16.6.17

O mínimo passou a ser igual ao máximo

Afinal, os professores, no dia 21, podem fazer greve a tudo, desde que assegurem os serviços mínimos...
Isto é: receção das provas, distribuição das mesmas por sala, coadjuvância por disciplina, dois vigilantes por sala, suplentes quanto baste, secretariado a funcionar...
Neste cenário, não há qualquer problema: o ministério mantém a realização das provas e os sindicatos não necessitam de fazer qualquer braço de força... Ninguém perde a face!
Quanto aos professores, fazem como o Pero Marques, carregam às costas a Inês para que ela possa divertir-se com o falso ermitão...
Os portugueses devem estar orgulhosos, como diria o Centeno...