24.4.14

Hoje, as ratazanas, amanhã, os lobos…

20140424_211227

Enquanto caminho, penso no decurso do dia e recordo  que, num certo momento, associei a «sombra da azinheira» do Zeca Afonso à azinheira sobre qual «Nossa Senhora apareceu aos pastorinhos», na Serra d’Aire. Lembro a música ensurdecedora que se foi levantando nos pátios e o fascínio dos jovens pela lenda que vai sendo tecida em torno do 25 de abril…

A mesa de montagem tem triturado as imagens e as palavras, criando um cenário fabuloso que, infelizmente, impede o sobressalto democrático imprescindível à mudança de uma classe política incompetente. O dia de amanhã, em vez de ser gasto em cerimónias patéticas, deveria  mostrar a revolta de todas aqueles que, nos últimos anos, têm  vindo a ser condenados à pobreza…

E enquanto caminhava, surgiu diante de mim uma ratazana pachorrenta que me trouxe de volta à crueza dos dias. Subitamente, interroguei-me se ela seria  do campo se da cidade… Revisitei Sá de Miranda:

Agora, por que vos conte / quanto vi, tudo é mudado; / quando me acolhi ao monte, / por meus vizinhos defronte / vi lobos no povoado. / Carta A Seu Irmão Mem de Sá.

Neste 24 de Abril, as ratazanas, não sendo fabulosas, estão cada vez mais vorazes…