Menos capitais estrangeiros é mais ecológico!

28.11.14

Apologia da indigência

O indigente é, por definição minha, alguém que vive em estado de penúria voluntária. 
O indigente pode ser inteligente, loquaz, visionário, sedutor. Só não pode Ter!
O indigente não tem casa nem tem conta bancária, abdica de qualquer pensão, embora não despreze viver numa bela mansão...
Despojado de bens materiais, o indigente cultiva a amizade de Platão e senta-se à mesa de seus iguais. Por isso não espanta que seja acusado de viver do que não é seu e de ser misógino, apesar de venerado pelas mulheres...

O indigente detesta ser esquecido e por isso ama a praça pública, o palco e o poder. Qual Cristo está pronto para beber o fel até à última gota desde que possa regressar, não interessa o dia nem a hora...
O indigente é inteligente e misógino. Só não paga impostos porque, por definição minha, não pode TER.
O indigente estuda Filosofia e Ciência Politica porque só pode SER. 

26.11.14

O amigo do amigo "amordaçado"

De certo modo, os amigos mudaram-se para a vida virtual. Basta contar os amigos que cada um de nós tem nas redes sociais! Deles pode esperar-se tudo, até o silêncio absoluto. Seguem-nos ou ignoram-nos de acordo com as conveniências... E não se pode censurá-los por tal. É um novo direito que, pela sua natureza, não impõe qualquer dever.
Ora, hoje, um daqueles amigos, que continua bem agarrado à vida real, decidiu visitar outro amigo colocado atrás das grades por tempo indeterminado. E claro, o inevitável aconteceu: o amigo de seu amigo aborreceu-se com as perguntas da comunicação, dita social.
O amigo levantara-se cedo, porque tinha um dever a cumprir: dar um abraço ao amigo "amordaçado". Na verdade, Mário Soares vê José Sócrates como outrora via Portugal. 

E não se pode levar a mal! Mário Soares continua a viver no mundo real, enquanto que a comunicação social vive no mundo virtual. Ele tem o dever de visitar o amigo. Por seu turno, a comunicação social age de acordo com as suas conveniências...

Nota de rodapé: Já alguém verificou a hipótese da comunicação social colocar escutas por conta própria?

25.11.14

A pensar no ...

44 = equilíbrio, sensatez, espírito filosófico. Disponibilidade para ler livros cartesianos, em francês! Esta tendência revela, no entanto, um espírito um tanto fin-de-siècle ou, talvez, 68, que, se fizermos as contas, nos traz... a 2014.
Bem vistas as coisas, foi no dia 24 que o suspeito ficou a saber o que o Céu Sereno lhe destinou! Assegurado o ócio, espero que José Sócrates o saiba desfrutar, (re) lendo, por exemplo, as estâncias 96 a 99 do Canto VIII de Os Lusíadas, e tendo presente a seguinte passagem da APOLOGIA DE SÓCRATES, de Platão:

 «Atenienses, se me tivesse dedicado à política, já estaria morto há muito tempo, sem ter sido bom, nem para vós, nem para mim próprio.
Não vos amofineis, por favor, por me ouvirdes falar a verdade: nenhum homem pode evitar a condenação à morte se, com franqueza, se opuser, ou a vós, ou à populaça, se procurar impedir que, no Estado, se cometam atos injustos e ilegais. Quem combate de verdade pela justiça, se desejar viver algum tempo, tem de se remeter à vida privada, e evitar a participação na vida pública.»
  

24.11.14

Dentro de momentos...

O filme segue «dentro de momentos». São 20 horas e 45 minutos e há mais de duas horas que o País espera por uma decisão... 
Provavelmente, a culpa é da mediatização!
No entanto, resta saber se são os media os culpados desta espera inclassificável ou se é o Ministério Público o verdadeiro responsável por este atraso 'colossal'.

Enquanto espero, vou ler a peça de Samuel Beckett, En attendand Godot. Esta peça foi criada no dia 5 de Janeiro de 1953 no Teatro Babilónia...


