Abexim me confesso

Nós todos, homens, que neste mundo vivemos opressos pelos vários desprezos dos felizes e pelas diversas insolências dos poderosos - que somos todos nós neste mundo, senão abexins?
Fernando Pessoa, Outubro 1935

10.5.18

Já espigado

«... as práticas ligadas à Quinta-feira da Ascensão, o dia da Espiga, em que estas se colhem como ato propiciatório do bom desenvolvimento das searas e se realizam percursos processionais, com intervenção do clero, na prática das rezadas, rogações, bênção dos campos.» Joaquim Pais de Brito, in O Voo do Arado, pág. 222.

«Em vários locais do Ribatejo colhem-se habitualmente três espigas de trigo, três malmequeres amarelos e três papoilas, mais um raminho de oliveira em flor, um esgalho de videira com o cacho em formação e um pé de alecrim ou de rosmaninho florido. As espigas querem dizer fartura de pão; os malmequeres, riqueza; as papoilas, amor e vida; a oliveira, azeite e paz; a videira, vinho e alegria; o alecrim ou rosmaninho, saúde e força.» No dia da espiga  

Já espigado, confesso que só colhi três espigas, porque as encontrei no caminho da farmácia... Fi-lo por impulso, mas não fui mais além. Apenas fiquei a pensar na sabedoria (esperteza) de uma Igreja que 40 dias antes impôs a Quaresma e 40 dias depois convida o rebanho a colher flores... ( e não me venham com o argumento estafado de que antes de Cristo viera Moisés, pois a implícita conciliação nunca existiu...), quando o que o povo precisava era de pão.
O que me preocupa verdadeiramente são as causas desta ocultação de culturas anteriores que, supostamente, viveriam longe de Deus, isto é, insistiam em viver com os seus deuses. O que me preocupa é o folclore nacionalista...
De qualquer modo, o povo que nada entende de ortodoxia, sempre soube viver de bem com Deus e com o Diabo...