VLADIMIR. - Que faire pour fêter cette réunion? (Il réfléchit.) Lève-toi que je t'embrasse. (Il tend la main à Estragon.)
ESTRAGON ( avec irritation). - Tout à l'heure, toute à l'heure.
                                                                                                       Silence.
VLADIMIR (froissé, froidement). Peut-on savoir où monsieur a passé la nuit?
ESTRAGON. - Dans un fossé.
VLADIMIR (épaté). - Un fossé! Où ça?
ESTRAGON (sans geste). - Par là.
VLADIMIR. - Et on ne t'a pas battu?
ESTRAGON. - Si... Pas trop.
VLADIMIR. - Toujours les mêmes?
ESTRAGON. - Les mêmes? Je ne sais pas.

                                                                                                      Silence. 

Dentro de momentos!
Já são 21 horas e cinquenta e cinco minutos.

Decisão: José Sócrates em prisão preventiva! - A medida de coação mais gravosa.

                                                                                                      SILÊNCIO.

23.11.14

É todo um país que espera!

Não sei se Sócrates é culpado ou não!
Sei, no entanto, que os indícios devem ser fracos, caso contrário já todos teríamos conhecimento da decisão judicial...
Nesta situação, não são apenas quatro detidos que esperam. É todo o país que espera.

E, amanhã, o país merecia regressar ao trabalho, tranquilo, convencido de que a Justiça é nobre, não cedendo à tentação de humilhar o suspeito, seja ele quem for. No caso, José Sócrates, ex-primeiro-ministro de Portugal.

22.11.14

Argumentar contra a violência doméstica

“Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e direitos.”
Declaração Universal dos Direitos do Homem (1949), Art. 1º


Nas escolas, os alunos são convidados a escrever textos argumentativos, mas, em geral, não o conseguem porque, em primeiro lugar, não dominam o assunto e, principalmente, não o enquadram nem o aprofundam. Acreditam que basta pegar numa folha de papel e aplicar uma qualquer receita. Claro que a maioria fracassa!

O que aqui registo são meia dúzia de ideias que dirijo a aluna desesperada que não consegue escrever um texto argumentativo:

Todos nascemos iguais, mas não crescemos livres e iguais em dignidade e direitos.

Tradicionalmente, a maioria das mulheres vivia numa situação de tal dependência económica do marido ou, mesmo, do pai, que os direitos humanos não se lhes aplicavam, designadamente o artigo 1º da Declaração Universal dos Direitos do Homem
Depois da segunda Guerra mundial, as mulheres desempenharam um papel importante na reconstrução dos países. As mulheres passaram a estudar e, sobretudo, passaram a ter uma carreira profissional, o que lhes trouxe independência económica.
No entanto, a independência económica da mulher não lhe garante a igualdade de direitos no agregado familiar, porque o homem (e a mulher) não foi educado para uma relação diferente da que vivera na família em que nascera… (uma das causas da violência)
Entretanto, a globalização trouxe o consumismo e a precariedade no emprego e na vida quotidiana. Uma precariedade que passou a atingir ambos os sexos.
É neste novo contexto que a insatisfação pessoal e familiar cresce, trazendo de volta o autoritarismo e a violência do mais forte contra o mais fraco.
Volta a colocar-se a questão de saber como combater a violência doméstica, ela própria fruto da desigualdade social, económica…

Assim, pode defender-se que a educação é uma das soluções contra a violência. Deste modo, é preciso alterar radicalmente o paradigma educativo.

A escola atual não satisfaz minimamente este objetivo. Basta pensar nos casos em que os namorados consideram normal agredir as namoradas,com a bênção paterna e materna, ou em que os alunos agridem as professoras com a cumplicidade dos pais… e das mães.   
..


20.11.14

O Homem de Cristo tira mais um coelho da cartola

«Não quero com isto dizer que temos de ser como os franceses. Apenas digo que temos margem para tornar o nosso acesso ao ensino superior mais justo. Seja por via de acesso livre (entram todos os que concluírem o secundário) ou por via de dar às instituições autonomia para escolher os alunos (o que me parece mais exequível).» 
Artigo de A.H.C.:E se as notas não contassem para entrar na Universidade?

Gosto imenso de ler as reflexões deste cavo pensador, sobretudo quando estou aborrecido e desligo o televisor para não ter de esbarrar com o PP ou o PC ou a ML ou a PTC , isto sem falar dos comentadores ajumentados ( peço desculpa, se soar a jumentos...)
Desta vez, por um instante, concordei com o Homem: - Para quê exames de acesso à Universidade? Que maçada! Entram todos e pronto... ou será prontos?
Passado o devaneio, dei comigo a pensar que o Homem de Cristo (!) poderia ter apresentado um argumento ainda mais convincente: - Para quê exames de acesso à Universidade se, à saída da mesma, as classificações e os diplomas obtidos não servem para nada?
Como se teima no Ensino Secundário, para um bom argumento é necessário um exemplo certeiro! Ora que melhor exemplo que o do Ministro Crato que se está borrifando para as classificações de mestrados e doutoramentos e já marcou a data do próximo exame para 20 de dezembro, precisamente nas mesmíssimas universidades que tanto despreza!

Há, no entanto, um lado positivo, na proposta cartesiana deste cavo pensador: Acaba o desemprego docente no ensino superior. Ou será inferior? 





19.11.14

Nem sempre vemos as fontes...

Para o caso de haver quem acredite na originalidade e não compreenda o que é a intertextualidade, vou citar Gonçallo Anes, de alcunha o Bandarra, que terá vivido na primeira metade do século XVI, no reinado de D. João III, o qual, entre 1530 e 1540, compôs um conjunto de trovas sobre a decadência dos costumes e os futuros destinos de Portugal.*

(...)
Forte nome he Portugal,
Um nome tão excellente,
He Rei de cabo poente,
Sobre todos principal.
Não se acha vosso igual
Rei de tal merecimento:
Não se acha, segun sento,
Do Poento ao Oriental.

Portugal he nome inteiro,
Nome de macho, se queres:
Os outros Reinos mulheres,
Como ferro sem azeiro;
E senão olha primeiro,
Portugal tem a fronteira,
Todos mudão a carreira
Com medo do seu rafeiro.

Portugal tem a bandeira
Com cinco Quinas no meio,
E segundo vejo, e creio,
Este he a cabeceira
E porá a sua cimeira,
Que em Calvário lhe foi dada,
E será Rei da manada
Que vem de longa carreira.

Este Rei tem tal nobreza,
Qual eu nunca vi em Rei:
Este guarda bem a lei
Da justiça, e da grandeza
Senhorea Sua Alteza
Todos os portos, e viagens,
Porque he Rei das passagens
Do Mar, e sua riqueza.

Este Rei tão excellente,
De quem tomei minha teima,
Não he de casta Goleima,
Mas de Reis primo, e parente.
Vem de mui alta semente
De todos quatro costados,
Todos Reis de primos grados
De Levante até ao Poente.

Serão os Reis concorrentes,
Quatro serão, e não mais;
Todos quatro principaes
Do Levante ao Poente. 
Os outros Reis mui contentes
De o verem Imperador,
E havido por Senhor
Não por davidas, nem presentes.

Comendadores, Prelados,
Que as Igrejas comeis,
Traçareis, e volvereis
Por honra dos Tres Estados.
E os mais serão taxados;
Todos contribuirão
E haverá grande confusão
Em toda a sorte de estados.

Já o Leão he experto
Mui alerto,
Já acordou, anda caminho,
Tirará cedo do ninho
O porco, e he mui certo,
Fugirá para o deserto,
Do Leão, e seu bramido,
Demonstra que vai ferido
Desse bom Rei Encuberto.
(...)

Para o caso de haver quem acredite na originalidade de Camões e de Pessoa, vale a pena  olhar à volta e, sobretudo, não desprezar a tradição. Nem sempre as fontes estão à vista ou, melhor, nem sempre vemos fontes porque porque vivemos de olhos fechados...

* Consultar: António Machado Pires, D. Sebastião e O Encoberto, Fundação Calouste Gulbenkian.

17.11.14

Que farei eu com esta espada?

A pergunta é do Conde D. Henrique: À espada em tuas mãos achada/ Teu olhar desce. / «Que farei eu com esta espada?» // Ergueste-a, e fez-se.»

É a primeira vez que a guerra surge em Mensagem, apesar da 1ª parte - Brasão - surgir sob o lema BELLUM SINE BELLO.
A guerra é um dos fios condutores da obra. Um fio místico, redentor, eivado das novelas de cavalaria medievais, do messianismo de Vieira e do sebastianismo do século XIX...
Vale a pena tomar nota que os cavaleiros-heróis são transformados em mitos, prontos a alimentar a ideologia do Estado Novo:

D. Afonso Henriques, o PAI: (...) a bênção como espada / A espada como bênção!

D. Fernando, o Infante de Portugal, o FILHO: «Dá-me Deus o seu gládio, por que eu faça / a sua santa guerra (...) E eu vou, e a luz do gládio erguido dá / em minha face calma

Nun' Álvares Pereira, o CAVALEIRO: «Que auréola te cerca? / É a espada (...) / Mas que espada é que, erguida, / Faz esse halo no céu? / É Excalibur, a ungida, / Que o Rei Artur te deu. // Ergue a luz da tua espada / Para a estrada se ver!» 

Na 2ª parte, Mar Português, apesar das vitórias não há sinal de espada, de gládio ou de Excalibur!

Só na 3ª parte, O Encoberto, surge O Desejado: Mestre de Paz, ergue o teu gládio ungido/ Excalibur do Fim, em jeito tal/ Que a sua luz ao mundo dividido / Revele o Santo Graal

Embora a obra termine com a exortação - É a hora! - o Poeta parece estar muito próximo do Apocalipse, abraçando o mito do Quinto Império de Vieira, pois ao AÇO sempre preferiu a LUZ...


16.11.14

Este fulgor baço…

IMG_20141116_141829
«Este fulgor baço da terra / Que é Portugal a entristecer…» / Fernando Pessoa
Temos rei e temos lei,
temos paz e temos guerra.
Todos sabemos o que queremos,
todos conhecemos quem somos.
(Temos peritos em ansiedade
e até já não há nevoeiro!)
De nada serve ser inteiro
desde que se possa
deitar a mão ao dinheiro…
(…)
Há quem floresça num canteiro
e queira ser quem não é
Não importa se espinho
se erva daninha…
(…)
Para ti
que, longe de ti,
procuras quem és,
cava
e em ti acharás
quem és…

15.11.14

Se decidir ler Quando os Lobos Uivam

Se decidir ler Quando os Lobos Uivam (1959) de Aquilino Ribeiro, dê, também, atenção ao estudo de Dulce Freire, Os Baldios da Discórdia: As Comunidades Locais e o Estado, in Mundo Rural - Transformações e Resistência na Península Ibérica, 2004

Aquilino Ribeiro, mesmo que se por razões pessoais*, não enjeitou a hipótese de tratar literáriamente um tema que, aparentemente, só dizia respeito a comunidades rurais conservadoras ciosas de preservar os baldios que cercavam os povoados e dos quais extraíam parte do seu sustento...
Para Aquilino, o problema não era "local", pois do outro lado estava o Estado, pronto a esburgar o povo de uma das últimas fontes de sobrevivência, em nome de uma 'moderna' política de florestação que, hoje, bem sabemos a quem aproveitou...
O povo 'retrógrado' sabia que a intervenção do Estado raramente o favorecia... Tal como Aquilino sabia que a Literatura ao ampliar o conflito, pode torná-lo bandeira de uma luta sem quartel contra o despotismo e contra o nepotismo do Estado.
E foi o que aconteceu à época: O romance vendeu 9.000 exemplares em três meses...; Aquilino teve de enfrentar a PIDE e a Censura, e o Estado Novo ficou mais desacreditado...


* Litígio pessoal com funcionário dos Serviços Florestais em Sernancelhe, Viseu, que o terá levado a ampliar os conflitos ocorridos na Serra de Leomil.

13.11.14

Trust me, não me parece...

Hoje apresentaram-me Jeff Abbot ou melhor explicaram-me quão «viciante » pode ser a leitura das obras de tal autor. Na tradução portuguesa, a obra em causa intitula-se "Confia em Mim".
(...)
Jeff Abbott is the New York Times bestselling, award-winning author of many mystery and suspense novels. He has been called “one of the best thriller writers in the business” (Washington Post). 
(...)
Nos últimos anos, tenho sido testemunha de uma verdadeira paixão pela leitura de autores 'anglossaxónicos'. Cada vez que me apresentam uma nova "descoberta", imagino que o fascínio não é muito diferente daquele que certos animais sentem pela fava seca: cai bem no estômago e aumenta a adrenalina. Durante umas horas, a adrenalina sobe e a cavalgadura fica eufórica; depois cai no abatimento até que nova dose lhe volte cair no cocho...

Nesta mesma semana, também me apresentaram "Os Emigrantes" (1928) de Ferreira de Castro. Fiquei feliz com a opção, mas creio que fui só eu e aquele jovem que encontrou aquele romance lá em casa e ousou lê-lo, porventura, porque saiba que eu gosto pouco de romances em que "são todos bons rapazes e boas raparigas», mesmo que não saibam interpretar o verso de Pessoa: «nem o que é mal nem o que é bem».
Talvez porque rejeite a aculturação ou, mais grave ainda, a leitura como forma de alienação, ao chegar a casa, "castiguei-me" com a tradução d'  UN APERÇU DE L'HISTOIRE DES KURDES, par Kendal NEZAN, Président de l'Institut kurde de Paris, com a conclusão da leitura do estudo "Mobilización campesiña, clientelismo politico e emigración de retorno, de Raúl Soutelo Vasquez, e com o retorno a 100 Cartas a Ferreira de Castro, edição da Câmara Municipal de Sintra, onde numa delas, a propósito da leitura do romance Sangue Negro (1923), Raul Brandão refere: «o senhor escreve sem se deter em pormenores inúteis e escolhe sempre para o assunto, ao contrário do que fazem para aí todos os fúteis, problemas cheios de grandeza e humanidade. É alguém.» Cit. por Alberto Moreira, A Carta é de L. Consiglieri Sá Pereira.
O sublinhado é meu!

11.11.14

Ler MENSAGEM

Nas palavras de António Quadros, Fernando Pessoa imprimiu em MENSAGEM «o seu ideal patriótico, sebastianista e regenerador.» Plural 12, pág.110

Hoje, procurei que os alunos percebessem o alcance de tal afirmação sem grande sucesso. Os poemas, escritos entre 1913 e 1934, visam despertar um povo descrente e adormecido para a necessidade de retomar a «esperança» e a «vontade» que, outrora, conduziram os portugueses à vitória sobre a NOITE e « o mar anterior a nós». Um povo que, perdido o Brasil, humilhado pelas potências europeias (Ultimatum), se vira a braços com a bancarrota  mais grave da nossa história; um povo que, depois de se ter vingado no Rei, acreditou por instantes na República que, rapidamente, o conduziu ao cadafalso em terras de África e de França, e à desagregação moral e social; um povo que se vê obrigado a emigrar e, ao mesmo tempo, assiste ao súbito enriquecimento de uns tantos...
É neste cenário que o Poeta, em nome de Portugal, terá impresso o «ideal patriótico, sebastianista e regenerador», tingindo a obra de esperança quanto à refundação da Pátria e quanto à regeneração do estado mental da nação, mas, deixando-se cair numa solução sebastianista que tão maus resultados viria a trazer ao País.
Para que a mudança pudesse ser alcançada, o Poeta entregou-se fervorosamente à mitificação dos heróis fundadores e refundadores da Pátria, já que, na sua perspetiva, em cada geração é necessário que Portugal se cumpra - Senhor, falta cumprir-se portugal
A novidade da obra reside, pois, no processo de mitificação que, partindo da lenda ( o NADA) ou da História ( o TUDO), transforma os heróis em exemplos «inteiros» para quem é apenas «metade de nada», mas aspira a libertar-se do «sono do ócio ignavo».
Ora, para Fernando Pessoa, 'aspirar' é sonhar, é ter vontade de compreender, de fazer, de mudar, de corrigir... o que, HOJE, parece continuar a faltar!

PS. Não é a primeira vez que CARUMA escreve sobre MENSAGEM: O Sonho e a Dor (15.11.2011); As mesmas âncoras (24.5.2011); A Pátria mesta (23.11.2013)... 

    

9.11.14

A leveza de Jorge Castanho no Centro de Arte Moderna Gulbenkian


« O fascínio dos homens e, consequentemente, da arte pela natureza acontece desde sempre, desde os animais gravados nas grutas de Lascaux, passando pelo bestiário medieval – que os desenhos de Jorge Castanho são herdeiros e as únicas obras expostas que não pertencem ao acervo do CAM…» Isabel Carlos e Patrícia Rosas, in Animalia e Natureza na Coleção do CAM, 17 de outubro 2014 a 31 de maio de 2015.

Não sei se o desenhador, Jorge Castanho, vive fascinado pelo bestiário medieval, parece-me, no entanto, que ele foge do peso dos homens porque, de tão adiposos, se torna difícil determinar os pontos a partir dos quais o traço ganha fôlego e, principalmente, ganha vida. Como se essa vida fosse o resultado de extensões longilíneas sensoriais!
Parece-me, assim, que o desenhador procura capturar a eclosão da vida sensitiva.
De notar que neste dia encontrei quatro jovens que, de fascinados pelos desenhos do Jorge Castanho, se sentaram no chão, procurando reproduzi-los nos seus blocos de desenho.
Entretanto, percorri  a restante exposição, concebida a partir do universo de António Dacosta (1914-1990), tendo concluído que vou voltar devido à qualidade do acervo. Mas só depois de ter relido La Tentation de Saint Antoine, de Gustave Flaubert…

8.11.14

O Bobo e o Velhaco

a) Nos últimos dias, o bobo deslocou-se à Assembleia da República. Ao serviço de sua majestade, armou em mestre-escola, e decidiu dar uma lição silabada a António Costa... Uma lição sobre o preço das camas da hotelaria ulissiponense...
Uma lição patética de um ministro cujo governo lança taxas sobre tudo quanto se move no reino.
b) Por coincidência, CARUMA acabara de gastar umas linhas a determinar o raio de ação do VELHACO e, de imediato, percebeu que o Bobo é necessariamente velhaco, nem que seja para esconder a real gulodice de sua majestade...
c) Claro que o Bobo usufrui de menos privilégios que o Velhaco. Por exemplo, um bobo nunca afirmaria, no final de uma viagem de negócios: - FOI UMA MISSÃO E PÊRAS!
d) Amanhã, dois milhões de alemães vão estar em Berlim para celebrar os 25 anos da queda do MURO e, por antecipação, CARUMA interroga-se se o VELHACO que provocou tal derrocada também lá estará...
e) Andam por aí uns rapazes, bobos, que pensam que têm ideias, como se tê-las fosse fácil! No fundo, não passam de uns velhacos prontos a fazer trapaça... Até um Bobo sabe que não pode abusar da bobice, pois corre o risco de indispor sua majestade, perdendo de uma assentada a cabeça e qualquer sombra de ideia que pudesse conceber...   

6.11.14

Velhacaria

Há palavras cuja origem se perde nos fumos do tempo. É o caso do termo 'velhaco'. Consta que a forma portuguesa resulta de um empréstimo espanhol que, por sua vez, o terá roubado ao provençal 'bacalar", deixado ficar por algum celta mais matreiro ou, caso contrário, mais ingénuo - bakallakos...

O certo é que esta manhã acordei com o 'velhaco' na ponta da língua. Nas primeiras horas do dia não me saiu do pensamento. De facto, há muito tempo que não oiço chamar 'velhaco' a ninguém, nem encontro tal termo em qualquer obra mais recente.
Perplexo, interroguei-me se conheceria algum velhaco ou alguma velhaca ou alguém capaz de cometer qualquer velhacaria, e a minha língua desarmou-me. Deixou de fazer qualquer movimento e, consequentemente, de se pronunciar sobre o assunto.
Retraído, regressei ao tempo em que havia velhacos a torto e a direito. Um tempo longínquo, rural, apesar de distante da raia espanhola. Nesse tempo, até eu, quando, atormentado por um molho de serralhas para os coelhos, o escondia sob um pedregulho - até eu - ao regressar a casa, era apelidado de velhaco, erva ruim...
Esta incompreensível fixação, logo que a língua se contentou com a evocação do passado, atirando-me para a galeria dos velhacos anónimos, levou-me, ao longo do dia, a contar a dois ou três amigos esta inesperada obsessão... Qualquer deles deve ter ficado a pensar que, definitivamente, estou senil... E se calhar, estou mesmo!

4.11.14

A Literatura atual ignora o cacique

Houve um tempo em que a Literatura descia ao terreno e descrevia o que por lá se passava em termos de relações de domínio. Camilo Castelo Branco, Aquilino Ribeiro, Ferreira de Castro, sem esquecer Alves Redol, Miguel Torga e Saramago. Nas suas obras, a cada passo, encontrávamos os influentes e, entre eles, o cacique...  
Hoje a Literatura é cada vez mais cosmopolita, havendo escritores que, de tão viajados e apressados, situam as suas "estórias" em cidades tão distintas como Londres, Rio, New York, Paris, Buenos Aires, Montréal,  Barcelona, Luanda, com passagem esporádica por Lisboa ou por Madrid... Só que nessas cidades não há influentes e muito menos caciques!...

Na verdade, habituei-me a pensar que um mundo sem caciques seria incompreensível, sobretudo nos países que privilegiam o centralismo ou que dizem apostar tudo na democracia... formal. No essencial, nunca percebi bem onde situar o cacique. A Literatura coloca-o no terreno, atribui-lhe uma certa mobilidade, mas não diz até onde pode chegar o braço de tal personagem... A História também é omissa em tal matéria: prefere a narrativa dos ricos ou, em alternativa, a dos pobres. A História ignora deliberadamente o intervalo, o miolo, essa coisa linda, nas palavras de Pessoa.

Hoje, numa espera, descobri uma interessante caraterização do lugar ocupado pelo cacique galego:

«Para Risco o caciquismo era o resultado da imposición dunha estrutura político-administrativa allea á realidade galega, por parte do Estado centralista español, pois o cacique intermedia entre os seus veciños da paroquia que é a cerna da social rural galega e o lonxano Goberno a través dos municípios, provincias e deputacións. Necesita os votos dos seus clientes pera intercambialos na cidade polos favores da burocracia estatal que descoñece as peculariadades nacionais de Galícia e a aplica unha lexislación pensada para sociedades diferentes...» in Mundo Rural, Coordenação: Dulce Freire, Inês Fonseca, Paula Godinho, edições, Colibri, pág. 159

A Literatura atual ignora o cacique. Paradoxalmente, os caciques não ignoram a Literatura...


3.11.14

Pobre Infante D. Henrique, ao terceiro dia...

"Portugal muito beneficiou pelo facto de termos à frente da União Europeia um português, conhecedor da realidade portuguesa, conhecedor do mundo, e com o prestígio de Durão Barroso", afirmou Cavaco Silva antes de entregar ao ex-presidente da Comissão Europeia o Grande Colar da Ordem do Infante D. Henrique.

Bem sei que num dos últimos dias "postei" uma definição de "clientelismo" que não teve qualquer impacto. Não resisto, contudo, a citar novamente o galego Raúl Soutelo Vásquez, autor do ensaio "Mobilización Campesiña, Clientelismo Político e Emigración de Retorno na Galicia Rural"
«A correspondencia recibida polos politicos que lideran unha rede clientelar indica que o deputado de turno era un primus inter pares que representaba os interesses dos notables que o elixiram e cos que mantiña estreitos contactos persoais e de família...»

Espero ainda poder ler a correspondência de Durão Barroso para poder aferir se foi Portugal que beneficiou da ação do Presidente da Comissão Europeia (2004-2014) ou se os verdadeiros beneficiados foram quem o empurrou para o cargo... notáveis estrangeiros, nacionais, empresariais, familiares...

E admitindo que Portugal beneficiou, quais foram os benefícios? E quem é que os recebeu?

2.11.14

A matreirice da Segurança Social

Prometera só escrever sobre livros que estivesse a ler ou a reler. Infelizmente, vou abrir uma exceção para citar a Segurança Social (Trabalhadores Independentes):

« Dos elementos constantes no Sistema de Informação da Segurança Social (SISS), verificou-se que V. Exa. apresenta dívida contributiva. O pagamento pode ser efetuado por multibanco ou homebanking, ou nas tesourarias da Segurança Social, através de documento de pagamento. Para consultar os valores em dívida e emitir o documento de pagamento deverá aceder à Segurança Social Direta, em www.seg-social.pt.»

Acontece que ao "devedor" são concedidos 10 dias úteis para pedir uma password que permita aceder à Segurança Social Direta e pagar o valor em causa... Por seu turno, a SS tem cinco dias para enviar, por carta, a referida password... E depois é só aceder e pagar...
Caso queira contestar, pague primeiro e reclame depois...

( No caso concreto, o devedor descobriu que lhe estava a ser cobrada uma dívida referente a janeiro de 2011 e as três meses de 2012, apesar de num dos meses não ter auferido qualquer remuneração... Feitas as contas, a dívida a pagar é superior à remuneração obtida...)

O que me escandaliza é a matreirice de um Estado que exige que trabalhadores, forçados a passar recibos verdes por míseros proventos, sejam obrigados a aceder à Segurança Social Direta num prazo tão diminuto. Este mesmo Estado sai beneficiado com o expediente, pois acabará por cobrar mais juros de mora...
E ainda por cima penaliza conscientemente o trabalhador quando este não declara de imediato a cessação de atividade, pois o Estado sabe perfeitamente, com os meios informáticos de que dispõe, se a entidade patronal continuou a pagar ao trabalhador independente...

Da Segurança Social às Finanças, a relação do contribuinte com o Estado passa, hoje, por balcões eletrónicos que, em nome da eficácia da cobrança, descuram a realidade educativa, económica e social de cada cidadão, transformando-o numa presa fácil e cómoda...


1.11.14

Clientelismo

« A relación clientelar é um mecanismo de aceso dircto e inmediato ós recursos do poder que non está mediado por institucións nin por valores formais e se basea no apoio e intercambio de favores persoais que xeneran benefícios instrumentais recíprocos.» Raúl Soutelo Vásquez 

Está tudo dito! Já era assim no tempo de Camões! O único valor que movia a ação humana era o dinheiro. A sede de poder entroncava no desejo de riqueza (na cobiça) e o caminho mais rápido era o favoritismo.
Ser favorito trazia fama e, principalmente, benefícios. Ser favorito significava ter acesso direto ao Rei, ao Senhor, ao cacique mais próximo...

E, afinal, em que é que este século se distingue dos anteriores? Nada.
Agora que se aproximam as eleições, a cobrança já está em marcha, com velhos e "novos" cobradores: caciques de renome e arrivistas e 'impolutos'...

Resta saber quem cobra mais, embora se saiba que quem distribuiu mais prebendas parte em posição privilegiada.

Por outro lado, talvez fosse útil procurar, nas redes clientelares, a explicação para a situação de calamidade financeira em que o país está atolado. 
A economia paralela (clandestina) só é possível nos países em que o clientelismo é dominante.